sexta-feira, 16 de outubro de 2015

APRENDIZAGEM - Frustração e Conflitos - POR VIEIRA MIGUEL MANUEL

República de Angola
Governo da Província de Luanda
Gabinete Provincial da Educação de Luanda
Escola do II Ciclo do Ensino Secundário Nº 4083 – JIKA






PSICOLOGIA


APRENDIZAGEM



Classe: 12ª
Curso: Ciências Físicas e Biológicas
Grupo Nº: 07
Sala: 16
Turna: T16
Turno: Tarde

Autores

Nº 37 – Marcela António da Glória Joaquim
Nº 38 – Maria Domingos João
Nº 39 – Maria Madalena Samba
Nº 40 – Maria Manuel
Nº 41 – Maura Inês Domingos
Nº 42 – Mavunza Gueth






O Professor

_______________________________
Prof. Mestre: Frederico M. Vicente




LUANDA, OUTUBRO DE 2015  

ÍNDICE




 





Pretende-se com este trabalho abordar as diferentes teorias de aprendizagem, e compreender o que é a aprendizagem. Parte-se do conceito de que uma aprendizagem não é mais do que a incorporação de um novo comportamento, no quotidiano do sujeito e que o ser humano inicia a sua vida aprendendo formas de viver.

Se se pensar que a primeira aprendizagem do individuo é talvez a de aprender a mamar e que ao longo da sua vida, esta acção se vai modificar paulatinamente, adaptando-se ao meio social. Depreende-se que há formas diferentes de aprender.

Assim como há necessidade de aprender comportamentos sociais, nesse sentido a aprendizagem torna-se numa “obrigação” para o sujeito.

Da mesma maneira que há, ou deverá haver tipos de aprendizagem diferenciados, parece pertinente afirmar que também há sujeitos que aprendem de maneira diferente, uma vez que cada indivíduo é único.


O nosso tema é importante porque nos ajuda de forma cognitiva a interagir no meio social sem conflitos, pois um comportamento desadaptado pressupõe de alguma forma de exclusão social.


O trabalho está estruturado por uma capa, índice, introdução, 9 páginas de desenvolvimento, conclusão e bibliografia, o trabalho como um todo está estruturado por 13 páginas.


Maturidade

·         Ter consciência do que quer, saber definir, analisar, agir no momento certo.

Carácter

·         Qualidade inerente a uma pessoa; o que a distingue de outra pessoa. Traços psicológicos, o modo de ser e de agir de uma pessoa.


Para este trabalho, a metodologia utilizada é de um estudo qualitativo, envolvendo pesquisas bibliográficas, dissertações e teses.





De acordo com Noronha, M. e Noronha, F. E. Z. aprender é incorporar um novo comportamento. Entendendo o comportamento como um acto humano, com sentido, uma forma de comunicar e expressar desejos humanos. Os autores referem que o indivíduo é único, logo atribui significado próprio a cada um dos seus comportamentos que diferem do significado atribuído pelos outros indivíduos. Assim é necessário entender as aprendizagens incorporadas em cada um dos comportamentos.

Segundo os autores Gleitman, H., Fridlund, A. e Reisberg, D., alguns teóricos da aprendizagem sugerem que o indivíduo nasce com uma série de reflexos inatos e que estes podem ser e são desenvolvidos pelo processo de aprendizagem. Neste sentido, Monteiro, M. e Ferreira, P. referem que nem todo o comportamento e nem todas as alterações deste, são resultado de aprendizagens, uma vez que há todo um conjunto de comportamentos que fazem parte da nossa matriz genética, tais como: respirar, fazer a digestão, pestanejar, etc.

Os autores referem ainda, que uma alteração num comportamento pode não ser devido à aprendizagem, mas sim a uma patologia ou lesões. Pode-se citar o caso de uma depressão ou de uma doença degenerativa.

Contudo, Feldman, S. R. define a aprendizagem como sendo um processo pelo qual se altera o comportamento. Alteração essa que é permanente e duradoura e que ocorre pela experiência, treino, exercício ou estudo.

Segundo o mesmo autor, quando é adquirido um comportamento há uma parte que advêm da aprendizagem, todavia, o desempenho do comportamento aprendido deriva também da maturidade, isto é, factores de ordem biológica, ou factores de ordem social que promovem um melhor desempenho de um comportamento. Por exemplo: uma criança que começa a andar vai melhorando o seu desempenho à medida que factores fisiológicos vão ganhando maturação. Da mesma maneira que factores sociais, neste caso os factores familiares, incentivam a criança a melhorar e a desenvolver o andar, isto é passível de ser entendido à luz de Piaget.

Segundo Piaget, o desenvolvimento cognitivo infantil faz-se por estádios de desenvolvimento, ou seja, a natureza e a forma das aprendizagens mudam ao longo do tempo, mostrando que cada nova aprendizagem advém da maturação de uma estrutura anterior e da “abertura” de uma nova estrutura.

Segundo Sprinthall, A. N. e Sprinthall, C. R. no desenvolvimento da criança há períodos críticos e períodos óptimos, durante os quais uma aprendizagem é mais fácil de ser adquirida, ou períodos onde um treino prematuro de um comportamento pode ser prejudicial. Os autores citando Tolman, definem a aprendizagem como sendo uma acção intencional, isto é, toda a aprendizagem é dirigida para um objectivo. O sujeito não aprende casualmente ou de forma caótica, uma vez que quando se aprende há um empenhamento, um desejo de aprender e dar significado ao comportamento. Tolman introduziu o conceito de mapas cognitivos na aprendizagem do indivíduo.



Segundo Gleitman, H. e Fridlund, J.A. e Reisberg, D. esta aprendizagem é talvez a mais simples, tem a ver com as recordações das experiências anteriores do indivíduo, ou seja, com as memórias que lhe são familiares.

Naturalmente, o indivíduo tem a tendência de deixar de responder, de não atribuir importância a estímulos do meio que se lhe torna familiares através da repetição da apresentação desse mesmo estímulo.

Um estímulo que inicialmente pode suscitar uma reacção no organismo, ao fim, de algumas repetições da apresentação desse mesmo estímulo, o organismo deixa de reagir, o que significa que está habituado. Por exemplo os citadinos estão de tal forma habituados aos sons inerentes da cidade que os ignoram, em contrapartida reagem aos sons da natureza, quando estão na natureza.

A habituação é extremamente benéfica para o indivíduo, pois permite seleccionar do meio os estímulos que podem provocar reacções negativas e ignorar os estímulos que lhes são familiares. A memória tem um aspecto fundamental para o reconhecimento do estímulo e assim não provocar a resposta.

Monteiro, M. e Ferreira, P. mencionam que a habituação é a capacidade que o individuo tem de se habituar aos estímulos visuais ou auditivos do meio ambiente, selecionando-os e reagindo só aos estímulos que lhes interessa, ignorando os outros. Deste modo realçam a importância da habituação, no sentido do indivíduo aprender a não reagir a determinados estímulos, seleccionando apenas os que mais lhe convém, focando a sua atenção, no que lhe é mais central, contribuindo assim de alguma forma para uma maior qualidade de vida do indivíduo.


Diversos autores referem Bandura como sendo o investigador que desenvolveu várias experiências com crianças que fundamentavam a importância da aprendizagem social ou por modelação.

Sprinthall, A. N. e Sprinthall, C. R. definem a aprendizagem social, como tudo aquilo que o indivíduo aprende através da imitação social, no decorrer das relações inter-pessoais. O indivíduo pode aprender ou modificar o comportamento, em virtude, da resposta dos outros indivíduos.

No dizer de Bandura, cit. pelos autores acima mencionados, o comportamento, as estruturas cognitivas e o meio, interagem de tal forma que são inseparáveis umas das outras.

Os indivíduos são o resultado do meio, contudo, eles podem escolher ou modificar o meio, ou seja, há uma inter-relação e uma interdependência entre os sujeitos e o meio.

Contrariando, de algum modo as teorias comportamentalistas sobre a aprendizagem, Bandura apresenta, a aprendizagem como sendo uma imitação do comportamento dos outros. Mais especificamente, a imitação de um modelo, sendo estas aprendizagens isentas de reforço, isto é, um comportamento adquirido pela imitação de um modelo não necessita de ser reforçado.

Segundo Bandura, uma criança aprende comportamentos positivos e comportamentos negativos imitando o outro. O autor refere que é através de um mecanismo de modelagem que se aprende.

Monteiro, M. e Ferreira, P. apresentam-nos a seguinte experiência de Bandura: juntou 32 raparigas e 32 rapazes de idades compreendidas entre os 3 e os 6 anos que foram separados em três salas, com três situações diferentes:

·         Com um adulto (modelo) que gritava e dava pontapés num boneco insuflável;
·         Com um adulto com um comportamento normal, sem qualquer agressividade;
·         Sem nenhum modelo.

Todas as salas tinham o mesmo número de crianças agressivas, Bandura conclui que: as crianças que faziam parte da sala, cujo modelo apresentava comportamentos agressivos, imitavam exactamente os comportamentos que tinham observado.

As crianças que faziam parte do grupo em que o modelo demonstrava um comportamento sem agressividade, não apresentavam modificações no seu comportamento.

Pode-se concluir que, num contexto social, os comportamentos agressivos podem ser aprendidos por observação e imitação. Contudo, as manifestações desses mesmos comportamentos podem estar relacionadas com o contexto social, com a aprendizagem, com as experiências anteriores.

A tendência para a agressividade pode ser estimulada ou inibida. Há toda uma série de factores que podem induzir à agressão, por exemplo, a ingestão de álcool, temperaturas mais elevadas e culturas mais individualizadas. Daí que nem todas as crianças que observam comportamentos agressivos os imitem. Não é suficiente observar e conservar o comportamento para proceder à sua imitação. O processo de o colocar em prática, pode depender de factores internos do próprio sujeito e das suas competências.

Esta conclusão levou Bandura a evoluir da teoria da aprendizagem social para uma teoria cognitiva-social, atribuindo uma maior importância às competências do sujeito e à avaliação do meio social (interacção com o meio). Segundo Sprinthall, A. N. e Sprinthall, C. R. Bandura não exclui completamente, o reforço, na medida, em que o modelo a imitar é sempre uma pessoa significativa na vida da criança. Como é referido, por Noronha, M. e Noronha, F. E. Z. as pessoas mais importantes nas aprendizagens de uma criança são inicialmente as figuras parentais, seguidas dos educadores e professores, aos quais cabe a tarefa de reforçar, estimularem o comportamento da criança.

Os autores referidos, afirmam que a criança observa o adulto, imita-o e se houver um reforço desse comportamento mais facilmente vai repetir o comportamento, ou seja, uma criança observa um comportamento de êxito e vai imita-lo, na expectativa de obter o mesmo êxito observado, a este facto Bandura deu o nome reforço vicariante.



Define-se frustração como sendo o sentimento produzido por uma contrariedade. Assim sendo, as frustrações fazem parte da nossa vida quotidiana. As motivações variam de indivíduo para indivíduo, logo não se pode generalizar as situações que dão origem às frustrações. A tolerância à frustração depende de vários factores: idade, nível de aprendizagem e se o indivíduo sofre ou não de frustrações repetidas. As reacções à frustração podem ocorrer imediatamente a seguir à frustração ou mais tarde. Os tipos de reacção divergem muito, podendo ir da agressão (directa, isto é, quando o indivíduo agride a causa da frustração, ou deslocada, quando o indivíduo desloca a agressão para elementos não responsáveis pela frustração) à apatia.


Não existe uma reacção tipo para determinada frustração, as respostas às frustrações dependem de muito factores como acima aludimos. 

Comportamentos resultantes da frustração: 

·         Agressão (directa ou deslocada): Esta agressão denomina-se directa quando é dirigida contra a fonte que provocou a frustração, e deslocada se se dirige para outras pessoas ou objectos. Ex. A criança agride o pai que a impede de brincar (agressão directa); A criança proibida de brincar, destrói os brinquedos com que o pai a impede de brincar (agressão deslocada).    

Ao longo do processo de socialização, o indivíduo aprende a lidar com as frustrações, inibindo, deslocando, dissimulando, ou compensando as suas manifestações de agressividade. Em situações extremas, o individuo pode dirigir as suas manifestações de agressividade deslocada para ele próprio (auto-agressão). 

·         Apatia (indiferença ou inactividade): Face a contínuas frustrações o indivíduo pode cair na reacção apática (indiferença perante a fonte da frustração). A pulsão motivadora do comportamento é reduzida ou eliminada.



Define-se conflito como sendo a oposição de forças com intensidade semelhante. Assim, o conflito surge quando os motivos são incompatíveis: Kurt Lewin diz que o comportamento do indivíduo resulta da interacção entre o sujeito e o meio que proporciona os elementos para satisfazer as suas necessidades e considera três formas básicas de conflito em que estão presentes valências positivas e/ou negativas:

Conflito aproximação/aproximação:

Neste tipo de conflito, o indivíduo depara-se com duas ou mais forças positivas, pois está entre dois objectos ou actividades desejadas. O conflito surge porque só é possível escolher uma única resposta. Assim, é frequente surgir angústia por não se ter escolhido a hipótese afastada.

Conflito afastamento/afastamento:

Neste tipo de conflito, o indivíduo depara-se com duas alternativas desagradáveis, logo hesita sobre que valência negativa escolher e criará no indivíduo insatisfação, levando muitas vezes a comportamentos de fuga.

Conflito aproximação/afastamento:

Neste conflito, o indivíduo encontra-se numa situação positiva e negativa ao mesmo tempo.

Os conflitos têm uma origem consciente e inconsciente. A explicação do comportamento motivado tem sido objecto de várias interpretações ao longo do tempo. Os behavioristas, ao contrário dos que defendem a teoria do instinto pelas teorias homeostáticas, procuram enquadrar a motivação na fórmula EÞR: o indivíduo reage aos estímulos com respostas.


O conflito surge quando há a necessidade de escolha entre situações que podem ser consideradas incompatíveis. É um conjunto de palavras que reflectem o sentido de divergência, desacordo, desaprovação, desentendimento.

Trata-se de um fenómeno subjectivo, muitas vezes inconsciente ou de difícil percepção. As situações de conflito podem ser resultado de uma tensão que envolve pessoas ou grupos quando existem tendências ou interesses incompatíveis.

Assim só existe conflito se existir uma relação próxima entre as partes de modo a justificar esse mesmo conflito, como se mostram frequentes entre pais e filhos, patrões e trabalhadores. Uma coordenada caracterizadora do conflito é o estado de insatisfação das partes, insatisfação essa que pode ter múltiplas origens como por exemplo, a divergência de interesses, o desacordo de pontos de vista, a partilha de recursos escassos, a competição pelo poder, etc.

No entanto, o conflito social é entendido como um núcleo de mudança e das dinâmicas sociais, tratando-se o conflito de uma manifestação das interacções sociais.


A situação de conflito pode assumir o carácter de conflito intrapessoal (conflito interno), conflito interpessoal (conflito entre pessoas) e conflito intergrupal (conflito entre grupos).


Cada um de nós vive quando está perante motivações que são incompatíveis numa perspectiva positiva. A vivência de conflitos marca crises que se manifestem em angústia e confusão, porque pomos em causa a forma como vemos e como estamos no mundo, pomo-nos mesmo em causa. O conflito intrapessoal é a situação na qual há pelo menos duas necessidades simultâneas em que a satisfação da primeira implica a insatisfação da segunda, impelindo a acção da pessoa para direcções diferentes, acarretando desconforto.


Os conflitos Intergrupal têm sido encarados de forma diferente. Conflito intergrupal é um conflito entre as pessoas que compõem um grupo. Considera-se que os conflitos têm aspectos negativos porque correspondem a períodos de tensão e de insatisfação das pessoas e dos grupos e têm aspectos positivos porque o confronto é gerador de mudança, que é o fundamento da evolução e do desenvolvimento social.


O conflito interpessoal é a situação na qual duas ou mais pessoas divergem na percepção, proposta de acção sobre algum ponto em comum.

O conflito interpessoal pressupõe a tentativa de defesa dos seus interesses e da sua opinião e em oposição provar á outra parte que está errada. Muitas vezes as pessoas recorrem a troca de insultos, tentam responsabilizar o outro, humilhações, etc. Este tipo de comportamento desencadeia um plano emocional negativo e leva as partes á acções extremas. No âmbito de um conflito torna-se difícil lidar com as suas emoções. Muitos indivíduos, mesmo após o conflito, continuam durante um prolongado período de tempo a sentir emoções negativas.

O conflito interpessoal é resultado de ausência de concordância no sistema de interacção entre as pessoas. Começam a surgir pontos de vista, interesses, opiniões diferentes em relação aos mesmos problemas que naquela etapa de relacionamento representa um perigo para a interacção saudável.



O ser humano é, segundo alguns autores, uma “tabula rasa” ou uma massa de moldar que o meio e a maturação biológica inerente ao homem vai formar.

Poder-se-á pensar que toda a actividade humana é um comportamento que advém de aprendizagens várias. No entanto, toda a aprendizagem está intimamente ligada a processos biológicos e mentais, tais como, a memória, a percepção e a motivação.

Para que uma aprendizagem se mantenha é necessários que uma série de factores se interliguem. Na teoria Behaviorista e neo-behaviorista a aprendizagem promove um comportamento que se vai mantendo, se dele se obtiver uma satisfação, independentemente de qual seja a satisfação. Pelo reforço sistematizado o comportamento vai-se mantendo. Na perspectiva comportamentalista todo o comportamento é aprendido, logo também pode ser desaprendido. A desaprendizagem é a extinção do comportamento aprendido que de alguma forma é inadequado. Nesta perspectiva a noção de aprendizagem está ligada ao condicionamento clássico e ao condicionamento operante. Na aprendizagem por condicionamento clássico aprende-se por associação de um ou mais estímulos obtendo-se assim a resposta. Forma-se como que um elo entre o estímulo e a resposta.



Ao nos depararmos diante de um conflito, devemos ter o máximo de cuidado possível: Saber o que originou o conflito, evitar situações de stress, por que se assim for não teremos o fim do mesmo problema que deu origem a este conflito.


Cada indivíduo é livre de se expressar, porém, devemos respeitar sempre a opinião de cada um, já que aprender é o objectivo de todos.

Como recomendação ao lidarmos com conflitos, muito comuns nos nossos dias, não se deve esperar que as pessoas envolvidas sejam elas mesmas a resolverem uma determinada divergência, todos nós podemos servir de mediadores ou escudos para atenuar situações que envolvem estado psicológico de frustração e/ou conflito.










Henry Gleitman e Alan J. Fridlund e Daniel Reisberg, Fundação Calouste Golbenkian, 2007, 7º Edição;

Linda L. Davidoff, Introdução à Psicologia, Pearson Makron Books, 2005;

Monteiro, M. Manuela e Ferreira e T. Pedro, Psicologia B, 12º Ano, Porto Editora;

Monteiro, M. e Santos e R. Mílice – Psicologia, Porto Editora;

Noronha, M e Noronha, F.E.Z., Educação e Comportamento, CPC-Centro de Psicologia Clínica, 1985;

Norwel A. Sprinthall e Richard C. Sprintall, Psicologia Educacional, Mcgraw Hill, 1993, 5º Edição;


Robert S. Feldman, Introdução à Psicologia, McGraw Hill, 2007, 6º Edição;

Comente com o Facebook: