quarta-feira, 17 de junho de 2015

O POVO BAKONGO - Trabalho elaborado e organizado por Vieira Miguel Manuel

INTRODUÇÃO

A solidariedade do povo Bakongo tem uma longa história baseada no esplendor do antigo reino do Kongo e a unidade cultural da língua Kikongo. Fundada no século XV, o reino foi descoberta pelo explorador Português Diego Cao quando ele desembarcou na foz do rio Congo em 1484. Como o comércio desenvolvido com o Português, Mbanza Bata, localizada ao sul do Congo, se tornou a capital (mais tarde conhecido como San
Salvador). Missionários portugueses batizaram o Rei Nzinga Mbemba (? -1550), Que adotou o nome de Christian Afonso I. Em poucos anos, o reino estava trocando embaixadores com Portugal e com o Vaticano.

Até o final do século XVI, o reino do Kongo em sua extensão, praticamente deixou de existir. Invasões por grupos vizinhos do Leste enfraqueceram severamente, e tornou-se controlada por Portugal. No século XVII, ingleses, holandeses, franceses e navios negreiros teriam levado 13 milhões de pessoas do reino Kongo para o Novo Mundo.
Ironicamente, o rei e seus súditos lucraram financeiramente com o comércio, mesmo com o seu reino desmoronando diante deles. Em 1884-1885, na Conferência de Berlim, as potências européias dividiram o reino entre os franceses, belgas, e Portugueses. Até o final do século XIX, pouco restou da outrora grande civilização Kongo. Tentamos à partir de pesquisas em literaturas, fontes catedráticas e informações coletadas por nós no Museu de Antropologia de Angola, assimilar fatos que cooperem para a disseminação de culturas e contribua para o crescimento intelectual.

O século XX assistiu a um renascimento do nacionalismo e da cultura do Kongo. O movimento religioso Kimbanguista ganhou um forte apoio na década de 1920 e tornou-se um trampolim para o sentimento anticolonial. Historiadores e missionários europeus,
incluindo Georges Balandier e Pai Van Asa também ajudaram descobrindo o passado
glorioso do reino. Seu entusiasmo inspirou intelectuais Bakongo no Congo Belga a
exigir a independência imediata, em 1956. Eles fundaram um partido político, cujos candidatos ganharam a grande maioria das sedes municipais, em 1959, levando à eleição do presidente Joseph Kasavubu (1910-1969), um Mukongo, como o primeiro presidente do Congo. Hoje existem fontes afirmando que a origem do Presidente atual de Angola, o Dr. José Eduardo dos Santos, mesmo sendo apoiado pelo MPLA e sendo seu representante no poder desde 1975, deriva-se de uma aldeia Bakongo, no antigo Zaire.

O MPLA é rival do partido Bakongo que lutara pela independência do País. Enquanto esses movimentos secessionistas oriundos do Kongo vêm e vão, atualmente um grupo de fundamentalistas está tentando conquistar a independência para os Bakongo, e quer estabelecer um Estado federal Kongo composto por cinco províncias. Ele reuniria Bakongo que vivem no sul do Congo, o enclave angolano de Cabinda, a província mais baixa da República Democrática do Congo (Congo-Kinshasa, antigo Zaire), e norte de Angola. Seu nome seria Kongo Dia Ntotela (Estados Unidos da Kongo). As informações foram obtidas pela pesquisa da Universidade de Chicago.



LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA


Os Bakongo são uma mistura de povos que assimilaram a cultura Kongo e linguagem ao longo do tempo. O reino consistia em cerca de trinta grupos em seu início. Seus habitantes originais ocupavam um corredor estreito ao sul do rio Congo a partir de hoje Kinshasa para a cidade portuária de Matadi, no Baixo Congo. Através de conflito, conquista, e tratados, eles passaram a dominar tribos vizinhas, incluindo o Bambata, o Mayumbe, o Basolongo, o Kakongo, o basundi, e o Babuende. Esses povos gradualmente adotaram a cultura Bakongo e através de casamentos misturado completamente com a Bakongo.

O reino Kongo já cobriu cerca de 120 milhas quadradas (300 quilômetros quadrados). Seus limites se estendiam até o Rio Nkisi para o leste, o rio Dande, ao sul, o Congo (Zaire) rio ao norte, eo Oceano Atlântico a oeste. O maior reino do século XVI estendeu
mais de 62 milhas (100 quilômetros) a leste do rio Cuango e 124 milhas (200 km) mais ao norte do rio Kwilu. Hoje, os povos Bakongo ainda vivem em sua pátria ancestral. É bastante montanhoso e tem uma estação seca que dura de maio a agosto ou setembro. Dos três zonas ecológicas para o sul do rio Congo, na zona de meio montanhoso recebe a precipitação anual mais (55 inches/140 centímetros) e tem solos relativamente férteis e temperaturas moderadamente quentes. Conseqüentemente, é mais densamente povoada do que região litorânea de areia seca e o planalto árido infértil do leste.

Há cerca de 2,2 milhões de Bakongos que vive em Angola, 1,1 milhões na República Democrática do Congo (ex-Zaire) e 600.000 na República do Congo, onde eles são o maior grupo étnico. Em Angola, eles são o terceiro maior grupo, tornando-se 14 por cento da população.

LINGUAGEM

Os Bakongo falam vários dialetos de Kikongo, semelhante ao Kikongo falado no antigo reino. Estes dialetos diferem amplamente em toda a região, alguns dificilmente podem ser entendidos por falantes de outros dialetos. Para reforçar os esforços de construção da nação após a independência, o governo do ex-Zaire criou uma versão padronizada da linguagem, que incorporou elementos das muitas variantes. Kikongo padrão é usado em escolas de ensino fundamental em toda a Província de Baixo e Bandundu, e é chamado de Mono Kotuba (Estado Kikongo). Em 1992, pessoasque falavam o  Kikongo em todos os países somavam 3.217.000, a maioria dos quais vivia em Angola. Na República do Congo, os que falam kikongo são responsáveis ​​por 46 por cento da população.

FOLCLORE

Lendas traçam aos Bakongo a ascendência de Ne Kongo Nimi, de quem se diz ter tido três filhos, cujos descendentes, agrupados em três clãs, formam a nação Kongo. Os filhos de Ne Kongo Nimi foram chamados Bana ba Ne Kongo, literalmente "os filhos de Ne Kongo". A sigla se tornou Bakongo. Provérbios, fábulas, lendas e contos ocupam um lugar importante na vida diária. Algumas lendas populares têm elementos bastante comuns, já que os contadores de histórias gostam de adicionar seu próprio tempero e tomar grandes liberdades em vestiremse as lendas tradicionais.

Um caráter popular, Monimambu, é conhecido pelos Bakongo e por outros povos através da literatura oral e escrita. Ele não é um deus, ao contrário, ele é uma figura fictícia com fraquezas e sentimentos humanos, que tem alguns sucessos, mas comete erros, também. Suas aventuras são divertidas, mas as histórias não apenas se divertir, eles ensinam lições também. Uma figura animal favorito em contos Bakongo é o leopardo.

Os Bakongo reconhecem Dona Beatriz como uma heroína congolesa. Nascida Kimpa Vita, ela se tornou uma mártir cristã, e mais tarde um símbolo de nacionalidade congolesa. Ela vivia em uma época de grande crise. Rivalidades tinham despedaçado o reino, e a capital de São Salvador estava em ruínas desde 1678.

Em 1703, com a idade de vinte e dois anos, Beatriz procurou restaurar a grandeza do Kongo. Ela alertou para a punição divina se a capital do Reino não fosse reocupada. Dentro de dois anos, ela estabeleceu um novo ensino religioso e renovou a Igreja. Mas a sua oposição aos missionários estrangeiros levou a sua morte.

Controlada pelo Português, D. Pedro IV que a levou a prisão. Ela foi julgada por um tribunal da Igreja por heresia, condenado e queimado na fogueira. Seu idealismo e sacrifício inspiraram uma tradição de misticismo entre os Bakongo, e ela é considerada uma precursora do profeta do século XX Simon Kimbangu (1889-1951).

RELIGIÃO

Os Bakongo estavam entre os primeiros povos da África Subsaariana a adotar o cristianismo e, como um reino, tinha relações diplomáticas com o Vaticano. No período colonial, os missionários belgas estabeleceram seminários católicos nas aldeias de Lemfu e Mayidi e construíram as igrejas missionárias e escolas de todo o Baixo Congo.

De acordo com a religião tradicional dos Bakongo, o criador do universo, chamado Nzambe, mora acima de um mundo dos espíritos ancestrais. Muitas pessoas acreditam que, quando um membro da família morre uma morte normal, ele ou ela se junta a este
mundo espiritual (ou aldeia) dos antepassados, que cuidam da vida e protegem os
descendentes que deixaram suas terras.

Os Espíritos daqueles que morrem de formas violentas e intempestivas são pensados ​​para ser, sem descanso até que suas mortes foram vingados. Feiticeiros são contratados para descobrir através do uso de fetiches ou amuletos chamados “nkisi” que era o responsável pela morte. Além disso, práticas de cura e religião tradicional andam de mãos dadas. Os curandeiros tradicionais chamados “nganga” pode ser consultado para
tratamentos com ervas ou para erradicar “kindoki” (bruxas praticando magia negra, que são pensadas para causar a doença por meio de má vontade, e para comer as almas de suas vítimas por noite).

Estas crenças foram misturadas ao cristianismo, e elas produziram novas seitas. Na década de 1920, Simon Kimbangu, um membro da Igreja da Missão Inglêsa Batista, afirmou ter recebido uma visão de Deus, chamando-o para pregar a Palavra e para curar os doentes. Ele ensinou a lei de Moisés e falou contra a feitiçaria, fetiches, encantos, e a poligamia (ter mais de um cônjuge ao mesmo tempo).

Quando ele começou a falar contra a Igreja e o governo colonial, foi preso pelos belgas e condenado à morte. Mais tarde, sua sentença foi alterada para prisão perpétua, onde morreu em 1951. Eventualmente Kimbanguismo ganhou reconhecimento legal do Estado, e sua Igreja tornou-se uma forte defensora do regime de Mobutu. Atualmente, cerca de 1.800.000 membros ativos pertencem à Igreja Kimbanguista em Angola e 17.000.000 no Mundo, incluindo o Brasil, entretanto a maioria deles vivendo no Baixo Congo.

FÉRIAS GRANDES

Dada a incerteza política em seus países de residência, os Bakongo comemoraram feriados seculares tranquilamente nos dias de hoje. No entanto, os Kimbanguistas fazem
uma peregrinação anual ao rio Kamba para honrar seu profeta. No rio que se oferecem sacrifícios, orar, pedir bênçãos, e tirar um pouco da água, que é considerado sagrado. Kimbanguistas creem em Jesus como o Filho de Deus e, portanto, comemoram o Natal e a Páscoa, que são os principais feriados.

Na República Democrática do Congo, os Bakongo celebram o Dia Pais (1 de Agosto), juntamente com os seus concidadãos. Nesta dia, as pessoas vão aos cemitérios de manhã para enfeitar túmulos dos familiares. Os túmulos podem ser cobertos no alto com capim-elefante seco, que é queimado, criando uma atmosfera sobrenatural.

RITOS DE PASSAGEM

Os Bakongo acreditam em uma relação estreita entre os não-nascidos, os vivos, os mortos. Se eles são cristãos, eles batizam seus filhos. No nascimento, há um ritual chamado de Kobota elingi (que significa literalmente "o prazer que é dar à luz"), uma festa para amigos e parentes que vêm para compartilhar a alegria dos pais e para celebrar a continuidade da família.

Até recentemente, a iniciação (Longo) realizou um lugar importante entre os ritos de passagem. À partir do ritual (Longo) as crianças eram iniciadas aos segredos da tradição
Bakongo necessárias para assumir as responsabilidades da vida adulta. Durante Longo, as crianças aprendem o comportamento adulto, como iniciarem suas obrigações sexuais (o tio ou a tia materna iniciam as crianças em suas práticas sexuais – isso não é considerado incesto ou pedofilia na tradição Bakongo), incluindo o controle de suas reações físicas e emocionais para o mal, o sofrimento e a morte. As cerimônias diferem na forma, duração e nome entre os diferentes subgrupos Bakongo. No passado, eles duravam até dois meses. Hoje em dia, dada a ocidentalização e calendários escolares rígidos, menos filhos passam pelo rito.

A morte é uma passagem para a próxima dimensão, para a aldeia dos espírito, dos antepassados. No passado, os túmulos do Congo eram muito grandes, feitas de madeira ou pedra, e se parecia com pequenas casas em que a família ornamentava com os móveis e utensílios do falecido e alguns objetos pessoais. O cadáver era vestido com roupas finas e colocado em uma posição recordando seu status. Grades são usadas hoje em dia e costumam ser marcadas com não mais do que cruzes concretas, mas alguns ainda exibem elaborados de alvenaria e pedra cruzes que refletem influência Portuguesa.

Os túmulos mais elaborados têm estátuas de amigos e familiares montados ao redor do túmulo. Alguns túmulos são tão detalhados que eles realmente são obras de arte. Vamos buscar para aqui mais um desenho de um, túmulo que aparece na mui curiosa e valiosa obra do Ex.mo Senhor Professor Doutor Silva Cunha, presentemente Mui digno Ministro do Ultramar, obra intitulada «Aspectos dos Movimentos Associativos da África Negra» (Ministério do Ultramar - 1958) e para o qual conseguimos a interpretação dos símbolos.

BIBLIOGRAFIA

- África ao Sul do Sahara Londres:. Europa Publications Ltd., nd

- Balandier, Georges Vida Diária no Reino do Kongo:. Desde o século XVI ao século XVIII Londres, Allen and Unwin, Ltd., 1965.

- Hilton, Anne O Reino do Kongo Oxford.

MacGaffey, Wyatt Religião e Sociedade na África Central:. Os Bakongo da Baixa Zaire Chicago: University of Chicago Press, 1986.

- UNESCO – Historia geral da Àfrica – Volumes de 1 a 6.


Comente com o Facebook: