terça-feira, 6 de outubro de 2015

Classificação Internacional para a prática de Enfermagem - 02

INSTITUTO SUPERIOR Inocêncio NANGA (iSpin)
DEPARTAMENTO DE Ciências da Saúde
Licenciatura em ENFERMAGEM







Classificação Internacional parágrafo Prática de Enfermagem






Nome: Isabel Moniz
Sala: 27
Período: Manhã











A DOCENTE

_____________________







LUANDA
2015
SUMÁRIO




 




Um parágrafo Classificação Internacional de Prática de Enfermagem (CIPE) foi Criada Pelo Conselho Internacional de Enfermeiros (ICN) Para permitir Uma linguagem Científica e Unificada, Comum à Enfermagem mundial.

This classificação permite Ao Enfermeiro identificar Diagnósticos de Enfermagem atraves de Fenômenos de enfermagem. Os Fenômenos de Enfermagem dizem Respeito à Pessoa, como funcoes, AO Meio Ambiente, etc.

Ao Fazer o Diagnóstico de Enfermagem, o Enfermeiro como planeia SUAS intervenções de a Acordo com Necessidades como da pessoa, como com SUAS Necessidades, Tendo em consideração como incapacidades Com que se Depara.

This permite avaliar Classificação Resultados sensíveis AOS Cuidados de enfermagem atraves das respostas Às intervenções de enfermagem e Evolução positiva OU negativa dos status de Dados AOS Fenômenos nsa Diagnósticos Feitos Pelos Enfermeiros. E UMA forma de demonstrar Resultados da Prática de Enfermagem also a nivel jurídico.

A CIPE permite utilizar uma linguagem SUA informaticamente, havendo Experiências Positivas de Utilização de Programas de Apoio à Prática da enfermagem. Tem AINDA a possibilidade de elaborar Diagnósticos de enfermagem de forma padronizada com QUALQUÉR Enfermeiro em QUALQUÉR parte do Mundo.

Neste momento a CIPE Encontra-se na version 2.0, ESSA version SERA O Objeto do Nosso Estudo, Lançada em 2010. Em Portugal foi Criada Uma Aplicação informática (SAPE) baseada Nesta linguagem e that ACTUALMENTE se Encontra em FUNCIONAMENTO na maioria das Instituições de Saúde estatais do país.

This classificação ESTÁ em constante Actualização e Desenvolvimento recebendo contributos de Todos os Enfermeiros e Escolas Superiores Até de Saúde e de Enfermagem.



Objetivos OS DO PROJETO CIPE ® almejam, Além Do Estabelecimento de Uma linguagem Comum Pará uma Prática da enfermagem, Uma Representação de Conceitos e Descrição de Cuidados utilizados na Prática locais e mundial. Desta forma, POSSIBILITA à Comparação de Dados, incentiva à Pesquisa, auxilia no ensino e poderá Projetar Tendências das Necessidades dos patients. Surge ASSIM ENTÃO Como problematica parágrafo este Estudo o Seguinte:

Como se PODE Planear intervenções de enfermagem com base de na CIPE?







·         Analisar um parágrafo Classificação Internacional de Prática de Enfermagem (CIPE), Versão 1.0 e 2.0 Lançada em 2010.


·         Compreender a utilização da linguagem nsa Estudantes de Enfermagem de a Acordo com a CIPE;
·         Analisar e avaliar a Versão 2.0 da CIPE.


Sabemos Que OS NOSSOS Conhecimentos Especializados São Necessários a todos OS níveis dos Cuidados de Saúde. Não entanto, EM MUITAS áreas do Mundo, OS Dados exactos Acerca dos Recursos de Enfermagem e da Prestação de Cuidados de Enfermagem Não São suficientes parágrafo suportar uma Prática baseada na Evidência, a Gestão UO o Desenvolvimento de Políticas.

Como Tecnologias da Informação e Comunicações (TIC) tornaram-se Uma Força Maior da importancia nenhuma Objectivo de melhorar o Acesso, custo e Qualidade dos Cuidados de Saúde. Como TICs suportam uma Documentação Sistemática dos Cuidados e permitem that OS Dados Acerca dos Serviços de Cuidados de Saúde, Recursos e Resultados dos Clientes Sejam Guardados em Repositórios that possam SER acedidos e analisados ​​de para avaliar OS Cuidados de Saúde e Novos Conhecimentos Gerar. Como also TICs facilitam o Acesso dos Enfermeiros AOS Dados e à Evidência.

A CIPE ® Dá hum Contributo Significativo Para a obtenção de Dados Sobre a Prestação de Cuidados de Saúde. Sendo padronizada Uma Terminologia, a CIPE ® Gerar consegue Dados fiáveis ​​e validos Acerca do Trabalho de Enfermagem. Enquanto Quadro de Referência unificador, um CIPE ® TAMBÉM PODE mapear- se com OUTRAS terminologias parágrafo Expandir OS Conjuntos de Dados do Pará Recuperação e Análise.

Resultados ósmio dos Cuidados prestados AOS Doentes OU Clientes PODEM Ser avaliados relativamente AOS Diagnósticos e As intervenções de Enfermagem, de MoDo um that Aquilo Que OS Enfermeiros Fazem e Aquilo que Faz Diferença nsa Resultados do Doente OU Cliente POSSA Ser assessed quantitativamente e comparado between Pontos de Prestação de Cuidados em Todo o Mundo.

Com o OSU da CIPE ® num Conjunto de Dados nucleares, PODE Gerar-se Uma série de Dados recolhidos de forma Sistemática Para uma Análise do Ambiente de Cuidados, Recursos de Enfermagem, Cuidados de Enfermagem e Resultados dos Clientes. O Conceito de Conjuntos nucleares de Dados emergiu da literatura de Conjuntos Mínimos de Dados (conjunto mínimo de dados) de Enfermagem (Goossen, Delaney, Coenen et al 2006;. MacNeela, Scott, Treacy & Hyde 2006) e da Investigação em OUTRAS disciplinas (Bol 2009; CHRR 2005; Shaw, 2005). À Medida Que OS Métodos de Recolha de Dados that reflictam Todo o contexto dos Cuidados Vao Sendo refinados e implementados, OS Enfermeiros PODEM determinar marcos de Comparação Para uma segura e Prestação de Cuidados Efectiva um QUALQUÉR Nível, de hum contexto locais Internacionais Até Sistemas



A Versão alfa inicial da CIPE ® estava Organizada em Três Componentes: Necessidades Humanas, O Que Fazem OS Enfermeiros, e Result. Como Necessidades Humanas incluíam sistema operacional Problemas de Enfermagem, Problemas dos Doentes, Factores de Enfermagem e fenómenos de Enfermagem. O Que Fazem OS Enfermeiros incluía como intervenções de Enfermagem, Acções e Tratamentos. Os Resultados incluíam Resultados de Enfermagem e Resultados dos Doentes sensíveis AOS Cuidados de Enfermagem.

A Relação Entre OS Termos de Enfermagem, Vocabulário, classificação e Conjuntos de Dados demonstrou um Inovação EO Pensamento Avançado dos Responsáveis ​​cabelo Desenvolvimento that prepararam uma version alfa. Para Além de facilitar a Documentação da Prática de Enfermagem, considerava- -se that um CIPE ® seria hum instrumento de Informação nsa Sistemas de Informação em Saúde (Figura 1).

A Versão alfa da CIPE ® incluía OS fenómenos e como intervenções de Enfermagem. Os fenómenos de Enfermagem, dispostos soluçar uma forma de Uma Hierarquia, incluíam o Ser Humano (funcoes e pessoa) EO ambiente (humano e natural). Como intervenções de Enfermagem estavam organizadas Ao Longo de Múltiplos Eixos: Tipos de Acção, objectos, Abordagens, Recursos, localizações Anatômicas e tempo / lugar. Os Responsáveis ​​cabelo Desenvolvimento referiram Que OS Resultados de Enfermagem seriam incluidos NAS versões seguintes da CIPE ®.


Como versões beta expandiram o Uso de Uma abordagem multiaxial. Were propostos Dois modelos multiaxiais: um modelo de 8 Eixos parágrafo OS fenómenos de Enfermagem e hum modelo diferente de 8 Eixos Pará como Acções de Enfermagem. Os Oito Eixos Pará uma classificação dos fenómenos de Enfermagem na Versão beta 2 ERAM: foco da Prática de Enfermagem, Juízo, Frequência, Duração, Topologia, anatómica Localização, Probabilidade e portador. Os Oito Eixos Pará uma classificação das Acções de ERAM Enfermagem: tipo de Acção, Alvo, Recursos, tempo, Topologia, Localização, via e beneficiario.

Figura 1. CIPE ®: um instrumento de Informação

Desenvolveram-se como definições Para o diagnóstico, resultado e Acção de Enfermagem, Bem Como Linhas de Orientação Para compor hum diagnóstico, um resultado e Uma Intervenção de Enfermagem utilizando OS modelos multiaxiais. Como definições-chave do Pará uma CIPE ® beta 2 ERAM como seguintes:

§   Fenómeno de Enfermagem: Aspecto da Saúde Relevante Pará uma Prática de Enfermagem.

-         Diagnóstico de Enfermagem: Rótulo atribuido Por Um Enfermeiro à decisão Sobre hum fenómeno that constitui o foco das intervenções de Enfermagem. Um diagnóstico de Enfermagem E Composto Pelos Conceitos contidos nsa Eixos de Classificação de Fenómeno.

§   Resultado de Enfermagem: a Medida UO estado de hum diagnóstico de Enfermagem em Pontos temporais APOS Uma Intervenção de Enfermagem.

§   Acção de Enfermagem: Comportamento dos Enfermeiros na Prática.

-         Intervenção de Enfermagem: Acção Tomada em RESPOSTA um hum diagnóstico de Enfermagem de Modo Produzir um hum resultado de Enfermagem. Uma Intervenção de Enfermagem E Composta Pelos Conceitos contidos nsa Eixos de Classificação de Acção.

AINDA that o «fenómeno de Enfermagem» tenha Sido Definido NAS versões beta, uma Transição fazer Rótulo «fenómeno» PARA O Rótulo «diagnóstico» foi Feita Durante o Desenvolvimento das versões beta. Da MESMA forma, uma Acção de Enfermagem tinha Sido Definida, mas houve Uma Transição fazer Rótulo «Acção» PARA O Rótulo «Intervenção» NAS versões beta.

Para Além de reconhecer o potencial de utilizar hum Sistema de Classificação nenhum contexto dos Sistemas Electrónicos de Informação de Saúde, OS Responsáveis ​​cabelo Desenvolvimento estavam Cada Vez Mais uma reconhecer Que hum Sistema de Classificação DEVE utilizar OS MÉTODOS Mais Modernos de Ciência de Software para a Manutenção da classificação e desen AINDA Continuar a Evoluir com Normas aceites para o Desenvolvimento de Terminologia.


Apos uma consulta de Peritos em Terminologia, o Grupo de Aconselhamento Estratégico (Grupo Consultivo Estratégico, SAG) da CIPE ® determinou that um CIPE ® Devia Fazer a Transição de Uma classificação parágrafo Uma Terminologia formal. Uma vez that um Terminologia estava um Aumentar em TAMANHO e em Complexidade, ERAM Necessários Novos Instrumentos Para a respectiva Gestão. A Versão 1.0 foi desenvolvida utilizando Uma linguagem de Representação com Regras formais de Modelação (Web Ontology Language, OWL). Isto É permitiu uma Aplicação de raciocínio automatizado à Terminologia, parágrafo garantir uma eA Consistencia exactidão DOS Conceitos.

Além Disso, o SAG da CIPE ® confirmou a importancia das actuais Normas Internacionais parágrafo terminologias ea necessidade de um CIPE ® ao Tempo MESMO informar como Normas Internacionais e conformar- SE mesmas. A Especificação Técnica 17117 da Organização Internacional Para a Normalização (Organização Internacional de Normalização, ISO) estipulou Atributos Estruturais parágrafo terminologias Que OS Responsáveis ​​Pelo Desenvolvimento da CIPE ® estavam determinados em Seguir (ISO 2002).

Os Atributos Estruturais incluíram uma Orientação PARA O Conceito, redundancia não, não ambiguidade, Não vagueza e Consistencia interna. A Terminologia térios de ter identificadores livres do contexto e Únicos, descrições do Conceito e Processos estabelecidos PARA O Controlo da version (Chute, Cohn & Campbell 1998; Cimino 1998; Hardiker & Coenen 2007).




O Desenvolvimento da English Version 1.0 permitiu a Transição das Duas classificações de 8 Eixos da Versão beta 2 parágrafo hum modelo de 7 Eixos. A Nova Estrutura simplificou Imenso uma Representação é Isso resolveu, em larga Medida, um inerentes redundancia e ambiguidade nd version beta 2 (ICN 2005).

Os Eixos São definidos da Seguinte forma:

Foco: Área de Atenção Que É Relevante parágrafo um Enfermagem (Exemplos: dor, sem-Abrigo, eliminação, Esperança de vida OU Conhecimentos).

Juízo: Opinião clínica OU determinação relativamente AO Foco de da Prática de Enfermagem (Exemplos: Nível decrescente, Risco, melhorado, interrompido OU anómalo).

Cliente: Sujeito a quem de o diagnóstico se REFERÊ e Que É o beneficiario da Intervenção (Exemplos: Recém-nascido, Prestador de Cuidados, familia Comunidade ou).

Acção: Processo intencional Aplicado um hum Cliente (Exemplos: educar, se mudar, administrar monitorizar ou).

Recursos: forma UO Método de concretizar Uma Intervenção (Exemplos: ligadura OU Técnica de Treino vesical).

Localização: Orientação anatómica OU espacial de hum diagnóstico OU Intervenção (Exemplos: posterior, abdome, escola OU Centro de Saúde na Comunidade).

Tempo: o Ponto, Período, Instancia, Intervalo OU Duração de Uma Ocorrência (Exemplos: admissão, nascimento OU crónico).

Figura 2. Da CIPE ® 2 PARA O Modelo de 7 Eixos da CIPE Beta ®

AINDA that Uma Terminologia Sido formais tenha uma base de da Versão 1.0, mantiveram-se Representações multiplas, incluíndo o modelo de 7 Eixos e OS Catálogos CIPE ®, Utilizadores parágrafo OS.

Os Responsáveis ​​Pelo Desenvolvimento da CIPE ® reconheceram Que OS Enfermeiros, that utilizavam uma classificação não Ponto de Prestação de Cuidados, necessitavam de Recursos Mais fácilmente utilizáveis ​​parágrafo Diagnósticos, intervenções e Resultados de Clientes Que fossem clinicamente pertinentes e aplicáveis. Os Catálogos CIPE ® were visionados Como subconjuntos da classificação Que se concentrem na Especialidade, Serviço, Quadros Clínicos do Cliente (por ex. Diabetes) OU fenómenos de Cuidados AOS Clientes Que fossem sensíveis Às intervenções de Enfermagem (por ex., Adesão).


A english version 1.1 was meados de 2008 Lançada EM e incluiu Novos Conceitos; hum navegador Mais Fácil de utilizar; EO Primeiro Catálogo de enunciados pré-coordenados da CIPE ®. Were adicionados Trezentos e setenta e SEIS Novos Conceitos um This version.


Adicionaram-se Mais de 400 Novas Entidades À CIPE ® English Version 2. Muitos dos Conceitos were enunciados de diagnóstico e Intervenção desenvolvidos parágrafo OS Catálogos CIPE ®. Outros Conceitos were adicionados parágrafo APOIAR OS Processos de Mapeamento e em RESPOSTA Às RECOMENDAÇÕES dos Utilizadores.


O Desenvolvimento da CIPE ® e Um Processo contínuo. Os Princípios da terminológicos NÃO ambiguidade, Não redundancia e NÃO vagueza dos Conceitos orientam OS modeladores de Conceitos na SUA Análise e Revisão da CIPE ®. Como Formas Tradicionais de descrever um Enfermagem nsa Ambientes da Prática São constantemente testadas à Medida Que OS modeladores procuram representar o Domínio da Enfermagem na Terminologia.
A Melhoria da Qualidade de da CIPE ® utiliza de Tanto Processos baseados em Máquinas Como em Seres Humanos do Pará garantir um Consistencia ea exactidão da Terminologia. À Medida Que se aproxima uma dados do Lançamento da Versão, um Terminologia E sujeita a analyses iterativas Quanto a: 1) colocação consistente e apropriada do Conceito na Terminologia, 2) exactidão e NÃO duplicação do código, 3) correcção ortográfica e não há Uso do idioma, 4) correcção das Anotações e 5) Consistencia na Modelação formal.

Incorporaram-se MUITAS alterações na Versão 2 Para melhorar a Terminologia e Ir ao Encontro das Necessidades dos Utilizadores. O ICN Acolhe Contribuições e ideias Neste esforço contínuo de Desenvolvimento e Melhoria. Queira Partilhar como SUAS ideias com OS Membros da equipa da CIPE ® e Participar Neste Importante Avanço Para um Enfermagem.

Classificação Internacional parágrafo a Prática de Enfermagem (CIPE ® Versão 2), Quanto Ao foco.

CÓDIGO
TERMO
DESCRIÇÃO DO CONCEITO

10019119

Abastecimento
Processo Ambiental: Disponibilidade e Acessibilidade uma Fontes e Distribuição de Recursos Básicos, Necessários parágrafo Sustentar a vida das Pessoas.

10000262

Abortamento
Processo do Sistema reprodutor Comprometido: Interrupção UO FIM expontaneo da Gravidez com expulsão de hum hum de EMBRIAO OU NÃO feto viável.
10000317
Abuso
Comportamento Agressivo: Actos de ataque físico OU emocional, violar maltratar ou.
10006346
Abuso de Drogas
Abuso de substancias: Uso inadequado de drogas.
10002137
Abuso do Álcool
Abuso de substancias: Uso inadequado do Álcool.

10000372

Acne
Processo Corporal Comprometido: Erupção cutânea DEVIDA um Inflamação das Glandulas cutâneas OU folículos pilosos.
10002163
Alergia
RESPOSTA Física Comprometida: RESPOSTA imunitária um antigénio hum Estranho.
10002233
Amnésia
Memória Comprometida: Perda de recordação Associada uma lesão cerebral mental, emocional OU crise.
10002429
Ansiedade
Emoção Negativa: Sentimentos de Ameaça, Perigo OU angústia.

10019064

Asfixia
Processo do Sistema Respiratorio Comprometido: Interferência com a entrada do ar Nos pulmões, cessação da Respiração e sufocação.
10002930
Atitude
Processo Psicológico: Modelos Mentais e Opiniões.


10021047


Bem-Estar
Saúde: Imagem mentais de se Sentir Bem, de Equilíbrio, contentamento, alegria e amabilidade OU Conforto, usualmente demonstrada POR tranquilidade Consigo Proprio e abertura Pará como OUTRAS PESSOAS OU Satisfação com a Independência.
10003771
Burnout (Esgotamento)
Processo de Coping Comprometido: Depleção de Energia devido a estresse NÃO aliviado, falta de Apoio e de Relações, Conflitos between como Expectativas ea Realidade.
10019713
Candidiase
Infecção: Camada esbranquiçada Associada a Infecção POR fungos, manchas esbranquiçadas e úlceras superficiais.



10018050



Choque
Processo circulatório Comprometido: Insuficiência circulatória Que se caracteriza Por Um deficiente retorno venoso Ao Coração com um consequente Redução fazer Débito cardíaco, a Fluxo sanguíneo inadequado, Perda de volume de circulatório, Disfunção celular com Risco de Vida, Associada uma intensa Ansiedade, falta de Forças, suores , falta de ar, Hipotensão, arritmia, edema da laringe, náuseas, vómitos e diarreia, Descida súbita e acentuada da pressao sanguinea, pele fria, taquicardia e oligúria.
10005415
Chorar
Comunicação: + As acções voluntárias UO involuntárias, de lágrimas uma soluços, em RESPOSTA à dor, AO medo UO Ao luto.

10010952

Ciúme
Emoção Negativa: Sentimento de Suspeita OU ressentimento de rivalidade sem amor e na afeição; OS Sentimentos de Ciúme São direccionados Pará Outros OS EM vez de o Serem Para Si proprio; Associado AOS ciúmes Entre Irmãos.

10004535

Cólica
Dor Visceral: Desconforto ligeiro devido a intenso espasmo da musculatura Ao lisa em Órgãos Ocos, Como o intestino, ureteres UO Vias biliares.

10004629

Coma
Consciência Comprometida: Inconsciência profunda SEM respostas fisiológicas, incluíndo uma ausencia de respostas a Estímulos dolorosos.



10013950



Dor
Percepção Comprometida: Aumento de sensação desconfortável corporal, Referência subjectiva de Sofrimento, Expressão Característica facial, alteração do tônus ​​muscular, Comportamento de autoprotecção, limitação do foco de Atenção, alteração da Percepção do Tempo, fuga do contacto social, o Processo de Pensamento comprometido, Comportamento de distracção, Inquietação e Perda de apetite.






Sem sombra de Dúvida, o esforço despendido na Elaboração de Sistemas de Classificação dos Termos da linguagem Profissional TEM contribuído parágrafo PROMOVER um Autonomia dos Enfermeiros nenhuma Sobre Julgamento de Necessidades Humanas da clientela, parágrafo facilitar o Uso de Conhecimentos Específicos e Pará a Realização de Estudos sobre Qualidade fazer um cuidado de enfermagem.

A CIPE ® E Considerada Uma Tecnologia de Informação. E como Tecnologias de Informação, entendidas Como Recursos NÃO Humanos (softwares UO hardwares), Dedicados Ao armazenamento, Processamento e comunicação da Informação, PODEM Fazer Com que uma Prática dos Profissionais da Enfermagem se Torne Visível no Conjunto de Dados, LOCAIS, Nacionais e Internacionais , Sobre a Saúde, de MoDo um Influenciar na Elaboração de Políticas, Tais Como como de Saúde e de Educação. Como Tecnologias de Informação São, TAMBÉM, Essenciais para Auxílio na Tomada de decisões eficazes e parágrafo Uma Prática de Qualidade, de forma Que OS Conhecimentos Profissionais Adquiridos possam Ajudar a conhecer ea Compreender Melhor OS assuntos Relacionados com a Atenção à Saúde.





Bernardo WM, Nobre MRC, Jatene FB. A Prática clínica baseada em Evidências. Parte II: Evidências buscando como em Fontes de Informação. Rev Bras Med. Assoc 2004; 50 (1): 1-9.

Conselho Internacional de Enfermeiros. Classificação Internacional Pará a Prática de Enfermagem Versão 1.0. Lisboa, Portugal: Ordem dos Enfermeiros de Portugal; 2005.
[Título original: Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem - CIPE ® Versão 1.0].

Conselho Internacional de Enfermeiros (2008c). Diretrizes para a CIPE ® tradução. Genebra Suíça: Conselho Internacional de Enfermeiros.

Conselho Internacional de Enfermeiros (2009). CIPE ® Catálogo: Cuidados Paliativos para Morrer digna. Genebra Suíça: Conselho Internacional de Enfermeiros.

Nóbrega MML, Garcia TR, Araruna JF, Nunes WCAN, Dias GKG, Beserra PJF. Mapeamento de Termos atribuídos AOS Fenômenos de enfermagem nsa Registros dos Componentes da Equipe de enfermagem. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2003 [cited 15 março 2010]; 5 (2): 33-44. Disponível a partir de:
http://www.fen.ufg.br/revista/revista5_2/pdf/mapa.pdf.

Silva IA, Yoshikawa EE, Sena RR, Almeida MCP, Antunes MJ. A Participação do Brasil no Projeto de Classificação Internacional das Práticas de Enfermagem. In: Guedes MVC, Araújo TL. O Uso do diagnóstico na Prática de Enfermagem. Brasília: Associação Brasileira de Enfermagem; 1997.










Comente com o Facebook: