sábado, 13 de junho de 2015

A GESTÃO DE CUSTOS NAS ORGANIZAÇÕES - Pré-Projecto - Trabalho Elaborado Por Vieira Miguel Manuel

Instituto Superior Politécnico Inocêncio Nanga




INSTITUTO SUPERIOR INOCÊNCIO NANGA (ISPIN)
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS
LICENCIATURA EM GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO







A GESTÃO DE CUSTOS NAS ORGANIZAÇÕES


Pré-Projecto Elaborado Por Vieira Miguel Manuel










António Cláudio João Machado
Ezequiel Charles Garcia
Gouveia Numa Ganga
Pedro teca Miguel Gonga
Peyroteo Vicente Francisco Sango
Tulombadio Daniel Gouvim














LUANDA
2015

INSTITUTO SUPERIOR INOCÊNCIO NANGA (ISPIN)
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS
LICENCIATURA EM GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO







A GESTÃO DE CUSTOS NAS ORGANIZAÇÕES









António Cláudio João Machado
Ezequiel Charles Garcia
Gouveia Numa Ganga
Pedro teca Miguel Gonga
Peyroteo Vicente Francisco Sango
Tulombadio Daniel Gouvim















LUANDA
2015
FOLHA DE APROVAÇÃO

António Cláudio João Machado
Ezequiel Charles Garcia
Gouveia Numa Ganga
Pedro teca Miguel Gonga
Peyroteo Vicente Francisco Sango
Tulombadio Daniel Gouvim




A GESTÃO DE CUSTOS NAS ORGANIZAÇÕES





Este pré-projecto foi julgado e aprovado para a obtenção do grau de Licenciatura, no Curso de Ciência de Gestão e Administração, do Departamento de Ciências Humanas.

Luanda, 16 de Junho de 2015


Prof. Nelson Nhanga
Coordenador do Curso de Tolombadio Daniel



BANCA EXAMINADORA
Presidente: Nelson Nhanga
Primeiro Vogal: Loiro Ernesto
Segundo Vogal: Dias Manuel
Orientador: Verónica António Adão
Secretário: Peterson Daniel
DEDICATÓRIA


Este trabalho o grupo dedica ao nosso professor, Nelson Nhanga que tem dado muito por nós. No que tange as técnicas das pesquisas de trabalhos científicos. 
AGRADECIMENTOS


Agradecemos inicialmente a Deus por nos tornar capazes de seguir em frente nesse projeto, superando o emocional.

Também não poderíamos deixar de dirigir algumas palavras de agradecimentos a todos aqueles que nos incentivaram a lutar por aquilo que sempre acreditamos e que nos apoiaram ao longo desta nossa caminhada como os nossos amorosos país, esposas e maridos assim como também os nossos colegas.

A todos que contribuíram direta ou indiretamente, para que esse objetivo torna-se realidade, o nosso mais sincero muito obrigado!
EPÍGRAFE


“No mundo dos negócios nunca se obtém aquilo que se quer, mas sim aquilo que se negocia.”

Chester Karrass
RESUMO


A gestão de custos é um processo em que se utiliza um conjunto de técnicas multidisciplinares, que nos permite compreender a origem dos custos. Este processo pode conduzir ao aumento de proveitos, reduções de custos e obtenção de melhores níveis de produtividade. Actualmente toda a orientação da organização visa a satisfação do cliente:

A necessidade de se conhecer a gestão de custo, para a sobrevivência da empresa e para obter maior lucratividade nos negócios. O conhecimento e o domínio das técnicas de apuração de custos são fundamentais para um gerenciamento eficiente e eficaz visando a perenização de uma empresa.

Todas as empresas devem; conhecer, administrar e controlar com muita propriedade os custos e despesas gerados para a produção e comercialização de seus produtos ou serviços. A formação do preço de venda do produto ou serviço está ligada diretamente à apuração dos custos e das despesas que por sua vez devem ser muito bem formatados pelo setor de contabilidade de custos da empresa.


PALAVRAS-CHAVE: Gestão; Custos; Empresa;
ABSTRACT


Cost management is a process which uses a set of multidisciplinary techniques, allowing us to understand the origin of the costs. This process may lead to increased revenues, cost reductions and achieve better productivity levels. At present all the guidance the organization aims to customer satisfaction:

The need to know the cost of ownership for the company's survival and to achieve greater profitability in business. The knowledge and mastery of cost calculation techniques are key for the efficient and effective management aimed at the perpetuation of a company.

All businesses should; learn, manage and control very properly the costs and expenses generated in the production and marketing of its products or services. The formation of the product selling price or service is linked directly to the calculation of costs and expenses which in turn must be well formatted the company's cost accounting industry.


KEYWORDS: Management; Costs; Business;
SUMÁRIO


DEDICATÓRIA       I
AGRADECIMENTOS         II
EPÍGRAFE    III
RESUMO       IV
ABSTRACT   V
1.         INTRODUÇÃO        9
1.1.      Problemática   9
1.2.      Hipótese         9
1.3.      Justificativa    10
1.4.      Objectivos      10
1.4.1.   Objetivo Geral            10
1.4.2.   Objetivos Específicos 10
2.         FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA   11
2.1       Gerenciamento de Custos do Projeto            11
2.2       Métodos de gestão de custos 11
2.3       Os objetivos e os tipos da gestão de custos  11
2.4       Os Dois Tipos de Custos       12
2.4.1    Custo Fixo      12
2.4.2    Custo Variável           12
2.5       A importância da gestão de custos    13
2.5.1    A Gestão de Custos Para as Micros e Pequenas Empresas   14
2.6       A Gestão Estratégica de Custos        16
2.6.1    Método Unidade Esforço de Produção        17
2.7       CONCLUSÃO          19
3.         METODOLOGIA     20
3.1       Técnica de pesquisa    20
4.         CRONOGRAMA      21
5.         REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS       22

1.         INTRODUÇÃO


O trabalho ora apresentado resulta de uma pesquisa bibliográfica sobre a gestão dos custos, antes de falarmos sobre a temática gostaríamos de apresentar algumas definições sobre o custo no seu sentido mais geral, custo é o valor pago ao trabalho necessário para a produção de bens ou serviços. O conceito de custo é muitas vezes confundido com os conceitos de preço, despesa ou de desembolso financeiro. É comum dizer-se que, se um bem ou serviço tem um preço alto, esse bem ou serviço "custa" muito caro. Em economia, custo é a expressão monetária do consumo ou desgaste de fatores necessários à produção de um bem ou serviço. Todo processo de produção de um bem supõe consumo ou desgaste de uma série de fatores produtivos. O conceito de custo está ligado ao sacrifício incorrido para produzir esse bem.

1.1.      Problemática

Segundo Pires Caiado (1997), a Contabilidade de Gestão deve apurar os custos de cada um dos segmentos (...) analisá-los e transmiti-los aos responsáveis, tendo em visto o seu controlo e adequação aos objectivos da empresa. Logo, cada organização estabelece diferentes metas, fins ou objectivos, constituindo mesmo um desafio à criatividade de todos os agentes económicos, pelo que a sua concretização permite as empresas um desempenho excepcional. Mas, o reverso da “moeda” é a necessidade de planeamento, gestão, controlo e avaliação das suas actividades. A situação de “descuido” destas regras elementares da gestão ou administração das empresas conduz a casos bem conhecidos.

1.2.      Hipótese

Segundo Leone (Apud VIEIRA, 2009), A Contabilidade de Custos é o ramo da Contabilidade que se destina a produzir informações para os diversos níveis gerenciais de uma entidade, como auxílio às funções de determinação de desempenho, de planeamento e controlo das operações e de tomada de decisão.

Neste sentido, a escolha pelo tema a gestão de custos nas organizações se deve à importância da mesma para a empresa, para a correta tomada de decisão e o devido conhecimento dos custos dos produtos, tendo por base preço mínimo, margem de contribuição, rentabilidade e lucro. Para a empresa, o tema em questão é de grande importância, pois a mesma não se utiliza de nenhum método para cálculo de custos, sendo assim, não possui conhecimentos sobre os produtos que melhor rentabilizam a empresa, margem de contribuição e custos mínimos para os produtos. Neste sentido, buscou-se um maior conhecimento nesta área para tomadas de decisão e melhor competitividade com empresas concorrentes.

Para o Instituto Superior Politécnico Inocêncio Nanga (ISPIN) e demais alunos, o presente pré-Projecto serve de fonte de pesquisa, pois tem como base demonstrações de estudo bibliográfico sobre gestão de custos nas organizações.

1.3.      Justificativa

Por ser um tema de extrema importância para o nosso curso em especial e para o desenvolvimentos das nossas capacidades e percepções como futuros gestores. Este tema facilita-nos aprofundar mais os nossos conhecimentos sobre o curso escolhido por nós.
1.4.      Objectivos

1.4.1.   Objetivo Geral

•          Apresentar numa visão de internacionalização conceitos e práticas que se relacionam com a gestão de custos, abordar de uma forma simples e clara um conjunto de conhecimentos disponível a compreensão e as realidades do tema.

1.4.2.   Objetivos Específicos

•          Retratar de forma específica e compreensiva conteúdos relacionados com a  gestão de custos;
•          Considerar os procedimentos a seguir que não são mais do que a descrição pormenorizada sobre o problema levantado; 
2.         FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA


2.1       Gerenciamento de Custos do Projeto

A gerência do custo do projeto agrega os processos que envolvem planeamento, estimativa, orçamento e controle de custos que serão necessários para a conclusão do projeto a partir de uma previsão orçamentária.

Os processos de gerência do custo do projeto incluem:

•          Estimativa de custo: desenvolver uma aproximação dos gastos com os recursos necessários para execução do projeto;
•          Orçamento de Custo: agregar os custos estimados de atividades ou de pacotes individuais de trabalho para estabelecer uma base de custo;
•          Controle de Custo: influenciar nos fatores que geram uma variação de custo e controlar as mudanças de orçamento do projeto;

2.2       Métodos de gestão de custos

A gestão de custos é um processo em que se utiliza um conjunto de técnicas multidisciplinares, que nos permite compreender a origem dos custos. Este processo pode conduzir ao aumento de proveitos, reduções de custos e obtenção de melhores níveis de produtividade. Actualmente toda a orientação da organização visa a satisfação do cliente:

2.3       Os objetivos e os tipos da gestão de custos

A necessidade de se conhecer a gestão de custo, para a sobrevivência da empresa e para obter maior lucratividade nos negócios. O conhecimento e o domínio das técnicas de apuração de custos são fundamentais para um gerenciamento eficiente e eficaz visando a perenização de uma empresa.

Todas as empresas devem; conhecer, administrar e controlar com muita propriedade os custos e despesas gerados para a produção e comercialização de seus produtos ou serviços. A formação do preço de venda do produto ou serviço está ligada diretamente à apuração dos custos e das despesas que por sua vez devem ser muito bem formatados pelo setor de contabilidade de custos da empresa.

Objetivos do estudo da Gestão de Custos:

a)         Fornecer informações sobre a rentabilidade e desempenho de diversas atividades da empresa;
b)         Auxiliar no planejamento, controle e desenvolvimento das operações;
c)         Fornecer informações para a tomada de decisões.

2.4       Os Dois Tipos de Custos

2.4.1    Custo Fixo

É a soma de todas as despesas mensais de uma empresa que esteja funcionando, mesmo que não venda ou preste nenhum serviço. São as despesas de aluguel, material de escritório, recepcionista, contador, taxa de Predial e Territorial Urbano (IPTU), água e telefone. O custo fixo é também denominado de despesa.

2.4.2    Custo Variável

 É o custo do material e dos insumos, ou seja, tudo que é consumido para você produzir ou prestar um serviço. Os impostos pela venda da mercadoria ou pelo serviço também serão parte do seu custo variável. A comissão que o vendedor recebe sobre as vendas também varia, assim como outras taxas e cobranças sobre cada produto ou serviço.

Contabilidade de Custos: São técnicas de contabilidade geral e outras técnicas extracontábeis para o registro, organização, análise e interpretação dos dados relacionados à produção ou prestação de serviços.

Finalidade da Contabilidade de Custos:

Encontrar o custo do estoque a ser contabilizado e como consequência determinar a apuração do resultado. Umas das habilidades de um administrador de sucesso é saber identificar e controlar seus custos/ despesa, muitas empresas sejam elas porte pequenos, médios e grandes conseguem alcançar seus objetivos por um planeamento estratégico, incluindo neste planeamento todos os custos e sua rentabilidade.

O total dos custos de um projeto é a somatória de todos os recursos necessários para executar as atividades previstas no projeto expressos em unidade monetária. Eles formam as saídas do fluxo de caixa e são usadas juntos com os ganhos obtidos pelo projeto (que são as entradas do fluxo de caixa) para formar o fluxo de caixa e determinar a viabilidade do projeto.

2.5       A importância da gestão de custos

O grande foco da empresa é lucrar e para isso elas são constituídas. Quando um investidor resolve colocar seu dinheiro na criação de uma pessoa jurídica ele não está pensando em ajudar a pessoas ou desenvolver a comunidade (raríssimas exceções), eles estão interessados em fazer seu dinheiro trabalhar por eles em busca de mais dinheiro. Eles estão em busca da multiplicação do dinheiro em busca do "milagre" da multiplicação. Assim vários peixinhos podem virar muitos mais vários peixinhos.

Os custos constituem a base dos gastos das empresas e o estudo deles permite que nós analisemos o cenário de forma realística e determinemos se realmente aquela atividade esta sendo interessantes. E se esta sendo interessante é uma ferramenta espetacular para mostrar onde esta funcionando melhor e onde deve melhorar para continuar aumentando o lucro.

Os estudos dos custos possibilitam ao tomador de decisão identificar com precisão o seu cenário e a verdadeira realidade de sua empresa. É capaz de apontar certeiramente os pontos deficitários que precisam ser melhores trabalhados. A gestão hoje já não deve ser feita por rumo ou muito menos ficar satisfeita com lucros, simplesmente por lucrar.

Em toda a história o que se percebe claramente é que na grande maioria das vezes as empresas só se preocupam com custos nos momentos de dificuldades financeiras. Nesse momento todos querem saber como diminuir os custos, mas nesse momento a empresa já está frágil, muito dinheiro já foi desperdiçado e a empresa pode ter virado refém de uma armadilha de seu próprio sucesso, o lucro. O lucro jamais deve ser uma venda nos olhos, ele deve ser um instrumento para abrir caminhos e gerar a perpetuidade.

Os estudos dos custos devem ser usados no momento da bonança onde tudo esta colaborando para que os lucros aumentem. Quando a empresa esta atenta aos custos, ela esta um passo a frente no processo de melhoria dos resultados. Isso porque com esses estudos podemos visualizar pontos fracos e fazer as correções no momento que a empresa está mais forte.

Assim isso é o mesmo que você se alimentar bem, sua saúde tende a estar intacta e com exercícios físicos seu corpo melhorara ganhando músculos. Com isso você se tornara uma pessoa mais forte. Quando a pessoa esta debilitada e ela tem uma boa alimentação, primeiro ela terá que melhorar gradativamente, e em um processo mais lento ela vai se recuperando, correndo o risco de carregar para sempre as consequências daquele momento.

2.5.1    A Gestão de Custos Para as Micros e Pequenas Empresas

A competitividade no mundo empresarial é uma tendência continuamente crescente. O comportamento de cada empresa na competitividade é resultado de sua capacidade administrativa. Entretanto, a gestão eficiente de custos e despesas é a maior responsável pelo grau de competitividade de uma organização. Desde que não haja redução da qualidade, uma empresa que consiga promover redução de seus custos e atribuir isso ao preço final, torna-se uma empresa competitiva capaz de mudar diretrizes não só de si mesma, mas de todas as outras concorrentes, promovendo a satisfação de consumidores.

É necessário inicialmente colocar algumas informações importantes para diferenciação de conceitos da gestão de custos, não só neste artigo, como também na teoria e na prática. Quando mencionamos a palavra "custos", essa termologia está relacionado ao desenbolso proveniente da produção. E "despesas" sempre está relacionado com desenbolsos relacionados a manutenções administrativas, contábeis e vendas.

Analisando que mais de 90% das empresas 'quebram' em seu primeiro ano de atividade, é considerável ter em mente que muitas delas são geridas por pessoas ou profissionais incapacitados ou sem qualquer conhecimento técnico sobre negócios. Mas na maioria dos casos, o principal responsável pelo fracasso dessas micros e pequenas empresas são os custos. A gestão de custos é capaz de proporcionar tanto sucesso quanto fracasso para uma organização, seja ela micro ou grande.

A incapacidade de gerenciamento de tais custos por parte de empreendedores é o principal fator que promove a falência prematura das empresas no Brasil. Os custos e despesas necessários para a manutenção de uma atividade, tanto fixo quanto variáveis, tende a ser excessivo quando levado em consideração o posicionamento da empresa. E não havendo um controle rígido e gerenciamento dos custos, a empresa estará atuando no mercado.

Essa hipótese tem como justificativa, quando levado em consideração poucos produtos, que os mesmos são ineficientes para suprir os custos e as despesas para manutenção da empresa. Da mesma forma que quando são muitos produtos de baixo valor, são necessários muitos clientes para que a empresa supra seus custos e despesas e que consiga consolidar no mercado. Ambas estratégias são difíceis quando analisados as etapas para um processo de estabilização.

Portanto, a gestão de custos é tanto o principal responsável pelo fracasso das empresas, mas como também o principal responsável pelo sucesso. As grandes empresas estão em constante competição por meio de estratégia de preços, baseadas em redução de custos. Então, os empreendedores que estão buscando se inserir no mercado, devem ter em mente essa abordagem e buscar, anteriormente ao inicio das atividades, ter conhecimento em gestão de custos para promover uma alta probabilidade de sucesso.

Uma ferramenta útil para sustentar a competitividade é a gestão estratégica de custos. Ela tenta compreender onde a empresa estará amanhã diante de todas as variáveis que envolvem o ambiente empresarial. Tendo assim uma visão diferente se compararmos a estratégias puramente simples que geralmente refere-se aos planos da alta administração para alcançar os objetivos almejados pela empresa. Segundo Hansen; Mowen (2001, p. 423) a gestão estratégica de custos "é o uso de custos para desenvolver e identificar estratégias superiores que produzirão uma vantagem competitiva"
 Sendo assim a gestão estratégica de custos surge como uma alternativa de entender às demandas do sistema econômico com relação as variáveis vividas nos mercados buscando a melhoria contínua da competitividade.

2.6       A Gestão Estratégica de Custos

Estamos vivendo em um ambiente de constante mudança é fato que as empresas atualmente precisam estar atentas às estas mudanças. Portanto tomar a decisão certa no momento certo passa a ser algo primordial para a longevidade das empresas. Em outras palavras, as situações decisórias no âmbito profissional, podem afetar toda a empresa positivamente ou negativamente. Neste sentido tomar a decisão correta passa a ser a base de sucesso de toda a empresa.

Em virtude desta continua mudança no mundo dos negócios as empresas se vêm obrigadas a aprimorar seus sistemas de informações gerenciais. Buscam modelos que sejam capazes de detectar falhas em seus processos de forma tal venha a otimizar seus recursos evitando distorções, retrabalho e perda de competitividade. A gestão estratégica de custos passa a ser uma excelente alternativa a ser utilizada pelas empresas, servindo de orientadora no momento de tomada de decisão. Prado (2004 p 19) "enfatiza que sua finalidade principal é fornecer as informações de que as empresas necessitam para proporcionar valor, qualidade e oportunidade que os clientes desejam".

Para Shank (1997) gestão estratégica de custos trata de uma análise vista sob um contexto mais amplo, em que os elementos estratégicos se tornam mais conscientes, explícitos e formais, a análise de custos é vista tradicionalmente como o processo de avaliação do impacto financeiro das decisões gerenciais. Para Martins (2003) a gestão estratégica de custos requer uma análise mais profunda dos custos que vão além dos limites da empresa. A gestão estratégica de custos busca conhecer toda a cadeia de valor desde a aquisição da matéria-prima até o consumidor final.
Hansen; Mowen (2001) afirmam que as informações fornecidas pelo departamento contábil da empresa normalmente são usadas para estabelecer estratégias tendo como foco a obtenção da vantagem competitiva, ou seja, a criação de um valor melhor para o cliente por um custo igual ou mais baixo que aquele oferecido pelos competidores. Valor ao cliente é a diferença entre o que um cliente recebe e o que ele espera receber em outras palavras é a superação das expectativas.

De acordo com Shank; (1997) a gestão estratégica de custos é resultado de três temas subjacentes tirados de literaturas especializadas em gestão de custos são eles:

•          Análise da cadeia de valor;
•          Análise de posicionamento estratégico;
•          Análise de direcionadores de custos.

Para Paiva (2004), "Entre as possibilidades que a empresa pode utilizar para se manter competitiva mercadologicamente está o gerenciamento de custos por meio de análise da cadeia de valores, de seu posicionamento estratégico e do estudo dos direcionadores de custos".

2.6.1    Método Unidade Esforço de Produção

Esse sistema de custeio teve seu modelo básico desenvolvido pelo francês Georges Perrin, durante a Segunda Guerra Mundial. Tendo o método inicial modificado por Franz Allora que era discípulo de Perrin..

Para Rodney Wernke (2004, p. 33): “no método Unidade Esforço de Produção (UEP), os custos unitários dos produtos são resumidos em custos das matérias-primas consumidas e custos de transformação.”

Quanto ao custeio das matérias-primas consumidas, são facilmente contabilizadas através de fichas individuais que cada produto possui, dando-se mais ênfase aos custos de transformação que representam o esforço desprendido pela empresa para a transformação da matéria-prima em produto acabado, ou seja, tudo que envolve o processo de produção como manutenção do maquinário, mão-de-obra direta e indireta, entre outros, é tido como esforço de produção e é contabilizado por esse método de custeio.

Quando a organização produz um só produto, a contabilização dos custos através desse método torna-se mais fácil, pois, seus gastos estão direcionados a apenas um produto, no entanto, se empresa possuir um grande mix de produtos esse cálculo torna-se mais complexo, pois, estará sendo alocados custos para vários produtos.

Os focos concentradores dos esforços de produção das empresas são todas as atividades diretamente envolvidas na fabricação dos produtos. Os esforços das atividades auxiliares são repassados às atividades produtivas e, daí, aos produtos.

Primeiramente, deve-se dividir a fábrica em postos de operação, que se constitui em operações de produtos de mesma espécie, ou seja, operações de mesma característica, produtos estes que provavelmente irão divergir no tempo de passagem pelo processo ou posto.




2.7       CONCLUSÃO


Nesta nova visão coesa e integrada da gestão de custos verifica-se uma grande potencialidade para as empresas alcançarem a tão almejada vantagem competitiva. Observa-se que as ferramentas aqui expostas, como norteadora da gestão estratégica de custos e totalmente conhecidas em qualquer literatura que trata de estratégias empresariais e gestão de custos da empresa. Portanto não existe nada de novo e sim a junção destas ferramentas como alternativa de ser alcançar a eficiência e eficácia empresarial.

Podemos afirmar que a gestão estratégica de custos implica na apresentação de uma nova visão da contabilidade gerencial, baseada na premissa que a contabilidade gerencial deve considerar temas ligados a estratégias empresariais.

A empresa precisa ter uma vantagem competitiva, tanto para sua estabilidade no mercado quanto para o seu desenvolvimento no setor que atua. O estudo da cadeia de valor conforme citado no texto como um dos pilares da gestão estratégica de custos relaciona a empresa ao seu ambiente focando suas alianças e concorrentes, já o posicionamento estratégico direciona a empresa para o futuro determinando seus pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças.


3.         METODOLOGIA


Empregou-se pesquisa essencialmente bibliográfica, em meio impresso e digital, pela consulta a livros e sites, sobre a gestão de recursos humanos.

3.1       Técnica de pesquisa

Qualquer trabalho de carácter científico tem em vista uma colecta de dados que significa obter dados através de metodologia específica a metodologia aplicada que ambas compreendem as técnicas operacionalizadas e sistematizadas, que conduzem a capacitação e processamento de informações. Para concretização dos objectivos preconizados e para as exigências do trabalho foram necessários utilizar a seguinte metodologia:

•          Análise bibliográfica: permitiu-nos assegurar que o trabalho tenha um suporte meramente científico, ao fundamentarmos alguns conceitos de vários autores que já debruçaram sobre o assunto. Estes dados também foram encontradas nas áreas do saber indispensáveis para o desenvolvimento das nossas pesquisas nos referimos a consulta bibliográfica realizada a partir das diversas fontes de informação.



.




5.         REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


AYUB, Marcelo Paveck. Sistemas de Informações Gerenciais. Ijuí, 2010.

BOMFIM, Eunir de Amorim; PASSARELLI, João. Custos e Formação de Preços. São Paulo: IOB, 2008.

BRUNI, Adriano Leal, FAMÁ, Rubens, Gestão de custos e formação de preços. São Paulo: Atlas, 2004.

CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso básico de contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 1999.

HORNGREN, Charles T.; FOSTER, George; DATAR, Srikant M. Contabilidade de Custos. Rio de Janeiro: LTC, 2000.

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade de Custos. São Paulo: Saraiva, 2009.

VIEIRA, Eusélia Paveglio. Custos e formação do preço de venda. Ijuí: Coleção Educação a distância, 2008.

WERNKE, Rodney. Análise de custos e preços de venda. São Paulo: Saraiva, 2005.



Comente com o Facebook: