quarta-feira, 27 de abril de 2016

UNIDADES EM BYTES - Trabalho elaborado por Vieira Miguel Manuel

UNIVERSIDADE METODISTA DE ANGOLA – UMA
FACULDADE DE DIREITO
LICENCIATURA EM DIREITO

                                            






INFORMÁTICA PARA JURISTAS




UNIDADES EM BYTES























LUANDA
2016
UNIVERSIDADE METODISTA DE ANGOLA – UMA
FACULDADE DE DIREITO
LICENCIATURA EM DIREITO







INFORMÁTICA PARA JURISTAS



UNIDADES EM BYTES



LUYANA VICTÓRIA DOS SANTOS SAPIRI


Período: Manhã
Turma: C
Ano:





Trabalho a ser apresentado ao curso de  Direito na disciplina de Informática como requisito parcial para obtenção de notas.

Orientador: Rui Domingues  
 
 

















LUANDA
2016
SUMÁRIO




 




Um byte (Binary Term), baite ou octeto, é um dos tipos de dados integrais em computação. É usado com frequência para especificar o tamanho ou quantidade da memória ou da capacidade de armazenamento de um certo dispositivo, independentemente do tipo de dados.







Byte é uma unidade de informação digital equivalente a oito bits. O símbolo do byte é um (B) maiúsculo, para diferenciar de bit (b). O byte é usado em geral nas áreas de computação e telecomunicações, sendo nesta última comummente designado por octeto.

Embora os termos bit (unidade de informação) e byte (um conjunto de 8 bits) tem a impressão de ter nascido no mesmo dia, o bit é sete anos mais velho que o byte. Hoje estamos muito acostumados à prevalência métrica de base 10, mas muitas matemáticas foram construídas tendo como base o 60 – uma herança que recebemos dos babilônios, há 40 séculos – e não o 10.

O triunfo do 10, fruto da prosaica vitória de nossas mãos e pés de dez dedos, não impede, no entanto, que a base 60 ainda seja amplamente usada – no contar das horas e dos graus, por exemplo – e que conviva com o actual reinado da base decimal.

A codificação padronizada de byte foi definida como sendo de 8 bits. O byte de 8 bits é mais comummente chamado de octeto no contexto de redes de computadores e telecomunicações.

A uma metade de um byte, dá-se o nome de nibble ou semioctecto. Para os computadores, representar 256 números binários é suficiente. Por isso, os bytes possuem 8 bits. Basta fazer os cálculos. Como um bit representa dois valores (1 ou 0) e um byte representa 8 bits, basta fazer 2 (do bit) elevado a 8 (do byte) que é igual a 256, ou seja 28=256.

De notar que um byte nada tem de especial, é apenas um número binário de oito algarismos. Sua importância na informática deriva apenas do fato do código ASCII haver adoptado números de oito bits, além de razões meramente construtivas ou operacionais. Por exemplo: os códigos enviados a impressoras para controlar a impressão têm oito bits, os valores trocados pelos modems entre computadores também, assim como diversas outras operações elementares de intercâmbio de informações. Além disso, memórias costumam ser organizadas de tal forma que as operações de leitura e escrita são feitas com quantidades de um byte ou de um múltiplo de bytes (oito, dezasseis, trinta e dois, sessenta e quatro ou cento e vinte e oito bits – o que corresponde a um, dois, quatro, oito e dezasseis bytes, respectivamente).

Segundo norma da IEC, lançada em 2000, foi definida uma nova nomenclatura para dados de base dois em substituição a nomenclatura usada erroneamente de base dez reparando a confusão causada entre proporção 1:1000 ou 1:1024, veja mais em Prefixos Binários.


No início da computação chegou-se a utilizar 1 byte = 6 bits no código BCD pois com seis bits (64 caracteres) era possível representar todo o alfabeto alfanumérico A-Z, 0-9 além de alguns caracteres especiais. Em terminais e impressoras Teletipo (TTY), conectados através de interfaces seriais com o computador central, também usou-se uma variante na comunicação de dados onde 1 byte = 7 bits e ainda hoje é possível configurar uma interface RS32C para operar em 7 bits de dados. A transcodificação BASE64 usada até hoje em documentos MIME na Internet reflete a dificuldade passada de comunicação de dados em 8 bits entre diferentes computadores. A primeira codificação de 1 byte = 8 bits deve-se à IBM com a criação do código EBCDIC em 1960. A partir do sucesso dos computadores IBM, padronizou-se que 1 byte = 8 bits, surgindo também o código ASCII de 8 bits em 1961. A representação dos caracteres nos computadores actuais ganharam uma nova dimensão: os padrões EBCDIC (já em desuso há um bom tempo) e ASCII estão sendo substituídos pelos códigos UNICODE UTF, UTF-16 e UTF-32 que podem demandar 1 byte, 2 bytes e até 4 bytes para representar uma letra do alfabeto a fim de acomodar as escritas em línguas mundiais.

Para exprimir quantidades de dados, são usadas as seguintes medidas:

1 Byte = 8 bits
1 kilobyte (KB ou Kbytes) = 1024 bytes
1 megabyte (MB ou Mbytes) = 1024 kilobytes
1 gigabyte (GB ou Gbytes) = 1024 megabytes
1 terabyte (TB ou Tbytes) = 1024 gigabytes
1 petabyte (PB ou Pbytes) = 1024 terabytes
1 exabyte (EB ou Ebytes) = 1024 petabytes
1 zettabyte (ZB ou Zbytes) = 1024 exabytes
1 yottabyte (YB ou Ybytes) = 1024 zettabytes








De acordo com o exposto a minha conclusão sobre o trabalho sob o tema Unidade de Bytes é a seguintes: O termo "byte" é frequentemente usado para especificar quantidade, por exemplo, a quantidade de memória de um determinado dispositivo ou a capacidade de armazenamento. Exemplo: 16 GB (gigabyte)

Cada byte representa um único carácter de texto num computador. O byte representa letras, símbolos, números, sinais de pontuação, caracteres especiais etc. e codifica variadas informações numa máquina.





MONTEIRO, M. Introdução à organização de computadores. 3.ed. LTC, 1996.

TANEMBAUM, A.S. Organização estruturada de computadores. New Jersey : Prentice-Hall, 1992.

TANEMBAUM, A.S. Sistemas operacionais modernos. New Jersey : Prentice-Hall, 1995.

RAMALHO, José Antônio. Introdução à Informática: Teoria e Prática. São Paulo: Berkeley do Brasil, 2000.
STAIR, R. M. Princípios de sistema de informação: uma abordagem gerencial. Rio de
Janeiro : LTC, 1998.


Comente com o Facebook: