terça-feira, 6 de outubro de 2015

CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM 01

INSTITUTO SUPERIOR Inocêncio NANGA (iSpin)
DEPARTAMENTO DE Ciências da Saúde
Licenciatura em ENFERMAGEM










CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL PARA A PRÁTICA DE
ENFERMAGEM







Nome: Pedro Henriques Serafim
Nº: 15
Período: Manhã









A DOCENTE

_____________________
Loreta Rodrigues



LUANDA
2015
SUMÁRIO








Os Sistemas de Classificação da Prática de Enfermagem surgiram nsa ano de 1950, when modelos conceituam de enfermagem passaram um Ser desenvolvidos, n'uma Tentativa de identificar OS PROPRIOS Conceitos da Profissão. Mais tarde, na DÉCADA DE 1970, surge o Processo de Enfermagem Como hum modelo Operacional Pará uma Assistência favorecendo o Desenvolvimento de Conceitos e Sistemas de Classificação.

Estes Fatores abalizaram o imperativo de Sistemas de Classificação da Prática Profissional that sumarizassem e descrevessem OS Dados Mínimos parágrafo a Prática de Enfermagem. Em 1989, foi apresentada Ao Conselho Internacional de Enfermagem (CIE), Durante como fazer Atividades Congresso Quadrienal Realizado em Seul, Coreia, uma necessidade de Desenvolvimento de hum Sistema classificatório internacional. Como RESPOSTA, o CIE iniciou, em 1991, o Projeto da Classificação Internacional parágrafo a Prática de Enfermagem - CIPE ®.

A Partir de ENTÃO, foi Realizado extenso Levantamento bibliográfico e desenvolvida Uma Pesquisa Junto Às Associações Membros do CIE, com Objetivo de identificar, em Âmbito Mundial, OS Sistemas de Classificação utilizados na Enfermagem.

Constatou-se a existencia de Sistemas na Austrália, Bélgica, Dinamarca, Suécia e Estados Unidos, os Outros between, confirmando a presence de Diferentes classificações descritoras da Prática de Enfermagem, evidenciando sobremaneira, a importancia do Desenvolvimento de hum Sistema classificatório Unificado Capaz de representar ESTA Prática em Âmbito Mundial.

O Projeto inicial da CIPE ® propos o Desenvolvimento de hum Vocabulário Que atuasse Como Uma linguagem Unificada, parágrafo descrever a Prática da Enfermagem contemplando Uma Estrutura de Termos e Definição de vocábulos). Em 1994, Enfermeiros de 10 Países das Américas e da África participaram, um Convite do CIE, de Uma Reunião, em Tlaxcala, no México, com a finalidade de Estudar PROPOSTAS parágrafo Inclusão de Termos ancoradores da Prática de Enfermagem, não Âmbito extra-hospitalar , Bem Como SUA Inserção NAS Ações Primárias em Saúde, de forma a contemplar a área da saúde coletiva.

Os Sistemas de Classificação existentes à Época contribuíram parágrafo proporcionar Autonomia Ao Enfermeiro há Julgamento Sobre os Cuidados prestados, aprimoraram a Construção e utilização do Corpo Proprio de Conhecimento da Enfermagem e estimularam OS ESTUDOS Relacionados à Qualidade fazer Prestado cuidado. Surge ASSIM ENTÃO Como problematica parágrafo este Estudo o Seguinte:

Podemos Como diagnosticar Necessidades de Cuidados de enfermagem com base de na CIPE?


A CIPE ® e Um Sistema de linguagem Unificado da Enfermagem, com Uma Terminologia funcional parágrafo SUA Prática. Um de SEUS Objetivos de e homogeneizar vocabulários LOCAIS com terminologias existentes mundialmente, Como parte de infra-estrutura de Informação da UMA Enfermagem, parágrafo aprimorar a Assistência à Saúde da População.

De a Acordo com o CIE, a CIPE ® Contém Termos parágrafo Composição de Diagnósticos, intervenções e Resultados, that descrevem a Prática de Enfermagem. Fornece Uma Terminologia de Estrutura Unificada, that inclui vocabulários de Enfermagem that PODEM Ser utilizados parágrafo Mapeamento de Dados, Sendo visualizado, AINDA, Como hum instrumento de Informação Capaz de descrever a Prática da Enfermagem, conferindo-LHE Maior visibilidade nsa Sistemas de Informação em Saúde .

Objetivos OS DO PROJETO CIPE ® almejam, Além Do Estabelecimento de Uma linguagem Comum Pará uma Prática da enfermagem, Uma Representação de Conceitos e Descrição de Cuidados utilizados na Prática locais e mundial. Desta forma, POSSIBILITA à Comparação de Dados, incentiva à Pesquisa, auxilia no ensino e poderá Projetar Tendências das Necessidades dos patients.

Pesquisadores, educadores, Gerentes e grupos formuladores de Políticas de Saúde utilizam Sistemas de Informação em Saúde do Pará Tomada de decisão. Sendo ASSIM, a estruturação de hum Sistema classificatório parágrafo como Práticas de enfermagem favorece, Outros between, uma Avaliação da Contribuição da Enfermagem no cuidado à Saúde, impulsionando Mudanças e potencializando a Qualidade do Processo assistencial, faça ensino, da Gestão e da Pesquisa.


Em dezembro de 1996, o CIE publicou a CIPE ® - Versão Alfa: Um Marco Unificador, com a finalidade de incentivar Comentários, OBSERVAÇÕES, Críticas e sugestões parágrafo Seu Melhoramento, Iniciando este Processo. O Conteúdo Desta version representava Conceitos Usados ​​mundialmente, não entanto, Agrupados e hierarquizados.

A CIPE ® Versão era Alfa Composta de Duas classificações: Uma Relativa AOS Fenômenos de Enfermagem e Outra Às Intervenções de Enfermagem. A Classificação dos Fenômenos de Enfermagem Faz Referência Ao Dominio do Cliente, podendo este Ser o Ser Humano UO o ​​Meio Ambiente, constituida Por Um modelo monoaxial Composto de hum índice de 293 Termos e SUAS respectivas definições. A Classificação das Intervenções de Enfermagem relaciona-se Ao Domínio das Ações desempenhadas Pelos Enfermeiros frente AOS Fenômenos de Enfermagem, representada POR UM Modelo multiaxiais Eixos tendão Como: Ação, Objeto, Enfoque, Meio, Lugar do Corpo e Tempo / Lugar.

Em março de 1998, o CIE apresenta PROPOSTAS Para a Construção de Um modelo experimental parágrafo Uma Nova Versão, uma constítuida em hum Ser enfoque multiaxial, com a finalidade de oferecer hum Suporte ampliado parágrafo Seu Desenvolvimento. Durante quanto comemorações dos 100 anos do CIE, em julho de 1999, foi um Lançada Versão Beta. SEUS Componentes Passam a constituir-se Como: Fenômenos de Enfermagem, Ações de Enfermagem e Resultados de Enfermagem, todos com modelo multiaxial. This proposal, dependendo da Realidade e da Experiência do Profissional, permitia Uma Maior Liberdade de Combinação de Conceitos contidos na classificação.

A Classificação dos Fenômenos de Enfermagem representava OS Aspectos de Saúde Relevantes Para uma Prática de enfermagem, constituindo-se de Oito Eixos: Foco da Prática de Enfermagem, Julgamento, Frequência, Duração, Lugar do Corpo, Topologia,

Probabilidade e Portador. A Classificação das Ações foi Definida Como o Desempenho dos Enfermeiros na Prática assistencial, e era Composta Eixos POR Oito: Tipo de Ação, Alvo, Meio, Tempo, Topologia, Localidade, via e beneficiario. Os Resultados de Enfermagem representavam Uma Medida da efetividade das Condutas Tomadas Pelos Enfermeiros, adotando OS mesmos Eixos da classificação de Fenômenos.

O CIE, em janeiro de 2002, divulgou um Beta Versão 2, com um MESMA Estrutura multiaxial e com SEUS Conceitos mantidos. Were realizadas correções Relacionadas um codificações e gramatical Ao Conteúdo.

Tanto na Versão Beta, Como na Beta 2, foi incluido o indicativo parágrafo Composição de Declarações de enfermagem. Para compor hum Diagnóstico de Enfermagem, entendido Como "o Nome dado um cabelo Enfermeiro Uma decisão Sobre hum Fenômeno Que É o foco da Intervenção de enfermagem", São utilizados Termos PRESENTES nsa Eixos da Classificação dos Fenômenos de Enfermagem.

Para compor como Intervenções de Enfermagem, compreendidas Como "ações As realizadas em RESPOSTA um hum Diagnóstico de Enfermagem com o intuito de Produzir hum Resultado de Enfermagem", São utilizados Termos PRESENTES nsa Eixos da Classificação das Ações de Enfermagem.

A Composição do Resultado de Enfermagem, Definido Como "uma Medida UO O Estado de hum Diagnóstico de Enfermagem, num Determinado Período, apos uma Intervenção de enfermagem", Faz USO dos mesmos Termos formadores fazer Diagnóstico de Enfermagem. Salienta-se that a finalidade da Classificação dos Resultados de Enfermagem da CIPE ® E fornecer Uma forma de Descrição de resultados relacionada AOS Diagnósticos de Enfermagem. ASSIM, um Resultado de Enfermagem se origina de Intervenções relativas a hum Diagnóstico de Enfermagem, Gerando sempre hum novo diagnóstico.

A CIPE ® Versão Beta 2 foi submetida à Análise e utilização em Diversos Países do Mundo, inclusive no Brasil, na busca constante fazer Aperfeiçoamento e Desenvolvimento. ASSIM, Enfermeiros realizaram Uma extensa Avaliação nenhum intuito de PROMOVER Melhorias e, desta série de Avaliações e revisões, surge um CIPE ® Versão 1.0 configurando Um produto originado de hum esforço mundial, lançado cabelo CIE, em 2005, em Genebra.

A CIPE ® Versão 1.0 representação Muito Mais que hum Vocabulário, considerando that parágrafo SUA AMPLIAÇÃO foi Utilizado hum ambiente de Desenvolvimento de ontologías, denominado Protégé. Uma ontologia E UMA especificação formal, de Uma conceitualização Compartilhada, Entendendo that uma "especificação formal" Significa Que SEUS Termos e restrições de uso São explicitamente definidos n'uma linguagem Computadorizada e que "conceitualização Compartilhada" E uma ideia de mundo de hum grupo de Pessoas refletindo hum Conhecimento consensual, POR Aceito este grupo.

Em março de 2006, uma Ordem dos Enfermeiros de Portugal, em Associação Ao CIE, reconhece a importancia dos Sistemas de Informação e das Tecnologias de Informação Para a decisão, Qualidade e Segurança dos Cuidados, e lança um version oficial em Português (Portugal) da Primeira Edição da CIPE ® 1.0. A CIPE ® english version 1.0 Propos Um Novo agrupamento de Eixos e unificou As Duas Estruturas multiaxiais, em hum modelo de sete Eixos.

Este novo modelo pretendeu facilitar o USO Contínuo da CIPE ® Pelos Enfermeiros, na Medida em that Soluciona OS Problemas de redundancia e ambiguidade na PRESENTES version Beta 2.

Como definições dos sete Eixos, Segundo o CIE São:

·          Foco: a área de Atenção Que É Relevante parágrafo um Enfermagem.
·          Julgamento: Opinião clinica UO determinação relacionada Ao foco da Prática de Enfermagem.
·          Paciente: Sujeito Ao Qual o diagnóstico se REFERÊ e Que É o Recipiente de Uma Intervenção.
·          Ação: um Processo intencional Aplicado um hum Cliente.
·          Meios: Uma Maneira OU UM Método de desempenhar Uma Intervenção de enfermagem.
·          Localização: Orientação Anatomica e espacial de hum diagnóstico OU intervenções.
·          Tempo: o momento, Período, instante, Intervalo OU Duração de Uma Ocorrência.



Quadro: Versões da CIPE



Os Conceitos das Declarações de enfermagem also were adequados:

·          Diagnóstico de Enfermagem, that passa a representar o estado do Cliente, Problemas, Necessidades e POTENCIALIDADES;

·          Intervenções de Enfermagem, Que Passam a representar como Ações de enfermagem; e

·          Resultado de Enfermagem, Que continua a Ser Definido da MESMA forma that NAS versões Anteriores.

Para a Construção dos enunciados dos Diagnósticos e dos Resultados de Enfermagem um CIPE ® propõem um Inclusão de: um termo do Eixo Foco e hum termo do Eixo Julgamento, podendo Ser adicionados Termos de QUALQUÉR Outro Eixo, necessary do conforme. Para a Construção dos enunciados das Intervenções de Enfermagem devem sor inclusos hum termo do Eixo Ação e Termos Alvos de QUALQUÉR Outro Eixo, EXCETO do Eixo Julgamento.

Em 2008, o CIE apresentou Uma Nova Versão da CIPE ®, um 1.1, cuja Disponibilidade se limitou a WEB, Não Sendo Prevista Versão impressa. A grande novidade Desta version foi um Inclusão de Declarações de Diagnósticos, Resultados e intervenções de enfermagem no Corpo da classificação. Outro Ponto a Ser destacado E a adequação da classificação de uma norma ISO 18.104 - Integração de Um Modelo de Terminologia de Referência parágrafo Enfermagem (Disponível em: <http://www.tc215wg3.nhs.uk/pages/pdf/wg3_148.p
df>).

A Inclusão de declarativas de enfermagem foi resultado dos esforços de Enfermeiros Pará uma Construção de Catálogos de enfermagem Definida Como subconjuntos de Diagnósticos, intervenções e Resultados de enfermagem, pré-ELABORADOS, direcionados parágrafo Uma determinada área da Prática Profissional.

Em outubro de 2008, Durante a Reunião anual da Organização Mundial da Saúde - Família das Classificações Internacionais - OMS / FCI, ocorrida em Gurgaon, na Índia, foi determinada a Inclusão da CIPE ® Como Integrante da FCI. Desta forma, o ICN Inicia hum Movimento para adequar a Estrutura da CIPE ® à Estrutura das OUTRAS classificações da Família, Fato Sendo Determinante PARA O Lançamento da Versão 2.0.

 A CIPE ® Versão 2.0 foi divulgada, em julho de 2009, Durante o Congresso fazer ICN, em Durban, na África do Sul. Ela POSSUI Mais de 400 Novos Conceitos em SUA Estrutura, resultantes do Trabalho coordenado Pelo Conselho não SENTIDO de garantir um Consistencia e Precisão da classificação.

Sem SENTIDO de favorecer a visualização da Evolução ocorrida NAS SEIS versões Quanto às Características principais, definições e Composição.







O CIE enfatiza that, parágrafo Cumprir SEUS Objetivos, a CIPE ® DEVE Ser Incorporada à Atividade diaria dos Enfermeiros NAS Instituições de Saúde e de ensino, de forma a acompanhar como os novas exigências da Profissão, Tornando-se hum grande desafio parágrafo OS Profissionais de Serviço , ensino e Organizações da Enfermagem brasileira PROMOVER Estrategias de concretização Para esta Aproximação.

This narrativa proporciona Uma contribuição não SENTIDO de Enfermeiros e Acadêmicos Aproximar a este Conhecimento, favorecendo a incorporação da CIPE ® Ao Processo de Enfermagem e possibilitando a visibilidade das Práticas de Enfermagem Ao universo da Informação.

Neste contexto, agrega-se a necessidade de Autores e Pesquisadores estarem atentos AOS Descritores utilizados em SUAS Publicações Sobre o tema Sistemas Classificatórios, adotando de Fato, Termos that reflitam o Conteúdo abordado de forma a favorecer o Acesso quanto SUAS Produções.






Nóbrega MML, Garcia TR, Araruna JF, Nunes WCAN, Dias GKG, Beserra PJF. Mapeamento de Termos atribuídos AOS Fenômenos de enfermagem nsa Registros dos Componentes da Equipe de enfermagem. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2003 [cited 15 março 2010]; 5 (2): 33-44. Disponível a partir de:
http://www.fen.ufg.br/revista/revista5_2/pdf/mapa.pdf.

Silva IA, Yoshikawa EE, Sena RR, Almeida MCP, Antunes MJ. A Participação do Brasil no Projeto de Classificação Internacional das Práticas de Enfermagem. In: Guedes MVC, Araújo TL. O Uso do diagnóstico na Prática de Enfermagem. Brasília: Associação Brasileira de Enfermagem; 1997.

Bernardo WM, Nobre MRC, Jatene FB. A Prática clínica baseada em Evidências. Parte II: Evidências buscando como em Fontes de Informação. Rev Bras Med. Assoc 2004; 50 (1): 1-9.

Conselho Internacional de Enfermeiros. CIPE ® Versão 1.0. Classificação Internacional Pará a Prática de Enfermagem. Tradução da Ordem dos Enfermeiros, Coordenação. Lisboa: Conselho Internacional de Enfermeiros; 2006.









Comente com o Facebook: