quarta-feira, 21 de setembro de 2016

SEMIOTÉCNICA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Enfermagem - by Vieira Miguel Manuel

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
LICENCIATURA EM ENFERMAGEM


        





SEMIOTÉCNICA





SISTEMA CARDIOVASCULAR














LUANDA
2016
INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
LICENCIATURA EM ENFERMAGEM





SEMIOTÉCNICA



SISTEMA CARDIOVASCULAR




INTEGRANTES:

     Albertina Massi Massimuanga
     Glória Vemba Catuti
     Mariana Júlia M. Zunza
     Sabalo Manuel João
     Suzana Domingos Fuafua



Trabalho de pesquisa bibliográfica apresentado ao Curso de Enfermagem na disciplina de Semiotécnica como requisito parcial para obtenção de notas.


Orientadora: Guilhermina Guilherme




LUANDA
2016
SUMÁRIO








O sistema cardiovascular ou circulatório é uma vasta rede de tubos de vários tipos e calibres, que põe em comunicação todas as partes do corpo. Dentro desses tubos circula o sangue, impulsionado pelas contracções rítmicas do coração.

O coração e os vasos sanguíneos foram desenvolvidos especialmente para fornecer um rápido transporte de O2, nutrientes (glicose, aminoácidos, ácidos graxos, vitaminas…), drogas, e água para os tecidos e providenciar a remoção de produtos do metabolismo celular, CO2, ureia e creatina. Além disso, o sistema cardiovascular faz parte de um sistema de controlo que não somente distribui hormónios que vão regular a função de diferentes tecidos, como também secreta hormónios (por ex. peptídeo natriurético atrial). O sistema cardiovascular desempenha ainda um papel vital na regulação da temperatura corporal. No processo de evolução os mamíferos se tornaram altamente dependentes do sistema circulatório para todas essas funções e qualquer interrupção em qualquer ponto do sistema pode produzir sérias consequências para o organismo.


O sistema cardiovascular ou circulatório é uma vasta rede de tubos de vários tipos e calibres, que põe em comunicação todas as partes do corpo. Dentro desses tubos circula o sangue, impulsionado pelas contracções rítmicas do coração.

Os principais componentes do sistema circulatório são: coração, vasos sanguíneos, sangue, vasos linfáticos e linfa.


O sistema circulatório permite que algumas actividades sejam executadas com grande eficiência:

Transporte de gases: os pulmões, responsáveis pela obtenção de oxigénio e pela eliminação de dióxido de carbono, comunicam-se com os demais tecidos do corpo por meio do sangue.

Transporte de nutrientes: no tubo digestivo, os nutrientes resultantes da digestão passam através de um fino epitélio e alcançam o sangue. Por essa verdadeira "auto-estrada", os nutrientes são levados aos tecidos do corpo, nos quais se difundem para o líquido intersticial que banha as células.

Transporte de resíduos metabólicos: a actividade metabólica das células do corpo origina resíduos, mas apenas alguns órgãos podem eliminá-los para o meio externo. O transporte dessas substâncias, de onde são formadas até os órgãos de excreção, é feito pelo sangue.

Transporte de hormónios: hormónios são substâncias secretadas por certos órgãos, distribuídas pelo sangue e capazes de modificar o funcionamento de outros órgãos do corpo. A colecistocinina, por exemplo, é produzida pelo duodeno, durante a passagem do alimento, e lançada no sangue. Um de seus efeitos é estimular a contracção da vesícula biliar e a liberação da bile no duodeno.

Intercâmbio de materiais: algumas substâncias são produzidas ou armazenadas em uma parte do corpo e utilizadas em outra parte. Células do fígado, por exemplo, armazenam moléculas de glicogénio, que, ao serem quebradas, liberam glicose, que o sangue leva para outras células do corpo.

Transporte de calor: o sangue também é utilizado na distribuição homogénea de calor pelas diversas partes do organismo, colaborando na manutenção de uma temperatura adequada em todas as regiões; permite ainda levar calor até a superfície corporal, onde pode ser dissipado.

Distribuição de mecanismos de defesa: pelo sangue circulam anticorpos e células fagocitárias, componentes da defesa contra agentes infecciosos.

Coagulação sanguínea: pelo sangue circulam as plaquetas, pedaços de um tipo celular da medula óssea (megacariócito), com função na coagulação sanguínea. O sangue contém ainda factores de coagulação, capazes de bloquear eventuais vazamentos em caso de rompimento de um vaso sanguíneo.

Assim, o sistema cardiovascular compõe-se das seguintes estruturas:

a)    Coração;

b)    Vasos arteriais (sistema vascular arterial);

c)    Sistema tubular trocador (microcirculação);

d)    Vasos venosos (sistema vascular venoso);

e)    Vasos linfáticos (sistema vascular linfático).



Os vasos sanguíneos constituem uma ampla rede de tubos por onde circula o sangue, distribuídos por todo o corpo. Existem três tipos de vasos sanguíneos: as artérias, as veias e os vasos capilares.

Artérias: as artérias são vasos do sistema cardiovascular, por onde passa o sangue que sai do coração, sendo transportado para as outras partes do corpo. A musculatura das artérias é espessa, formada de tecido muscular bastante elástico. Permite, dessa maneira, que as paredes se contraiam e relaxem a cada batimento cardíaco.

As artérias se ramificam pelo corpo e vão se tornando mais finas, constituindo as arteríolas, que por sua vez se ramificam ainda mais formando os capilares.

Veias: As veias são vasos do sistema cardiovascular que transportam o sangue das diversas partes do corpo de volta para o coração. Sua parede é mais fina que a das artérias e, portanto, o transporte do sangue é mais lento. Assim, a pressão do sangue no interior das veias é baixa, o que dificulta o seu retorno ao coração. A existência de válvulas nesses vasos, faz com que o sangue se desloque sempre em direcção ao coração.

Importante destacar que a maior parte das veias (jugular, safena, cerebral e diversas outras) transporta o sangue venoso, ou seja, rico em gás carbónico. As veias pulmonares transportam o sangue arterial, oxigenado, dos pulmões para o coração.

Vasos Capilares: Os vasos capilares são ramificações microscópicas de artérias e veias, que integram o sistema cardiovascular, formando uma rede de comunicação entre as artérias e as veias.

Suas paredes são constituídas por uma camada finíssima de células, que permite a troca de substâncias (nutrientes, oxigénio, gás carbónico) do sangue para as células e vice-versa.

O coração é um órgão oco, aproximadamente esférico, constituído de paredes musculares que delimitam quatro cavidades:

       Os átrios direito e esquerdo e os ventrículos direito e esquerdo. O átrio direito e o ventrículo direito constituem o coração direito, ou lado direito do órgão, e o átrio esquerdo e ventrículo esquerdo integram o coração esquerdo, ou lado esquerdo do órgão.

O coração tem o tamanho da mão fechada e pesa cerca de 300 à 400g.

       Camadas da Parede Cardíaca:

Pericárdio: a membrana que reveste e protege o coração. Ele restringe o coração à sua posição no mediastino, embora permita suficiente liberdade de movimentação para contracções vigorosas e rápidas. O pericárdio consiste em duas partes principais: pericárdio fibroso e pericárdio seroso.

O pericárdio fibroso superficial é um tecido conjuntivo irregular, denso, resistente e inelástico. Assemelha-se a um saco, que repousa sobre o diafragma e se prende a ele.

O pericárdio seroso, mais profundo, é uma membrana mais fina e mais delicada que forma uma dupla camada, circundando o coração. A camada parietal, mais externa, do pericárdio seroso está fundida ao pericárdio fibroso. A camada visceral, mais interna, do pericárdio seroso, também chamado epicárdio, adere fortemente à superfície do coração.

Epicárdio: a camada externa do coração é uma delgada lâmina de tecido seroso. O epicárdio é contínuo, a partir da base do coração, com o revestimento interno do pericárdio, denominado camada visceral do pericárdio seroso.

Miocárdio: é a camada média e a mais espessa do coração. É composto de músculo estriado cardíaco. É esse tipo de músculo que permite que o coração se contraia e, portanto, impulsione sangue, ou o force para o interior dos vasos sanguíneos.

Endocárdio: é a camada mais interna do coração. É uma fina camada de tecido composto por epitélio pavimentoso simples sobre uma camada de tecido conjuntivo. A superfície lisa e brilhante permite que o sangue corra facilmente sobre ela. O endocárdio também reveste as valvas e é contínuo com o revestimento dos vasos sanguíneos que entram e saem do coração.


O profissional não poderá avaliar a função cardíaca sem antes examinar a integridade do sistema vascular. Os dois sistemas funcionam conjuntamente para enviar o sangue aos diversos órgãos, tecidos e células do corpo. Uma alteração na função cardíaca manifesta-se por alterações ocorridas no sistema vascular periférico. O profissional devera avaliar também os factores de risco associado a doença cardíaca incluindo fumo, consumo de álcool, desnutrição e padrões de exercício físico

O profissional poderá iniciar o exame pela região cardíaca e depois examinar o sistema vascular periférico, ou vice-versa. De qualquer modo, o método escolhido devera ser organizado. Quando se realiza um exame completo, é mais fácil ir de uma avaliação do tórax para o coração. O paciente deverá estar em uma posição confortável, com o tórax devidamente exposto para o exame.

A avaliação das funções cardíacas é realizada pela região anterior do tórax, o examinador elabora mentalmente a imagem da localização exacta do coração. No adulto, o órgão está localizado no centro do tórax (precordial), atrás e à esquerda do esterno, com uma pequena parte do átrio direito estendendo-se à direita do esterno. A base do coração é a porção superior e o ápice é a ponta inferior. A superfície do ventrículo direito compreende a maior parte da superfície anterior do órgão.

Uma parte do ventrículo esquerdo forma o lado esquerdo anterior do ápice. O ápice do coração realmente toca a parede anterior do tórax, aproximadamente na altura do quarto para o quinto espaço intercostal, ao longo da linha hemiclavicular, conhecido como o ictus cordis (choque da ponta).

Para a melhor compreensão o profissional precisa conhecer a sincronia em relação do ciclo cardíaco. O coração em condições normais, bombeia o sangue através dessas quatro câmaras.

Durante o fluxo sanguíneo em cada câmara alguns eventos ocorrem: válvulas abrem e fecham, as pressões internas das câmaras aumentam e diminuem, as câmaras se contraem. Cada evento cria sinal fisiológico perfeitamente detectável pelo examinador.

 O exame deve ser iniciado com o paciente tendo a parte superior do corpo levemente elevada, pois pacientes com doenças cardíacas frequentemente sofrem de falta de ar se ficarem deitados em posição horizontal. O examinador se posiciona em pé, ao lado direito do paciente, que deve se abster de falar, especialmente durante a auscultação das bulhas cardíacas.


Estes dois métodos são aplicados simultaneamente. O ângulo de Louis se localiza entre o manúbrio e o corpo do esterno, pode ser percebido como uma protuberância no esterno. O profissional poderá correr os dedos para baixo em cada lado desse ângulo até sentir o segundo espaço intercostal. O segundo espaço intercostal no lado direito do corpo do paciente, o foco aórtico, o mesmo espaço do lado esquerdo e o foco pulmonar. A palpação profunda é necessária na percepção desses espaços em pacientes obesos ou naquele que apresentem os músculos peitorais muito desenvolvidos. Utiliza-se a palma da mão para a palpação das vibrações. As pulsações são percebidas de modo mais eficiente com as pontas dos dedos. Ao se palpar uma vibração ou pulsação esta ocorrência deve ser avaliada em relação a sístole ao diástole através da auscultação das bulhas cardíacas.


Este método é raramente utilizado durante a avaliação de um coração adulto. Os estudos de raios X do tórax são muito mais eficientes na determinação do tamanho do coração. Nas crianças, a percussão pode detectar mais facilmente os limites dos órgão, devido a proximidade do mesmo em relação a parede torácica.


A auscultação cardíaca é executada para detectar as bulhas cardíacas normais, os sons extra cardíacos e os sopros. Ao dar inicio ao exame de um paciente, o profissional deverá explicar-lhe o procedimento a ser seguido, para diminuir a ansiedade do mesmo. Em paciente do sexo feminino será necessário erguer a mama esquerda para melhorar a audição da parede torácica.

O objectivo do profissional é de identificar a primeira e segunda bulhas cardíacas. (B1 e B2 ).

Após ter avaliado a frequência e ritmo cardíacos, o profissional deverá dar especial atenção a natureza das bulhas cardíacas, através da comparação de B1 e B2. A intensidade, timbre e duração devem ser observados e os resultados normais são:


       Foco aórtico: B2 a mais intensa possível, mais alta que B1.
       Foco pulmonar: B2 mais intensa que B1.
       Foco tricúspide: B2 mais suave que B1.
       Foco mitral: B2 mais suave que B1.

Qualquer falha do coração quanto ao ritmo de batimento em intervalos sucessivos e regulares constitui uma arritmia. O profissional poderá avaliar o deficit de pulso por meio de um dos procedimentos a seguir: (1) mede-se um pulso radial por 1 minuto e imediatamente depois verifica-se o pulso ictal, pelo mesmo período. Comparam-se os dados. (2) Um colega poderá avaliar o pulso ictal enquanto o examinador simultaneamente avalia o pulso radial do paciente. Qualquer diferença nas frequências devera ser comunicada ao médico imediatamente.


Sopros são ruídos com características acústicas semelhantes aos ruídos de um fole provocados por alterações no fluxo sanguíneo através do coração ou por anormalidade no fechamento das válvulas. Os sopros podem indicar uma dificuldade do coração em bombear o sangue de modo eficiente. Sopros são relativamente comuns em crianças.


Bastante comuns em nossa sociedade, as Doenças Cardiovasculares estão entre as que mais matam em todo o mundo. Problemas desse tipo afectam o coração e as artérias do organismo e provocam também as arritmias, enfarto do miocárdio agudo, isquemias e anginas. O principal causador de todos os problemas cardiovasculares é o acúmulo de placas de gordura nas artérias, portanto a vida sedentária pode ser o maior factor de risco para a doença. O acúmulo de gordura no sangue e nas artérias prejudicam o entupimento das artérias da circulação sanguínea e é bastante grave.

O sangue bombeado pelo coração é responsável por levar oxigénio aos praticamente todos os órgãos do corpo e quando as artérias entopem esse processo sofre grandes alterações.

Os principais sintomas das Doenças Cardiovasculares são bastante comuns em todas em doenças que tinge o coração e a circulação sanguínea. Falta de ar, tanto no repouso quanto no esforço físico, dor no peito e sensação de pressão na região do tórax, cansaço, fadiga, desmaios repentinos, palpitações ou taquicardias, tosse seca, pressão alta, tonturas, visão turva ou embaçada, inchaço nos membros inferiores e impotência sexual são os principais sinais de que paciente pode estar sofrendo com alguma doença desse tipo.

Os diagnósticos para as Doenças Cardiovasculares são feitos sempre com acompanhamento médico, feitura de exames laboratoriais, análise dos sintomas e histórico familiar de cada paciente. Análises laboratoriais e estudos de imagens são essenciais no diagnóstico seguro desse tipo de doença.

Análises de colectas sanguíneas, electrocardiograma, ecocardiografia, angiografia coronária, cateterismo, teste de esforço físico, raio X da caixa torácica e até mesmo tomografia computadorizada são alguns dos exames que auxiliam na detecção dos problemas no coração.





















Podemos concluir, em conformidade com a matéria apresentada, que a função básica do sistema cardiovascular é a de levar material nutritivo e oxigénio às células. O sistema circulatório é um sistema fechado, sem comunicação com o exterior, constituído por tubos, que são chamados vasos, e por uma bomba percussora que tem como função impulsionar um líquido circulante de cor vermelha por toda a rede vascular.

O sistema cardiovascular consiste no sangue, no coração e nos vasos sanguíneos. Para que o sangue possa atingir as células corporais e trocar materiais com elas, ele deve ser, constantemente, propelido ao longo dos vasos sanguíneos. O coração é a bomba que promove a circulação de sangue por cerca de 100 mil quilómetros de vasos sanguíneos.






B. Anne. E.LESSAK Anne, LIBRO DE LABORATORIO DE ANATOMIA Y FISIOLOGIA. 1edición Edit. Paidribo. Barcelona. 2002

GERARD J.Tortora; ANAAGNOSTAKOS. Nicholas.  PRINCIPIOS DE ANATOMIA Y FISIOLOGIA; Quinta edición; Edit. Harla S.A. Mexico D.F.1989

MELO. Vladimir; Enciclopedia Temática Ilustrada, LA AVENTURA DEL CONOCIMIENTO, Sistema Circulatorio; Edit. Norma.

VELEZ. Hernan et al.. FUNDAMENTOS DE MEDICINA; 3 edición; Corporación para investigaciones biológicas. Medellin, Colombia. 1989


VILLE. Claude A. BIOLOGIA; 7 edición; Edit. Graw Hill Interamericana de Mexico D.F. 1990

Comente com o Facebook: