terça-feira, 6 de outubro de 2015

MEMÓRIA E APRENDIZAGEM NO CONTEXTO DO TRABALHO

https://lh5.googleusercontent.com/-VmESLj6-ISw/TrkAJQbyucI/AAAAAAAAABg/bQ7GnKJhims/w800-h800/ISA-LOGO%2B-%2Bsingle.png
INSTITUTO SUPERIOR DE ANGOLA
DEPARTAMENTO DE Ciências Humanas
Licenciatura em GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS


                                            






MEMÓRIA E NO CONTEXTO DO TRABALHO Aprendizagem








ANA NZOKO DA SILVA



















LUANDA
2015


     
INSTITUTO SUPERIOR DE ANGOLA
DEPARTAMENTO DE Ciências Humanas
Licenciatura em GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS










MEMÓRIA E NO CONTEXTO DO TRABALHO Aprendizagem







ANA NZOKO DA SILVA





Projecto apresentado AO de Curso de Gestão de Recursos Humanos de na disciplina de Física e Mental Ergomia nenhuma Instituto Superior de Angola Como Requisito parcial Paragrafo Avaliação.

Orientador: Dr. Matos Sebastião
 
 














LUANDA
2015
Dedicatoria


Dedico este projecto à minha familia Cabelo amparo imensurável Que Tem me dado, dedico TAMBÉM AOS Meus Amigos Cabelo Apoio incondicional e, de Uma forma Geral, AOS Meus Professores Cabelo simples Fato de estarem dispostos a ensinar, em FIM, dedico este projecto a todos that Alguma forma de de UO Outra tornaram este Caminho Mais Fácil de Ser percorrido.

 



Agradeço inicialmente hum Deus, Primeiro Pela Oportunidade de ter Realizado este Trabalho e, Segundo, POR me tornar Capaz De Seguir em frente Nesse projecto. Agradeço também a minha familia Cabelo incentivo e Colaboração, principalmente nsa momentos de dificuldade que inevitavelmente tenho enfrentado.

Agradeço também professora Ao Matos Sebastião Pela SUA CAPACIDADE intelectual e simplicidade, auxiliando-me Pela Informação Passada Quanto Ao Método de Elaboração do Presente projecto. Sou-LHE Muito grata POR este gesto de carinho e Dedicação que, comeu Ponto Certo, transformou-me em Outra Pessoa.

A todos que contribuíram Direta OU indiretamente, Para Que ESSE Objetivo Torna-se Realidade, o meu sincero muito obrigado Mais!


 


EPIGRAFE



"Nós Somos Quem Somos Fazer em consequencia que aprendemos e que Fazer Nos lembramos".

Eric Kandel

 




O Presente Trabalho TEM Como Objetivo analisar a importancia da Memória e objetiva desenvolver e aprofundar OS Conceitos inerentes à MESMA, Bem Como Tão SUAS implicações nsa Processos Mentais, cognitivos e percetivos No processo de Acesso à Informação. Neste SENTIDO, realizada foi Uma Revisão da literatura, que forneceu contributos de Fundamentos Paragrafo hum referencial teórico lógico, e que localizou Reflexões Sobre as Temáticas da cognitiva psicologia, concretamente à memória sensorial, Memória de Curto e Memória Uma Influência Longo Prazo ea SUA No processo de aprendizagem.

Palavras-chave: Psicologia Cognitiva, Memória, Aprendizagem.

 


SUMÁRIO






Neste Trabalho pretende-se identificar OS Diferentes Tipos de Memória Quer em Termos de Duração temporais Quer em Termos de CAPACIDADE de armazenamento de Informação, e AINDA identificar e hierarquizar OS Fatores capazes de Influenciar à memória.

A Memória Ajuda-nsa A definir Quem Somos, na Verdade Ela É essencial Paragrafo A construção da Identidade da pessoa. O Conjunto de Experiências armazenadas na mente Do Individuo ea facilidade com Que se ACEDE hum ELAS, E vital Para Que possamos interpretar o Que se passa à Nossa Volta e possamos Tomar decisões.

Pretende-se AINDA analisar a Influência da Memória No processo de aprendizagem ea interdependencia da aprendizagem e da Memória, Uma Vez Que Uma Estrutura e materiais de hum aprendido ESTÁ sor em grande parte dela Dependente do Conhecimento retido na Memória, OU SEJA daquilo que o individuo Já SABE EE Capaz De recordar. O Atual Conhecimento NÃO Só influencia a aprendizagem de Novos Conhecimentos e INFORMAÇÕES, o MAS TAMBEM O MoDo Como ESSES Conhecimentos e Informações São Organizados, de forma a Serém recuperados sem futuro.

Partindo das definições dos Conceitos de Memória e de aprendizagem, Sera analisada a Relação Entre Os Dois, E em que Medida hum condiciona e influencia O Outro. Sera, AINDA dada especial relevancia Ao Processo da Memória na retenção de saberes Durante a aprendizagem.


NAS de Fundamentos Um Memoria e humana Uma Componente Tarefas de Compreensão verbal e Escrita, Não Cálculo e raciocínio. Ela Representação hum papel essencial no Sistema cognitivo e poderá Ser Considerada Responsável POR algumas Diferenças IMPORTANTES de Desempenho dos Sujeitos NAS Tarefas Escolares.

Sera que o Aprendizado E o Componente de Fundamentos que caracteriza o Ser Humano?



·          Inerentes Apresentar Uma breve Análise e Reflexão Sobre a Memória e Os Processos À MESMA, Bem Como A SUA influência na aprendizagem.


·          Conceituar o Que É UM Memória;
·          Descrever OS Tipos de Memória;
·          Aprendizagem Definir Uma;


Pretende-se apresentar Uma breve Análise e Reflexão Sobre a Memória e Os Processos inerentes À MESMA, Bem Como A SUA influência na aprendizagem. Espero de Alguma forma, ter contribuído Paragrafo Uma Melhor elucidação Acerca do tema proposto.


a)     A aprendizagem ENVOLVE o Sujeito que NECESSITA Fazer Cérebro Paragrafo Processar a Informação.

b)     Aprendizagem E a Aquisição de hum Desempenho Gerado Pela obtenção de Conhecimento Produzido ATRAVES Fazer Exercício e da Experiência.









TODOS OS Dias recebemos inúmeras INFORMAÇÕES, Como Quais São selecionadas (de forma Consciente ou Não), armazenadas Serém Paragrafo posteriormente eliminadas UO. E Ao Processo de armazenamento das INFORMAÇÕES PODEM Que Ser recuperadas no Futuro Que designamos de Memória.

O termo Memoria e Uma Ampla Denominação PARA O Elevado Número de Processos Que formam As Pontes Entre o Passado EO Presente. A Memoria e O Processo cognitivo que compreende uma ea retenção Recuperação da Informação. E Um Sistema Aberto em hum que Informação e adquirida (Aquisição e codificação), armazenada (retenção), podendo DEPOIS Ser recuperada OU evocada (recordação). Lembrar implica hum Processo Ativo de Reconstrução das INFORMAÇÕES e Estímulos anteriormente Adquiridos, codificados e armazenados.

De uma com a Acordo Albuquerque (2001), Paragrafo caraterizar o Conceito Memória, Podemos Orientar-Nós Por Três perspetivas Diferentes. Nenhuma Início à memória foi referida Como Uma Representação interna Fazer que foi aprendido, Sendo Neste Caso, autobiográfica, Uma Vez Que estaria referenciada nenhuma Episódio de Processamento. De SEGUIDA hum Memoria e Que Sejam considerados Como hum Processo Que conduz à recordação. PoDE Ser ENTÃO Definida Como o Conjunto dos Processos de codificação, retenção e Recuperação da Informação. Na jornal jornal Última perspetiva, um fazer do consiste na Memória SUA Interpretação Como Uma Estrutura, permitindo ASSIM, Uma distinção em memoria sensorial, Memória de Curto Prazo Longo Prazo e de Memória.


Segundo Sternberg (2000) um Memoria EO Meio Cabelo qua se recorre Às SUAS Experiências Passadas, um Fim de USAR ESSA Informação nenhuma Presente. A Memoria e hum CAPACIDADE de Adquirir, armazenar e Recuperar Como Informações disponíveis. Quaresma Pará (2001), há Uma Sequência de eventos nsa Processos mnemónicos, O Primeiro E a Aquisição da Informação, segue-se o armazenamento e POR Último a Recuperação da Informação atraves da recordação.


A Memória Ocupa Um Lugar entre Como centro Temáticas que São estudadas NÃO Âmbito da Psicologia Cognitiva. A SUA Definição Revela-se Difícil, devido à SUA Abordagem ter Sido perspetivada de um a Acordo com Duas Correntes Diferentes e POR vezes antagónicas: a perspetiva estruturalista (Memória sensorial, Memória de Curto Prazo e Memória de Longo Prazo) ea perspetiva processual (Diz Respeito Às Atividades Mentais que executamos Tendo em vista codificação uma, retenção e Recuperação da Informação da Memória).

A conceção estruturalista Mais ESTUDADA, Mostra-nsa Que Memórias há varias, que diferem Entre si e encontram-se na unicidade e interdependencia de Funcionamento.

A prespetiva Orientada Pelos Processos, TEM ajudado hum Compreender que das Como Estratégias Usadas em QUALQUÉR Fases do Processo mnésico: Aquisição, retenção e Recuperação da Informação, São Fundamentos de e interdependentes, OU SEJA a utilização de das Uma Estratégia NUMA Fases, condiciona o Desempenho otimizado SE NÃO estiver Presente na noutra fase.

Sternberg (2000), descreve Que OS Psicólogos cognitivos identificaram Três Operações Comuns da Memória: codificação, armazenamento e Recuperação.

·          Aquisição: Antes de recordar TEMOS de Aprender, sem aprendizagem Não Há Memória. A aprendizagem PODE ocorrer de Diferentes Formas e Depende da Atenção que Damos Ao Acontecimento OU evento. Atraves da Atenção, ignoramos OS Estímulos Que Não Tem Interesse Paragrafo nºs retemos E OS que consideramos IMPORTANTES, mas Paragrafo OS Conservar E necessário codificação A SUA. A codificação Diz Respeito à forma Como hum Ponto de Informação e colocado na Memória.

·          Retenção OU Armazenamento: E hum CAPACIDADE de reter e Conservar Como INFORMAÇÕES, e Serao utilizadas sempre que necessário. A retenção PODE POR Permanecer periodos Mais ou Menos Longos. Para recordada Que seja, Uma Experiência codificada TEM de deixar Algum Registo nenhuma nervoso Sistema (traço mnésico), este TEM de Ser armazenado de forma permanente Para permitir Uma utilização futura SUA. AE UMA retenção Condição necessaria Pará Uma Recuperação pois NÃO se RecordA O Que NÃO se sabe.

·          Recuperação OU Ativação: QUANDO SE Torna Como necessário INFORMAÇÕES São ativadas e recuperadas, Paragrafo Como utilizar na Experiência Presente. E o momento em que o individuo Tenta Lembrar-se dos Conteúdos que armazenou anteriormente. Uma das Formas de Recuperar Como armazenadas INFORMAÇÕES E atraves da recordação, esforços Que Diz Respeito AOS NOSSOS Paragrafo informações Produzir Uma Partir da Memória, em hum hum RESPOSTA Determinado Estímulo. Os Processos de recordação São Responsáveis ​​Cabelo Acesso à Informação retida na Memoria e incluem, Entre Outros, Processos explícitos OU diretos Como Uma Evocação e Reconhecimento e Processos implícitos OU indiretos Como Uma reaprendizagem e ativação (priming).

A Memoria e hum aprendizagem Fator Importante na, ELA Significa Uma Aquisição, a Formação ea Conservação de Informações. Sem Fundo gravamos O Que aprendemos e lembramos O Que gravamos. E Graças à memória que Podemos identificar e categorizar Filhos, Sinais, gostos e Sensações, reter e Manipular INFORMAÇÕES adquiridas Durante a existencia Nossa.



A Memoria e Seletiva e limitada na SUA CAPACIDADE de armazenamento. Por ISSO, o esquecimento E Condição essencial Ao Normais FUNCIONAMENTO da Memória.
Podemos Definir esquecimento Como Uma incapacidade de recordar, de Recuperar Dados, INFORMAÇÕES, que eram memorizadas Experiências nenhuma Passado. O esquecimento PODE Ser provisório definitivo ou. O esquecimento E essencial pois continuamos assim, AO Longo de Toda Uma vida a memorizar Informação, Porque conseguimos Esquecer Outra. O esquecimento TEM Uma Função Seletiva e adaptativa, JA Que despreza a Informação Inútil e desnecessária e conflituosos Os Conteúdos, impedindo hum Excesso de Informação Acumulada há Cérebro que bloquearia a Captação de Novas INFORMAÇÕES.

O esquecimento ESTA, normalmente, Mais Relacionado com a Memória Longo Prazo hum Uma Vez Que, na Memória de Curto Prazo, o ritmo de retenção da Informação e Demasiado Curto e passa Paragrafo à memória uma apagada Longo Prazo OU E. Segundo Izquierdo (2006), esquecemos um chegam Maior parte das INFORMAÇÕES Que Até NOS. Varias Teorias Já foram PROPOSTAS Para esclarecer Porque ISSO Acontece (Sternberg, 2008). Entre ELAS, estao UM EA Teoria da Interferência Teoria da Deterioração.

Segundo Izquierdo (2007, p 17). ", TALVEZ SEJA o esquecimento o Aspecto Mais predominante da Memória; mas conservamos e usamos suficientes Memórias OU fragmentos de Memória Para ter um Desempenho Ativo, funcional e relativamente satisfatório Como PESSOAS". AINDA Segundo o autor MESMO, Existe algo de Seletivo e proposital nenhuma Nosso esquecimento. Afinal, A Nossa CAPACIDADE de Formar Novas Memórias ESTÁ intimamente ligada A SUA Perda (Izquerdo, 2006).

Concluindo, Não Podemos FALAR de Memória sem FALAR de esquecimento, Uma Vez Que o esquecimento NÃO PODE Ser encarado Como Uma lacuna da Memória, JA Que ELE E Condição da Memória Própria: é esquecemos porqué que continuamos a reter. O esquecimento E ENTÃO Uma incapacidade de reter, recordar OU reconhecer Uma informação.


Aprendizagem E UMA modificação relativamente estável Do Comportamento OU do Conhecimento, que Resulta do Exercício, Experiência, Treino OU Estudo. E hum Processo que, envolvendo Processos cognitivos, motivacionais e emocionais, Manifesta-se comportamentos 'em'.

NÃO entanto, é Preciso Notar Que Nem Todas Quanto Mudanças de Comportamento resultam da aprendizagem. Alguns comportamentos atualizam-se Naturalmente sem necessidade de aprendizagem Porque Fazem parte da matriz genética.
A aprendizagem e Um Processo cognitivo Que nsa Humaniza, Sendo essencial na Adaptação Ao Meio.

Segundo Campos (1986, p.30)

"A aprendizagem PODE Ser Definida Como Uma modificação Sistemática Fazer Comportamento, POR Efeito da Prática UO da Experiência, com hum SENTIDO de Adaptação progressiva OU Ajustamento. A aprendizagem E UMA CAPACIDADE que pomos em Acção quotidianamente Para dar respostas adaptadas Às solicitações e Desafios Que se colocam devido nsa As Nossas interacções com o meio "(Jorge Pinto, 1999).

À memória servir Paragrafo Aprender, logotipo devemos ter em Conta o Conceito de aprendizagem, JA que "A aprendizagem ea Memória estao intimamente Relacionadas, ..." (Rosário, 2004). Podemos Dizer Que a aprendizagem E Uma Mudança de Comportamento manifes Como resultado de Influências Práticas OU experienciais. Além Disso, Ela É TAMBÉM O Processo Mediante o qua interiorizamos Uma série de comportamentos e capacidades Intelectuais.

E devido à CAPACIDADE Paragrafo Aprender, que o Ser Humano consegue Uma Melhor Adaptação Ao Meio que o Rodeia. A Maior parte da aprendizagem Que o homem adquire E consequencia da Imitação de OUTRAS PESSOAS. A Memória intervém decisivamente No processo de Imitação, JA Que Ela permite a retenção daquilo Que se obser Paragrafo posterior Reprodução.

Aprendemos de forma Consciente e com o Objetivo de que Como aprendizagens nsa servir possam nenhuma futuro.

Um Outro aspeto TEM a ver com o Período de aprendizagem, JA TEM Que este hum MESMA Duração que a existencia da pessoa, POIS Uma Aquisição de Novos Conhecimentos Só Terminais com o desaparecimento do individuo.


Compreender hum Memoria e humana Uma das Tarefas IMPORTANTES da Pesquisa Psicológica e dos Psicólogos cognitivos. A aprendizagem de e O Processo ATRAVES Fazer qua NÓS adquirimos Conhecimento, ja a Memoria e O Processo Pela qua ESSA aprendizagem E codificada, retida e posteriormente evocada OU recuperada. A aprendizagem e Um Processo Cabelo qua NÓS adquirimos Novos Conhecimentos, POR SUA vez hum Memoria e O Processo Cabelo qua retemos OS Conhecimentos aprendidos. Riesgo (2006) Afirma Que AINDA, do Ponto de vista neurobiológico, Existe algo Como hum CLASSIFICA "filtro" que Como em INFORMAÇÕES OU conhecidas desconhecidas. "É justamente aqui que residir Uma Relação Entre Memória ea aprendizagem, na distinção entre Como INFORMAÇÕES Já consolidadas e de Como inteiramente Novas" (RIESGO et al., 2006, p. 270).

À memória ea aprendizagem estao intimamente Relacionadas, São Processos Complementares. Sem Memória OS Processos de aprendizagem estavam sempre a Iniciar-se, pondo em causa TODO O Processo de Adaptação do Ser Humano, Pois É à partir de aprendizagens retidas Que se processam OS Novas aprendizagens. Por ISSO, um Memoria e de Fundamentos Ao permitir que se mantenham Como aprendizagens e possam sor utilizadas quando necessário.

Aprendizagem e Memória São Conceitos de Fundamentos Pará Uma Noção da individualidade. A-forma peculiar de pensarmos NOS, sentirmos e agirmos DEPENDE Que aprendemos e armazenamos na Nossa Memória Durante a Nossa vida. Cada individuo vive distintas Experiências, POR ISSO Como PESSOAS Terao, forçosamente, Memórias e Histórias Diversas Paragrafo Contar, Bem Como Mentes SINGULARES Paragrafo assimilar Novos Conhecimentos. Para Cardoso (2006) um cognitiva E UMA Memória Faculdade Extremamente Importante Porque forma hum Paragrafo de base de Uma aprendizagem. ASSIM à memória ENVOLVE UM Complexo Mecanismo que Abrange o Arquivo ea Recuperação de Experiências, portanto ESTÁ intimamente Associada à aprendizagem. Considerando-se que Uma aprendizagem ENVOLVE Uma Função Intelectual Fazer Ser Humano, e que este portanto E Possível uma das Partir Informações que registadas TEMOS NA Memória, OU SEJA Informações memorizadas, Podemos Dizer Que OS Processos de memorização trazem Influências Diretas na aprendizagem. Aprender ENVOLVE o raciocínio, que nada Mais de Fazer e que que comparar INFORMAÇÕES TEMOS NA Memória. Podemos Dizer Que Existe Diferença Entre: Aprender e Lembrar, Sendo que Ambas Como Habilidades São Complementares e Essenciais para o Desenvolvimento de hum Processo de Aquisição de Novos Conhecimentos.

PODE AFIRMAR-SE Que Não Há aprendizagem sem Memória: E Graças à memória e AOS Processos mnésicos que retemos aprendemos O Que.








Ao fazer concluir este Trabalho, percebi que à memória Representação humana hum papel NÃO FUNCIONAMENTO fundamentais do Sistema cognitivo e poderá Ser Responsável POR algumas Diferenças há Desempenho e Desempenho dos indivíduos na Execuções das varias Tarefas a Realizar. Sem Memória, Isto É, sem hum Sistema de retenção e recordação NÃO seria Possível ver, Ouvir, FALAR, Nem Pensar.

A aprendizagem ea Memória AINDA E UMA área de Difícil Estudo devido à SUA Ligação com o Sistema nervoso e Cérebro. NÃO entanto, podermos ê essencial Conhece-La Para utilizar hum Melhor, contribuindo positivamente Para o Sucesso Académico, Profissional e Pessoal do individuo.

Embora a Memória Apresente Falhas em Alguns momentos, e Um Sistema sabiamente voltado Para Que possamos atuar eficazmente no Nosso Meio. Como INFORMAÇÕES que normalmente nsa auxiliam São mantidas e, Aquelas Que NÃO cumprem ESSA Função, tendem A SER eliminadas.

Este Trabalho pretendeu apresentar Uma breve Análise e Reflexão Sobre a Memória e Os Processos inerentes À MESMA, Bem Como A SUA influência na aprendizagem. Espero de Alguma forma, ter contribuído Paragrafo Uma Melhor elucidação Acerca do tema proposto.

CONCLUI-Se que, apesar de existirem varias definições dos Conceitos e diferentes Teorias de Diversos Autores, relativas Ao MESMO tema, o Objectivo Final E Semelhante, OU SEJA Compreender o FUNCIONAMENTO da Memória humana EO Seu Contributo No processo de aprendizagem e consequentemente aumento da Desempenho Fazer individuo.









ALBUQUERQUE, Emanuel Pedro Viana. Memória Implícita e Processamentos. Centro de Estudos em Educação e Psicologia, Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, 2001 (1ª edição).

CAMPOS, Dinah Martins de Souza. Psicologia da Aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 1982.

Gleitman, Henry; Fridlund, Alan J.; Reisberg Daniel. Psicologia. Fundação Clouste Gulbenkian, 2011 (9º edição).

Izquierdo, eu.; BEVILAQUA, LRM; Cammarota, M. - A arte de Esquecer. Estudos Avançados, São Paulo, 2006.

LA ROSA, Jorge. Psicologia e Educação: o significado do Aprender. Porto Alegre: Edipucrs de 2001.

MATLIN, MW - Psicologia Cognitiva. LTC Editora, Rio de Janeiro, de 2004 (5ª edição).

PINTO, Jorge. Psicologia da aprendizagem - Concepções, Teorias e Processos. 1999.

RIESGO, Rudimar dos Santos; ROTTA, Newra Tellechea; OHLWEIILER, Lygia. Transtornos da Aprendizagem: Abordagem neurobiológica e multidisciplinar. Porto Alegre: Artmed, 2006.

WALKER, Tileston Donna. Aprendizagem, Memória e fazer Cérebro. Corwin Press, 2004.




Comente com o Facebook: