sexta-feira, 12 de junho de 2015

As Tecnologias de Informação e Comunicação PARA UM ENSINO E APRENDIZAGEM MAIS EFICAZ - Por Vieira Miguel Manuel












 





Diante das transformações que a sociedade passou e vem passando nos últimos anos, a educação foi umas das que mais sofreu com essas mudanças. A inserção do computador e da Internet na vida dos alunos, trouxe uma avalanche de informações que as escolas e os professores muitas vezes, não estão preparados para absorver. A adaptação das escolas ao uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), ainda é um desafio para alguns educadores, pois muitos não possuem domínio das ferramentas tecnológicas.

A utilização de recursos tecnológicos no processo de ensino torna a aula mais atractiva, proporcionando aos alunos uma forma diferenciada de ensino. Para que isso se concretize de maneira que todos os envolvidos sintam-se beneficiados, a questão das TICs deve estar bem consolidada. A forma de ensinar e aprender pode ser beneficiada por essas tecnologias, como por exemplo, a Internet, que traz uma diversidade de informações, mídias e softwares, que auxiliam nessa aprendizagem.

O presente trabalho destacará As Tecnologias de Informação e Comunicação para o Ensino e Aprendizagem mais eficaz.





Tecnologia da informação e comunicação (TICs) pode ser definida como um conjunto de recursos tecnológicos, utilizados de forma integrada, com um objectivo comum. As TICs são utilizadas das mais diversas formas, na indústria (no processo de automação), no comércio (no gerenciamento, nas diversas formas de publicidade), no sector de investimentos (informação simultânea, comunicação imediata) e na educação (no processo de ensino aprendizagem, na Educação a Distância). O desenvolvimento de hardwares e softwares garante a operacionalização da comunicação e dos processos decorrentes em meios virtuais. No entanto, foi a popularização da internet que potencializou o uso das TICs em diversos campos.

Através da internet, novos sistemas de comunicação e informação foram criados, formando uma verdadeira rede. Criações como o e-mail, o chat, os fóruns, a agenda de grupo online, comunidades virtuais, webcam, entre outros, revolucionaram os relacionamentos humanos.

Através do trabalho colaborativo, profissionais distantes geograficamente trabalham em equipa. O intercâmbio de informações gera novos conhecimentos e competências entre os profissionais.

Novas formas de integração das TICs são criadas. Uma das áreas mais favorecidas com as TICs é a educacional. Na educação presencial, as TICs são vistas como potencializadoras dos processos de ensino – aprendizagem. Além disso, a tecnologia traz a possibilidade de maior desenvolvimento – aprendizagem - comunicação entre as pessoas com necessidades educacionais especiais.

As TICs representam ainda um avanço na educação a distância. Com a criação de ambientes virtuais de aprendizagem, os alunos têm a possibilidade de se relacionar, trocando informações e experiências. Os professores e tutores tem a possibilidade de realizar trabalhos em grupos, debates, fóruns, dentre outras formas de tornar a aprendizagem mais significativa. Nesse sentido, a gestão do próprio conhecimento depende da infra-estrutura e da vontade de cada indivíduo.

A democratização da informação, aliada a inclusão digital, pode se tornar um marco dessa civilização. Contudo, é necessário que se diferencie informação de conhecimento. Sem dúvida, vivemos na Era da Informação.


Com o surgimento das tecnologias digitais, diversos conceitos foram introduzidos em diferentes espaços. No contexto educacional, vários desses já são discutidos e praticados, alguns têm sido até revistos, tais como informação e conhecimento, ensinar e aprender, transmitir e mediar, presencial e a distância, virtual e real etc.

As mudanças com o surgimento das tecnologias foram grandes e positivas para a sociedade, em relação à comunicação, relacionamento e convívio social. A Informática trouxe, além de inúmeros recursos tecnológicos, a expectativa de melhorias no processo de ensino e aprendizagem.

As TICs permitem a adequação do contexto e as situações do processo de aprendizagem às diversidades em sala de aula. As tecnologias fornecem recursos didácticos adequados às diferenças e necessidades de cada aluno. As possibilidades encontradas no uso das TICs são variadas, permitindo que o professor apresente de forma diferenciada as informações. Por meio das TIC, disponibilizamos da informação no momento em que precisamos, de acordo com nosso interesse. O termo TICs é a junção da tecnologia ou Informática com a tecnologia da comunicação, a Internet é um exemplo claro disso. As TICs quando são utilizadas, melhoram o processo de ensino, pois criam ambientes virtuais de aprendizagem, apoiando o aluno na assimilação dos conteúdos. O computador e actualmente a Internet, atrai a atenção dos alunos desenvolvendo neles, habilidades para captar a informação. Essa informação surge de forma cada vez mais interactiva e cada vez mais depressa, que os envolvidos no processo de ensino, muitas vezes, não conseguem assimilar.

A principal dificuldade de se incorporar as TICs no processo de ensino, é o fato de o professor ser ainda considerado, o detentor de todo conhecimento. Hoje, diante das tecnologias apresentadas aos alunos, o professor tem o papel de mediador dessa nova forma de ensino, dando o suporte necessário ao uso adequado e responsável dos recursos tecnológicos. Para que isso aconteça, o professor deve buscar, ainda em sua formação, se actualizar não só dentro de sua especialidade, mas também, dentro das tecnologias que possam auxiliar em suas práticas pedagógicas.

Muitos vêem nas TICs, a possibilidade transformadora e determinante para melhorar a educação, mas deve-se considerar que há muitos problemas ainda associados à incorporação de tecnologias nas escolas. É um desafio para os professores mudar sua forma de conceber e pôr em prática o ensino, através de uma nova ferramenta. Para Sancho et.al. (2006, p.36):

“Para que o uso das TICs signifique uma transformação educativa que se transforme em melhoria, muitas coisas terão que mudar. Muitas estão nas mãos dos próprios professores, que terão que redesenhar seu papel e sua responsabilidade na escola actual. Mas outras tantas escapam de seu controle e se inscrevem na esfera da direcção da escola, da administração e da própria sociedade”.

As escolas devem fazer uso das TICs como novos meios de aprendizagem em todos os aspectos do currículo. Hoje as TIC são utilizadas em actividades extracurriculares, ou em disciplinas como complemento didáctico.

No que diz respeito à informação, esta precisa ser entendida como o simples acesso ou recepção de um determinado conteúdo, enquanto o conhecimento envolve um processo mais significativo, pois indica o domínio teórico e prático do assunto. Neste sentido pode-se dizer que a informação gera conhecimento e o conhecimento gera informação. Porém, não são sinónimos e para se gerar conhecimento o indivíduo precisa contar com uma postura crítica, activa e interventora diante da informação, ou seja, incorporá-la, dar a ela significado e relevância diante do contexto que ocupa e de seus interesses.

Assim como informação e conhecimento não devem ser associadas como unívocos, mesmo que se complementem, ensino e aprendizagem também não. Um está ligado à transmissão realizada pelo sujeito, enquanto a outra se refere ao resultado que pode ser alcançado individual ou colectivamente. Masetto explica:

O conceito de ensinar está mais directamente ligado a um sujeito (que é o professor) que, por suas acções, transmite conhecimentos e experiências ao aluno que tem por obrigação receber, absorver e reproduzir as informações recebidas. O conceito de aprender está ligado mais directamente ao sujeito (que é o aprendiz) que, por suas acções, envolvendo ele próprio, os outros colegas e o professor, busca e adquire informações, dá significado ao conhecimento, produz reflexões e conhecimentos próprios, pesquisa, dialoga, debate, desenvolve competências pessoais e profissionais, atitudes éticas, políticas, muda comportamentos, transfere aprendizagens, integra conceitos teóricos com realidades práticas, relaciona e contextualiza experiências, dá sentido às diferentes práticas da vida quotidiana, desenvolve sua criatividade e capacidade de considerar e olhar para os factos e fenómenos sob diversos ângulos, compara posições e teorias, resolve problemas. Numa palavra, o aprendiz cresce e desenvolve-se. E o professor, como fica nesse processo? Desaparece? Absolutamente. Tem oportunidade de realizar seu verdadeiro papel: o de mediado entre o aluno e sua aprendizagem, o facilitador, o incentivador e motivador dessa aprendizagem. (MASETTO, 2000, p. 139-140).

A citação acima emerge uma reflexão acerca de uma comparação paradoxal entre professor mediador e professor transmissor. Existe diferença, porque na prática, seus papéis são inquestionavelmente distintos. Enquanto um se coloca como o detentor do saber e da experiência praticando apenas o ensinar por conta de uma actuação que aplica o repasse, o outro se empenha em ser parte de um processo colectivo em que intercede, troca e contribui em busca da aprendizagem colectiva. Partindo dos esclarecimentos anteriores fica fácil perceber também que a expressão “transmissão de conhecimento” é divergente, pois transmitir se refere ao repasse e á emissão, o que a informação por si só já faz.

Para tanto, não se faz tão necessária a presença do professor, pois para o repasse há outros recursos que o fazem como um jornal, uma revista, a televisão e até a própria internet, muitas vezes de maneira até mais eficiente. Já o conhecimento que está ligado à aprendizagem carece de mediação. Ser mediador é ajudar, contribuir e interceder para o alcance de um determinado objectivo intelectual. A mediação pedagógica indica recursos, pessoas e métodos utilizados para promover aprendizagem e desenvolver a educação. Mediação pedagógica é a atitude do educador diante da forma com que o mesmo utiliza para trabalhar o conteúdo, ou seja, a maneira que o professor utiliza para se tornar uma ponte entre o aluno e sua aprendizagem.

Com a presença do computador e da internet no dia-a-dia social essa realidade do indivíduo passa a sofrer transformações, assim como o papel de mediador necessário ao educador passa a ser requisitado em outro espaço: o espaço virtual ou ciberespaço, característico da modalidade Educação à Distância (EaD), que têm sido utilizada como complemento da educação presencial e alternativa, tão eficiente quanto a tradicional, para aqueles que têm o tempo e espaço como obstáculos.

O termo virtual emerge outra potencialidade. Dessa potencialidade do virtual a educação passa a contar com uma poderosa aliada no processo de ensino aprendizagem: as tecnologias digitais que, se bem aplicadas, pedagogicamente falando, além de romperem as barreiras de espaço e tempo como é o caso da EaD, ajudam a promoverem uma positiva revisão de papéis dos envolvidos na arte de aprender. Sendo assim, pode-se cogitar o afloramento de uma nova tendência pedagógica, a pedagogia do ciberespaço ou pedagogia on-line em que, ao contrário do que se pensa, o maior investimento deve recair sobre recursos humanos, porque estes são os responsáveis por “animar” esse “espaço” virtual, dando o sentido de aprendizado e de crescimento pessoal e profissional. Eis a tendência de um novo paradigma educacional.




A educação já passou por diversas tendências pedagógicas em função do contexto social da época em que ela se dava. Juntamente com essas tendências surgem novas necessidades e recursos, para tanto, o educador deve estar aberto e flexível a interpretar essas tendências para actuar sobre essa realidade desfrutando do que ela proporciona sem perder o foco na educação. É preciso articular o contexto social da geração ao que nela está presente e a ela interessa.

Destacar um recurso, seja ele qual for, como benéfico para um determinado fim, requer identificar contribuições, facilidades, aceitações e quaisquer outras características positivas que realmente comprovam o uso deste recurso como viável para o que se propõe. No caso da educação, quem comprova o benefício do recurso é o aprendiz, através dos avanços que obtém com a utilização da ferramenta.

Quando se fala em avanço na educação, fala-se de contribuições para que o indivíduo tenha uma aprendizagem individual e colectiva que lhe permita viver melhor, ser mais activo, questionar mais, intervir mais e actuar mais. As TICs podem ser consideradas ferramentas que têm contribuído com esse avanço, pois conforme ressalta Vallin (2007), estas permitem:

·         Desfrutar de programas e softwares que atraem a atenção do aluno provocando a interactividade, participação e interesse do aprendiz;
·         Exercitar a criatividade através da mescla de softwares de texto, apresentação, vídeo, áudio, imagens e links;
·         Instigar através da utilização de sites de busca, bibliotecas virtuais e indicações bibliográficas encontradas na internet;
·         Acesso a informações de ontem e de hoje que passam por frequentes actualizações;
·         Construir e compartilhar conhecimentos através de enciclopédias on-line, livres e colaborativas;
·         Possibilidade de criação e modificação ágeis;
·         Cópias, inclusão, exclusão e reescrita de um texto;
·         Possibilidades de diversas formatações;
·         Impressão de textos e demais produções;
·         Dicionários virtuais que torna a consulta mais prática e contínua;
·         Conteúdo acessados com maior facilidade através de comandos que permitem especificar palavras ou expressões;
·         Materiais dinâmicos;
·         Acesso a um determinado conteúdo através de um clique;
·         Possibilidade de publicar, melhorar e incrementar trabalhos;
·         Estruturar apresentações com mapas conceituais, imagens, sons, textos, vídeos e hiperlinks;
·         Comunicar, interagir, trocar experiência e exercitar a colectividade através de fóruns de discussão, salas de bate-papo e listas de discussão;
·         Facilidade e agilidade no intercâmbio de informações através do e-mail. (VALLIN, 2007)

Diante dessas novas opções, cabe ao professor inteirar-se dessas novas ferramentas, ou seja, dominar o seu uso no que diz respeito à fluência tecnológica agregada ao direccionamento pedagógico do uso desses recursos. Um profissional que explore ferramentas síncronas e assíncronas a favor da interacção e troca entre educandos, fontes de consulta como hipertextos e enciclopédias virtuais, o uso de recursos mediáticos que atraiam a atenção e facilitem o aprendizado do aluno e etc.

O uso do computador aliado à internet possibilita habilidades técnicas, bem como o acesso á informação que pode gerar aprendizagem além de trabalhar o factor cognitivo, pois o indivíduo tem a possibilidade de interligar os conhecimentos, experiências e informações de sua realidade às novas informações obtidas podendo assim alcançar novos conhecimentos e descobrir novas possibilidades.

A utilização das novas tecnologias modifica a concepção do indivíduo em relação ao tempo e ao espaço, permitindo assim que ele não se limite, mas sim ouse. A comunicação passa a ser mais contínua e sensorial, porque, além das palavras a hipermídia passa a ser um novo meio de levar informação com potencial de conhecimento. Porém, não bastam recursos que possibilitem novas formas de fazer se não houver profissionais competentes para orientar o aprendiz a realizar um bom uso do recurso. O educador capaz de lidar com essa nova tendência deve, acima de tudo, ter em mente que o professor não é mais o único detentor do conhecimento e sua missão não é mais transmitir, mas sim, mediar, colaborar e actuar como parceiro.

O fato de as tecnologias de informação e comunicação ter propiciado o afloramento dessa realidade é que com a sua facilidade de levar propostas educacionais para diferentes espaços, bem como fazer uso de diferentes recursos didático-pedagógicos, o verdadeiro ofício do professor se faz necessário, o de mediador. A simples recepção de informação torna-se, se é que algum dia não foi, obsoleta. Novas posturas devem ser assumidas.


Aluno e professor têm diante de si, basicamente, as mesmas fontes de informação, o diferencial está na maneira como o aluno actua sobre essa informação a fim de transformá-la em conhecimento, bem como na maneira que o professor agrega a ela a didáctica e os mais efectivos e significativos recursos para levá-la ao educando. Nesse novo contexto, Masetto (2000, p. 41) ressalta:

O aluno, num processo de aprendizagem, assume papel de aprendiz activo participante (não mais passivo e repetidor), de sujeito de acções que o levam a aprender e a mudar seu comportamento. Essas acções, ele as realiza sozinho (auto-aprendizagem), com o professor e com os seus colegas (inter-aprendizagem). Busca-se uma mudança de mentalidade e de atitude por parte do aluno: que ele trabalhe individualmente para aprender, para colaborar com a aprendizagem dos demais colegas, com o grupo, e que ele veja o grupo, os colegas e o professor como parceiros idóneos, dispostos a colaborar com sua aprendizagem. Olhar o professor como parceiro idóneo de aprendizagem será mais fácil, porque está mais próximo do tradicional. Enxergar seus colegas como colaboradores para seu crescimento, isto já significa uma mudança importante e fundamental de mentalidade no processo de aprendizagem. Estas interacções (aluno-professor-aluno) conferem um pleno sentido à co-responsabilidade no processo de aprendizagem. (MASETTO, 2000, p. 141)

Esse esclarecimento é oportuno para clarear a discussão da problemática do uso de recursos digitais na educação. Lembrando que ao falar em “problema”, Saviani (2000, p. 9-24) e Paulo Freire afirmam que nada mais é do que uma necessidade. Sendo assim, pode-se sintetizar que discutir o uso das novas tecnologias de informação e comunicação é algo necessário, pois estão presentes em diferentes espaços frequentados pelo aprendiz com potencial para favorecer a aprendizagem desse indivíduo.




Através dessa pesquisa realizada na elaboração do presente trabalho, a percepção que tive em relação às TIC é que ainda há muito que devemos aprender sobre o que se trata e como utilizaremos as tecnologias de comunicação e informação. A utilização do computador na aprendizagem não pode se ater apenas em digitar um texto em um editor de texto.

É preciso fazer uso das tecnologias como um complemento do que se aprende em sala de aula, mostrar aos alunos que podemos ir além dos livros e do conhecimento do professor. É preciso transformar o computador em um meio atractivo para a aprendizagem, usufruindo dos recursos e tecnologias disponíveis. Percebe-se que o problema nas escolas não é a falta de equipamentos ou recursos, mas o despreparo dos professores e o receio de arriscar a mudança de métodos de ensino.

É preciso tornar claro que a intenção aqui não é afirmar que as TICs sejam a salvação para os problemas da educação, mas chamar a atenção para o fato de que elas afloraram uma verdade há muito velada: aprender é ir além da simples recepção, é explorar os sentidos, desenvolver e aprimorar habilidades, trocar experiências, transformar informação em conhecimento, é se ver como parte importante de um processo colaborativo.







ALAVA, Séraphin (Org.). Ciberespaço e formações abertas: rumo a novas práticas educacionais. Tradução de Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2002. 224 p.

BELLONI, Maria Luiza. Da tecnologia à comunicação educacional. In: ______. O que é mídia-educação? Campinas: Autores Associados, 2001. p. 11-19.

BOOF, Leonardo. Somos seres de protestação. In: ______. Tempo de Transcendência. 3. ed. Rio de Janeiro: sextante, 2000. p. 22-39.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 2. ed. Tradução de Carlos Irineu Costa. São Paulo: 34, 2000. 264 p. Título Original: Cyberculture.

LITWIN, Edith (org.). Tecnologia educacional: política, histórias e propostas. 2. reimp. Tradução Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2001. 191 p

MASETTO, Marcos T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: ______. MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 12 ed. Campinas: Papirus, 2000. 173p.

DALPIAZ, Alexandra. (2006) As TIC e a Educação à Distância. Disponível em: [http://alexandradalpiaz.pbworks.com]. Acesso em: nov/2011.

SANCHO, Juana Miranda et.al. (2006) Tecnologias para transformar a educação. Porto Alegre: Artmed.

NOVA, Cristiane., ALVES, Lynn (2003). Educação a Distância: uma nova concepção de aprendizado e Interatividade. São Paulo: Futura.




Comente com o Facebook: