quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Resumo do Livro O MUNDO NAO ACABA QUANDO TERMINA UMA RELAÇAO - Por Vieira Miguel Manuel

Introdução

O mundo não desaba quando termina uma relação

Falaremos de uma história de carácter social, da obra do autor Penelas Santa.
Nascido aos, 1 de Junho de 1981, natural de Ndalatando, Kwanza Norte.
É autor de 5 obras:
Ø  Sendo crónicas da nossa gente;
Ø  Dikwatu, Mortes na sanzala;
Ø  Quando o adultério é sinonimo de amor
Ø  O mundo não acaba quando termina uma relação
Ø  Algumas razões que fizerem com que o MPLA e dos Santos ganhassem as eleições


Portanto a sua obra de maior relevância foi, Algumas razões que fizeram com que o MPLA e dos Santos ganhassem as eleições.


  Segundo nos, dividimos o livro, em duas parte.













1.1         – Quanto à narrativa

Portanto o narrador é não participante.
Quanto as personagens
Dividimos o texto em personagens principais que são:
Ø  NETH
Ø  ALBERTO
Ø  INOCENCIA
Ø  BIG – BOSS
Ø  HERDEIRO
Ø  KUFUMBEIRO

E personagens secundarias que são:
Ø  SEM PIEDADE
Ø  POUCA SORTE
Ø  CHICO - ZE
O mesmo tem como personagens figurantes:
Ø  MANUELA
Ø  AZARADA FILHA DO BIG – BOSS
Ø  TIA GUIDA
Ø  TI FUDIDO
Ø  DONA PRINCESA
Ø  O ENDINHEIRADO
Ø  MANDA CHUVA

Portanto tendo o livro 16 personagens, o que perfazem seis personagens principais.
Três personagens secundárias e sete personagens figurantes





 O mundo não desaba quando termina uma relação
1.1-     1º Capitulo
Portanto esta historia foi narrada por Penelas Santana,
Era certo dia, ouviam – vozes de excessos...Homens, mulheres, mais velhos e jovens reunidos num dos caldos quinzenais ao domingo, conversavam assuntos de variadas esferas social.
Muitos comentários, afirmações, interrogações e exclamações... Cada consumidor de álcool que libertava palavras, frases ou orações parecia que as tinha recebido de fontes fidedignas, mas era somente do ambiente frenético constituído po Jhonnie Walker, savanas, Carlberg, Nocal, Eka e Cuca, que era a preferência da maior parte dos presentes.
Alberto apercebendo – se que estava diante de uma figura governativa, já no final do caldo pediu o contacto do Big Boss, com o fim de na semana seguinte solicitar um emprego para sua esposa, que tinha acabado de concluir o curso de contabilidade informatizada e secretariado.
Passando uma semana Alberto liga para o Big Boss de modo a que ele emprega-se a sua mulher.
_____ ok não há problema. Traz o curriculum vitae, acompanhado de duas fotografias, copia do BI e dos certificados.
____ obrigado tio
_____ não tens porque agradecer. Gostei de ti, por isso te dei o meu contacto. Normalmente não costumo dar o meu número a pessoas estranhas.
____ Até já tio.
____ Grandes mundos...

 De noite para o dia, Big Boss tornou – se tio do jovem Alberto.
Na manhã seguinte, Alberto localizou o escritório com o fim de entregar os documentos. Big boss recebeu o jovem com muita cortesia, recebeu os documentos e despachou-o sem olhar nos papéis. Logo que tentou deitar os documentos para o lixo, para sorte da mulher do Alberto, big boss abriu o envelope e a fotografia da moça chamou-lhe atenção. Até é uma menina bem interessantes. Pensou maliciosamente.
Pirrim, pirrim, prri... – tocava o telefone móvel do Alberto.
___ Alô tio – respondeu entusiasmado.
____ olha sobrinho, diz a menina Neth para passar cá amanhã por volta das 16h30m, ok?
___ Este bem tio
___ Sem falta. Se calhar ela começará a trabalhar na semana que vem.
 ___ Felizmente consegui um emprego para ti amor. -
Disse Alberto, logo chegou a casa.
---- Fala verdade amor!
__ Achas que estou a brincar?

 Graças á deus. Estou cansada de ser doméstica. Acho que até estou a esquecer de algumas coisas que aprendi durante o curso de secretariado.
__ O que? Cuidado, não me faças comprometer no meu tio!
__ Qual tio?
__ o meu tio dos caldos... E não gostas que eu vá aos caldos. E foi lá então que eu arranjei o teu emprego!
_ Não vamos falar disso. Sabes bem o porquê é que não gosto. Mas não te preocupes, eu darei um jeito. Nem que eu tiver de andar com todos os meus cadernos do curso, ou os livros que oprimo Moambeiro trouxe do Brasil.
Já no dia seguinte, Neth preparou, para o encontro esperado para os três.
__ Com que então a senhora quer trabalhar?
__ Sim tio
_ Nesta altura eu preciso de uma assistente dinâmica, se quiseres enfrentar o desafio, pode começar amanhã.
 __ Eu aceito
__ OK Sou homem de poucas palavras, sou prático.
 Naquele primeiro dia, tio big boss segurou-se, mas durante a noite as horas custaram a morrer, pois o instinto sexual assassino já lhe tinha invadido e estudava plano maquiavélicos estratégicos.
 Amarrado com a gravata no pescoço chegou ao escritório e mal se tinha acomodado, chamou pela secretaria estagiária.

__ Neth, por favor... – e assim que ela entrou perguntou – A senhora esta bem?
 _ Estou sim tio
__ Precisas de alguma coisa? __ Enquanto Neth não respondia, ouvia-se o silencio a estacionar devagarinho.
___ Nem precisas falar Neth! Antes de saíres faz – me lembrar de que tenho algo para te dar.
___ Este bem tio, e muito obrigado.
Horas depois Neth bfoi ter com Sr. Big Boss
_ Meu bem, o que tenho para te dar, não é mais se não este envelope.
 ____ Obrigada tio. – E de seguida seu braço viajou em direcção ao amarro e sem mimar a sua curiosidade encarcerou o envelope na sua pasta e só o retirou assim que concretizou que já estava fora alcance dos olhos do chefe.
Abriu o envelope e para o seu espanto, estavam confortavelmente, posto cinquenta notas de cem dólares americanos.
Portanto Big Boss dava presente a Neth, porque pensava que assim então poderia realizar o seu desejo.
 Neth deixou – se levar pelos bens matérias que o seu patrão apresentava a ela.
 Portanto seu marido não desconfiava da má intenção que tinha Big Boss
De se relacionar sexualmente com a Neth.
Contudo Big Boss ia à diante com seu plano.
 Neth passou a interessar-se pelo seu patrão.
Portanto este desejo fomentou uma grande tragédia, entre o casal.
Ou seja, Alberto apercebendo-se da traição de sua mulher, não resistiu de tanta fúria.
Acabou por assassinar a sua esposa. Alberto ainda tentou fugir, mas foi apanhado pala polícia e imediatamente posto para cadeia por homicídio e porte ilegal de arma de fogo, onde acabou por receber uma pena de 24 anos de prisão.
Depois de alguns anos Alberto acabou por falecer na prisão.

1.1.2-Moral da primeira Historia
Portanto o mundo não acaba quando termina uma relação,
Por isso, seja optimista. Pense que quando terminar uma relação, a próxima será sempre melhor porque se não for, mergulharás no abismo do sofrimento e amargura que é o passado. E mais, a maior parte das vezes o pensamento de  que uma separação representa , agonia, tristeza, sofrimento  e que também pode ser o fim, chega a ser mais doloroso que a própria dor da separação conjugal. O despertar de uma manhã, é, e sempre será mais delirante.
















2º Capitulo
 A inocência a filha do Alberto e Neth
Depois de certo tempo a inocência tinha uma vasta recordação de sua mãe que algumas vezes lhe fazia perguntar, o que realmente teria acontecido com os pais.
  Suas curiosidades e comportamentos passavam despercebidos aos olhares e educação dos avos, pôs à medida que os dias morriam aos velhos adicionavam – se as ideias e subtraiam – se as reflexões.
 Portanto tudo que a Sr. pouca sorte e o marido queriam, era não errar da mesma forma que tinham errado com Neth no passado por ter estado concebida.
 A dona pouca sorte e seu marido constituíam uma família de baixa renda e à medida que o tempo passava, foram surgindo cada vez mais crises económicas e financeiras que só piorava a vida social.
 Inocência já era uma mulher linda. E fazia lembrar a sua falecida mãe.
 A mesma havia se tornado na fonte de sobrevivência da família. As suas saídas eram sempre rentáveis. Trazia sempre compras, ate que certo dia surpreendeu seus avós coma sua carta de condução e um carro na porta.
 Num dia qualquer saiu para tomar um copo com os amigos como era de costume fazer as sextas.
 Conseguiu alguém e agradou a família, o moço gostava dela e pressionava para que fosse apresentado em todos os familiares dela, mas inocência não estava interessada em faze-lo.
 Nesta mesma semana apareceu outro moço, logo que se viram o homem assumiu a conta da moça onde estava sentada.
____ Desculpa – me moça, tens uma presença muito agradável, estou super atraído por ti.
___ Meu Deus, não acredito! Não precisas dizer muito, obrigado pela sua sinceridade e coragem.
 E o nome do jovem era Herdeiro Endinheirado.
 Começaram a trocar abraços, beijos e muito mais.
 Demorou, mas, todavia tinha chegado o dia de ambas famílias se conhecerem, era a famosa apresentação, onde a família da moça oferece um almoço a lista de pedido.

v  Dois factos de tecido Tirelene
v  Dois pares de sapatos
v  Duas peças de panos holandês
v  Quatro garrafões de vinho tinto
v  Vinte grades de Nocal
v  Vinte grades de Cuca
v  Uma caixa de whisky velho
v  Uma caixa de Amarula e outros.
 Quando esta lista chegou às mãos do pai de Herdeiro, ele fez passar de mão a mão e foram olhando nunca tinham visto nem ouvido falar de uma lista igual.
 Quando chegou a casa o pai chamou o filho e disse:
  __ Oh filho!
__ Pai
___ Há quanto tempo namoras Inocência?
___ Já a um tempo
____ É a resposta que das?
___ Esse pai também!
____ Oh mãe! Desde quando é que o nível económico ou sociocultural serve para medir o grau de sentimento da pessoa?
 O senhor endinheirado e a dona princesa preparam o pedido de noivado sem dar a conhecer ao filho. Inocência exigia que herdeiro custeia-se todas as despesas da sua família.
 No dia do tão esperado alambamento Sr. endinheirado e sua esposa, reunidos com outros membros da família foram até a casa dos compadres.
Ao longo do caminho Herdeiro dirigiu-se ao pai.
___E as coisas que a família da Inocência pediu?
____ Não te preocupes filho, o motorista já esta a caminho.
 Marcou – se rapidamente o casamento, e a família endinheirada apresentou o que lhes fora pedido.
 Era um caminhão cheio de mercadorias, dentre as quais; mobilia para casa dos compadres fazendo espantar todos os presentes.
“Esse já não é nosso compadre, é nosso pai”...Muito obrigado.
Na hora de apresentarem a nora, uma tia da mesma sem perceber disse:
 Para a menina vir precisamos de passagem.
 __O que é a passagem? Perguntou o Sr. Endinheirado
___ Primo passagem é dinheiro para essa tia ir buscar a menina.
 O pai tirou 1000. Dólares.
O senhor Endinheirado desde então, nunca quisera chocar com o filho, tinha consciência que era mera ilusão. E o pai ofereceu uma lua-de-mel, antecipado ao casal na ilha “viver é viver”.
  Depois de alguns dias o ex. namorado apareceu na casa da sua avó
Para saber de Inocência, mas foi sem sucesso.
 A lua-de-mel foi uma maravilha para os dois, e sem muita demora, havia chegado a data tão esperada do casamento.
 Neste dia, inocência orientou os jovens que iriam servir que dessem, mas atenção ao lado esquerdo, e tinham de servir Whisky Velhos e Bebidas importadas e para outro lado que servissem bebidas nacionais (sua família) para seu espanto, o pessoal do lado esquerdo só queria consumir produtos nacionais.
“Pobre mulher! Certamente esta assustada com a vida que nunca teve... não há motivos para comportamento do género...”- os mais atentos comentavam.
 Houve quem chegasse mesmo a meditar que inocência já se sentia na pele de uma baronesa magnata de outra raça.
Portanto, infelizmente, ainda existem pessoas na face da terra que vivem descontentes com a cor da pele ou outra coisa qualquer, esquecendo-se de que a diferença faz parte do universo, porque se não, tudo seria o mesmo.
Ou seja, o sol seria mar, o mar seria sol, eu seria você, tu serias eu, o homem seria mulher, e a mulher seria homem... E nada teria ou faria sentido.
  Regressando a história principal, já na altura do casamento, enquanto à noite Inocência estava a festejar, Kafumbeiro (ex-namorado de Inocência) planeava uma acção para resolução da inquietação que vivia. Tivera investido muito na relação e não se conformava com o fim... Sabendo do local onde o casal passaria a lua – de – mel naquela madrugada nupcial, invadiu a vivenda com uma arma de fogo ao punho, talvez para assassinar o casal.
 Sequestrando, o marido e a mulher durante algumas horas, Kafumbeiro confessou á Herdeiro que até há bem pouco tempo ele tinha sido namorado de Inocência. Que não o culpava, mas por ela ter brincado com os seus sentimentos tinha de ter uma aula e aprender bem a lição.
Um vizinho ao lado que ouviu os primeiros gritos e desconfiou, accionou o piquete do comando geral da polícia e alguns minutos depois a casa ficou cercada por tropas especiais.
 Efectivos em prontidão tentavam uma negociação pacifica com o sequestrador que não recuou em momento algum, e disparou contra Inocência logo que os homens invadiram a casa.
 No extenso corredor, varanda e parte do quintal fez se um riacho de sangue, que escorria do corpo da mulher... Parecia que a pouca sorte e destino da mãe tinham – lhe procurado e abraçado.
 Na hora, Kafumbeiro foi preso e transferido para uma penitenciaria de alta segurança.
“tal mãe, tal filha...”- Algumas pessoas que nem se quer sabiam ao certo o que se passava já comentavam.
  _ Puta é puteeéé! Vocês pensam que é em vão que se diz, filho de peixe é peixinho! Eu só tenho pena do filho alheio... Coitado do moço! Podia só morrer em vão. Tudo por causa de uma vadia que tinha embora namorado. Eu se fosse ele, com dinheiro que temeu arranjava embora uma branca. – desabafou o velho Mexeriqueiro.
 A policia levou Inocência para uma unidade hospitalar próximo, onde recebeu os primeiros socorros.
 Uma semana depois, e não havendo melhorias significativas Herdeiro decidiu evacuar a mulher para o exterior do país. Os disparos haviam atingido a coxa esquerda, desfazendo o fémur e a outra bala passou superficialmente a bochecha esquerda.
 Portanto Kafumbeiro arrependido tentava despertar do pesadelo que era realidade naquele estabelecimento os guardas divertiam – se fazendo brincadeiras horrenda com os presidiários. Todos os fins de cada mês, sob orientação de um superior hierárquico diabólico, os cozinheiros confeccionavam os alimentos com urina e misturavam com as fezes humanas o feijão.
 Kafumbeiro no terceiro mês ficou doente, desidratado e visivelmente debilitado. Os mais fracos tinham morte imediata e os mais fortes resistiam por mais tempo. Ele que no cativeiro havia comido até alimento estupefactos, o seu organismo não aguentou o “feijão especial” como era apelidado pelos guardas.
 Infelizmente a morte também foi certa para ele.
 Portanto caro colega se estiver a mergulhar neste livro de corpo e alma, já reparou que mais um casal convergiu na desgraça, tristeza, solidão, sofrimento e luto? Lamentamos o facto dos nossos avós e pais passarem por estas atitudes nojentas e, sobretudo no antigamente. Que as suas almas descansem em paz, na companhia do espírito santo.
 Enquanto kafumbeiro já estava morto, Inocência lutava com a vida causando sofrimento á família e ao marido.
 Herdeiro passou a conviver com lembranças daqueles minutos de aflição, humilhação e desespero. Tinha sido difícil e assustador.
 Inocência, desgostosa por lhe terem amputado uma perna, julgava que Deus a tinha abandonado... O seu funesto semblante deixava toda gente que a vise preocupada. Quando sã, o egoísmo fazia-lhe pensar que tinha ferrado na atribuição da beleza. E aquele instante sem perna e rosto cicatrizado o que pensava? Incorformada apenas se consolava com o pensamento de que estava com o homem da sua vida.
 Recuperada, Inocência regressou e o marido confiante na fortuna paga para recuperação da amada foi ao aeroporto com um arranjo de flores á busca da donzela. Para seu espanto, deparou-se com a mulher mutilada a movimentar-se com apoio de uma prótese, uma muleta e parte do rosto meio desfigurado.
 “Daquele jeito, já não era a mulher com quem se tivera casado”. - Pensou...
 O Herdeiro talvez inconscientemente havia começado a rejeitá-la e sem alaridos...
  Caro colega, em minha opinião conclusiva é: Herdeiro não tinha casado com aquela mulher no verdadeiro sentido do amor, tinha apenas casado com a sua beleza exterior, herdada da sua falecida mãe.
A rejeição chegou a tal ponto que Herdeiro se apaixonou por outra mulher, deixando claro que depois do acidente a relação já não era mais aquela do passado, onde fluíam beijos doces, abraços.
 Todas as tentativas para uma possível reconciliação tinham sido inúteis... Sua infelicidade aumentava exponencialmente enquanto a felicidade do Herdeiro triplicava dia após dia.
 Irritada e cansada foi invadida pelo seguinte pensamento:
“Ou ele fica comigo, ou não fica com mais ninguém... foi por causa dele que fiquei aleijada”.
 Portanto Inocência com muita irá solicitou alguém com o objectivo de mandar matar Herdeiro, infelizmente seu plano não correu na perfeição.
Passando algum tempo Inocência passou a sentir uma paixão incontrolada por outra pessoa.
 Mais uma vez, uma expressão matemática tinha resolvido tudo.
 Ódio mas uma nova paixão pura, resultou num amor verdadeiro, fazendo acreditar que o amor da vida daquela mulher não era Herdeiro, mas sim Sem piedade. E não tinham vivido muitas emoções, eram apenas fortes e ele havia aceitado ela assim como era. Diferente.
 Portanto o casal uniu-se e viveu feliz, provando uma vez mais que o casamento nunca foi determinante para o sucesso de uma relação.

























1.2.1- MORAL DOSEGUNDOCAPITULO

Na maior parte das pessoas insistirem muito numa determinada relação e mesmo quando de antemão percebem que a referida relação se traduz mais em infelicidade do que felicidade é próprio do instinto humano. Algumas pessoas que assistem a situação dizem: “se ele (a) continua no namoro ou casamento é porque tenciona sofrer”.
 Não é isso. Ninguém quer sofrer e a única resposta é: É próprio de o instinto humano acreditar até mesmo quando se tem certeza que a coisa não funciona. Além de mais, o coração faz-nos seguir os seus desejos mesmos errados.
  Agora eis a questão: Será que existe uma pessoa ideal para você: claro que existe! a pessoa ideal é você, é aquela que quer o teu bem, que te presta atenção, que te da carinho, que te compreende e que te ama.
 Meus colegas, o passado nestas questões, devem servir apenas de referencia de erros cometidos, com o fim de aprendermos com as lições e nunca para vivermos, portanto... O passado é sempre uma agonia. Ainda que tenha sido bem vivido, pior se tivesse sido triste. Devemos sim, é encarar o presente com muita responsabilidade e sem precipitações, porquanto, o pensamento é:“Toda vida depende sempre dependerá do presente, pois entre os tempos, o presente é sempre determinante para se viver bem ou mal. E o futuro é sempre melhor, porque se deve encarar ansioso e com uma perspectiva jovial, doce, sorridente, maduro, descontraído e sem dor pela formatação de todos os males vividos”.












2       – CONCLUSÃO


Portanto concluímos que o mundo não desaba quando termina uma relação...Por isso, seja optimista. Pense que quando terminar uma relação, a próxima que começar será sempre melhor; porque se não for,  mergulharas no abismo do sofrimento e amargura que é o passado. E mais, a maior parte das vezes o pensamento de que uma separação representa agonia, tristeza, sofrimento e que também pode ser o fim, chega a ser definitivamente mais doloroso que a própria dor da separação conjugal. Ou seja, o despertar de uma manhã, É e sempre será mais doce e delirante.
Portanto a história que acabamos de apresentar ensina-nos muitas coisas positivas de um relacionamento.









Comente com o Facebook: