terça-feira, 12 de julho de 2016

SÍFILIS - Trabalho completo

REPÚBLICA DE ANGOLA
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
ESCOLA DO ENSINO PRIMÁRIO E Iº CICLO Nº 104
COLÉGIO KILUNJI KIAME (MEU JUÍZO)







EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA




SÍFILIS























LUANDA
2016
ESCOLA DO ENSINO PRIMÁRIO E Iº CICLO Nº 104
COLÉGIO KILUNJI KIAME (MEU JUÍZO)





EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA



SÍFILIS



INTEGRANTES DO GRUPO:

1.    Deolinda Inácio Jerónimo
2.    Margarida Mariano Eurico Cassoma
3.    Fernanda M. Gonçalo
4.    Bernardo Mateus Kapapelo

Classe:
Sala: 02
Turma: B
Período: Tarde

Trabalho de pesquisa bibliográfica apresentado na disciplina de E.M.C como requisito parcial para obtenção de notas.

Orientadora: Prof. Francisca Alberto Guilherme












LUANDA
2016
SUMÁRIO









A Sífilis é uma doença infecciosa crónica a qual tem como agente etiológico o Treponema pallidum e pode acometer diversos sistemas e órgãos, como pele, fígado, coração e sistema nervoso central. Tornou-se conhecida na Europa no final do século XV e disseminou-se pelo mundo transformando-se em uma doença endémica no século XIX (AVELLEIRA, et al, 2006).
Com o grande desenvolvimento da medicina neste século bem como da farmacologia, a implantação da penicilina viria para dar fim a esta doença, porém em 1960 com a criação dos métodos anticoncepcionais orais e a revolução do comportamento sexual, o número de pessoas infectadas pelo Treponema pallidum voltou a aumentar e, em 1970, com o advento da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) tornou-se mais preocupante ainda a criação de estratégias para o combate desta enfermidade (CONTREIRAS, et al, 2008).
Em 2008, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estimava que 12 milhões de pessoas, entre elas cerca de 2 milhões de gestantes, estariam infectadas pelo Treponema pallidum e actualmente observa-se ainda uma tendência de aumento da incidência de sífilis e de sífilis congénita em todo o mundo, provando que há uma grande necessidade de se aprofundar mais nos métodos de prevenção e controle desta doença (SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA, 2008).


A sífilis tem como agente transmissora bactéria Treponema pallidum. Este é patógeno divide-se transversalmente a cada 30 horas. A penetração no organismo humano se dá por pequenas lesões decorrentes da relação sexual. Uma vez dentro, o treponema atinge o sistema linfático regional e vai para outras partes do corpo por disseminação hematogênica (AVELLEIRA, et al, 2006). Como resposta de defesa localmente tem-se uma erosão e exulceração no ponto de inoculação e sistemicamente há a produção de complexos imunes circulantes os quais podem se depositar em qualquer órgão (CONTREIRAS, et al, 2008).


A sífilis pode ser transmitida principalmente via sexual (adquirida) e verticalmente (congénita) da mãe para o feto (AVELLEIRA, et al, 2006). Há também outras transmissões atípicas, como o contacto com objectos contaminados e transfusão sanguínea. O contacto com as lesões contagiantes (cancro duro e lesão secundária) é responsável por 95% dos casos (CONTREIRAS, et al, 2008).

Clinicamente, a evolução da sífilis alterna com períodos de actividades e latência, sendo que os períodos de actividade apresentam características específicas de cada fase da doença, a qual é dividida em Sífilis Primária, Secundária e Terciária, Sífilis Latente e ainda, com relação ao período em que foi feito o diagnóstico, Sífilis Recente (diagnóstico é feito até um ano depois da infecção) e Sífilis Tardia (diagnóstico é feito após um ano da infecção) (AVELLEIRA, et al, 2006).


É caracterizada por uma lesão específica, o cancro duro que surge no local da inoculação (95% dos casos na região genital) em média 3 semanas após a infecção. No homem a lesão é mais comum no sulco balanoprepucial, prepúcio e meato uretral e na mulher nos pequenos lábios, parede vaginal e colo uterino (CONTREIRAS, et al, 2008). Extragenitalmente é mais comum na região anal, boca, língua e região mamária. O cancro duro é uma pápula rósea que evolui para vermelho mais intenso e exulceração, além disso, é, geralmente, único, indolor, com bordas induradas que descem até um fundo liso e limpo, recoberto por material seroso e praticamente sem manifestações inflamatórias perilesionais. Após uma ou duas semanas há uma reacção ganglionar regional múltipla e bilateral, não supurativa, de nódulos duros e indolores (AVELLEIRA, et al, 2006). O cancro regride espontaneamente entre 4 a 5 semanas sem deixar cicatriz.



Após 6 a 8 semanas de latência a doença entra novamente em actividade. Nesta fase, o acometimento estará localizado na pele e órgãos internos correspondendo à distribuição do treponema pelo corpo. Na pele, as lesões ocorrem em surtos e de forma simétrica podendo estar sob forma de máculas eritematosas que duram pouco tempo. Novos surtos ocorrem com lesões papulosas eritêmato-acobreadas, arredondadas, de superfície plana, recobertas por discretas escamas e mais intensas na periferia (CONTREIRAS, et al, 2008). A localização dessas lesões se dá principalmente nas regiões plantares e palmares. Na face, as pápulas localizam-se em torno da boca e nariz. Na região inguinocrucal, as pápulas podem tornar-se vegetantes e maceradas (ricas em treponemas contagiosos) devido à humidade e atrito. A sífilis secundária é acompanhada de poliadenomegalia generalizada e possui alguns sintomas inespecíficos como: malestar, astenia, anorexia, febre baixa, cefaleia, meningismo, artralgias, mialgias, faringite, rouquidão, hepatoesplenomegalia (AVELLEIRA, et al, 2006).


Caracteriza-se por lesões localizadas em pele e mucosas, sistema cardiovascular e nervoso. Geralmente as lesões terciárias formam granulomas destrutivos com ausência de treponemas. Ossos, fígado e músculos também podem ser acometidos. As lesões são solitárias, endurecidas, assimétricas, com bordas bem marcadas com tendência à cura central (CONTREIRAS, et al, 2008). Na sífilis cardiovascular, os sintomas aparecem entre 10 a 30 anos após a infecção inicial. O principal acometimento é a aortite, principalmente na aorta ascendente. Na neurossífilis, o treponema chega às meninges 12 a 18 meses após a infecção. Pode ser sintomática ou assintomática. As complicações estão entre as meingéias agudas (principalmente em pacientes com HIV), a neurossífilis parenquimatosa, que pode apresentar-se como uma paralisia geral progressiva e, além disso, pode aparecer um quadro de neurossífilis gomosa com sintomatologia localizada e semelhante à dos tumores cerebrais ou medulares (AVELLEIRA, et al, 2006).


A sífilis congénita é o resultado da disseminação hematogênica T. pallidum da gestante infectada não tratada ou inadequadamente tratada para o concepto por via transplacentária (transmissão vertical) (SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA, 2008). Geralmente, é mais agressiva na fase inicial da gestação, o que leva o bebe a uma maior exposição ao treponema. A contaminação do feto pode ocasionar aborto, óbito fetal e morte neonatal (ARAUJO, et al, 2012). Aproximadamente 50% das crianças infectadas são assintomáticas ao nascimento. O quadro pode se estabelecer antes dos 2 anos (sífilis congénita precoce) ou depois dos 2 anos (sífilis congénita tardia). Os principais sintomas são: lesões cutâneo-mucosas (exantema maculoso) principalmente na face e extremidades, lesões bolhosas, fissuras periorais e anais. Na sífilis congénita tardia as lesões são irreversíveis caracterizadas por: fronte olímpica, palato em ogiva, tíbia em sabre, dentes de Hutchinson e molares em amora (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2012).


A bactéria da sífilis pode infectar o bebé durante a gravidez, quando isso acontece recebe o nome de sífilis congénita. Dependendo da quantidade de tempo que a mulher grávida esteve infectada, ela pode apresentar alto risco de ter um natimorto ou que o bebé morra logo depois do parto. Um bebé com sífilis congénita pode nascer sem os sintomas da doença. Porém, se não for tratado imediatamente, o bebé pode desenvolver sérios problemas em algumas semanas. Bebés sem tratamento podem ter seu desenvolvimento retardado ou morrer.


As feridas genitais (cancros) causadas pela sífilis tornam mais fácil a transmissão e contágio do HIV. Doenças sexualmente transmissíveis que causam feridas, ulcerações ou rupturas na pele ou membranas mucosas, como a sífilis, quebram barreiras que provêem protecção contra infecções. As ulcerações genitais causadas pela sífilis podem sangrar facilmente, e quando entram em contacto com a mucosa oral ou retal durante o sexo elevam o risco de infecção por HIV.


Sífilis é facilmente curável nos primeiros estágios. Uma única injecção intramuscular de penicilina curará a pessoa infectada com sífilis há menos de um ano. Doses adicionais são necessárias para tratar pessoas que têm sífilis há mais de um ano. Para pessoas alérgicas à penicilina há outros antibióticos disponíveis. O tratamento matará a bactéria da sífilis e prevenirá danos futuros, porém não reparará os danos já causados.

Pessoas que recebem tratamento para sífilis devem abster-se de contacto sexual até que as feridas estejam completamente saradas. Indivíduos com sífilis devem avisar seus parceiros sexuais para que eles possam ser testados e receber tratamento se necessário. Ter sífilis uma vez não protege a pessoa de sofrer a doença de novo.


O meio mais seguro de evitar contrair doenças sexualmente transmissíveis, incluindo sífilis, é abster-se de contacto sexual ou ter um relacionamento monogâmico de longa duração com um parceiro testado que você sabe não estar infectado.

Doenças que causam ulcerações, como a sífilis, podem acontecer em áreas genitais que podem ou não serem cobertas pelo preservativo de látex. Desta forma, o uso correcto e consistente de preservativos apenas reduz o risco de transmissão da sífilis quando cobre toda a área infectada. Uma vez que o preservativo pode não envolver toda área de infecção, até mesmo o seu uso correcto e consistente não garante a prevenção. Preservativos lubrificados com espermicidas não dão mais protecção que os outros preservativos lubrificados.

A transmissão de doenças sexualmente transmissíveis, incluindo sífilis, não pode ser prevenida ao lavar os genitais, urinar ou tomar uma ducha ou chuveiro depois da relação sexual. Qualquer corrimento anormal, ferida ou erupção deve ser motivo de interromper as actividades sexuais e procurar um médico imediatamente.





A sífilis é uma doença cujo tratamento e controle é imprescindível para romper-se a cadeira de transmissão do treponema. São necessárias mais políticas públicas que incentivem o uso do preservativo, o cuidado com materiais cortantes e o acompanhamento do pré-natal para que maiores complicações sejam evitadas. Também se faz necessária o aconselhamento do paciente procurando mostrar a importância da comunicação com o parceiro e a preparação e planeamento das equipes de saúde no combate a esta doença.





AVELLEIRA, João Carlos Regazzi; BOTTINO, Giuliana. Sífilis: diagnóstico, tratamento e controle. Educação Médica Continuada, Rio de Janeiro, n. , p.111-126, 2006.

CONTREIRAS, Eduardo; 2, Sandra Ximena Zuluaga; OCAMPO, Vanessa. Sífilis: um
grande imitador. Infectio, Bogotá, n. , p.1-11, 02 abr. 2008.

EPIDEMIOLÓGICA, Serviço de Vigilância (Org.). Sífilis congénita e sífilis na gestação. RevistaSaúdePública, São Paulo, n. , p.768-772, 2008.

ARAÚJO, Cinthia Lociks de et al. Incidência da sífilis congénita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. RevistaSaúdePública, Distrito Federal, n. , p.479-
486, 2012.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (Org.). Sífilis. Disponível em: <http://www.aids.gov.br/pagina/sifilis>. Acesso em: 25 jun. 2013.


MINISTÉRIO DA SAÚDE. Boletim Epidemiológico Sífilis 2012.

Comente com o Facebook: