sexta-feira, 12 de junho de 2015

Finalidades das Empresas - Trabalho Elaborado Por Vieira Miguel Manuel

Trabalho Elaborado Por Vieira Miguel Manuel


transferir (1).jpg
REPÚBLICA DE ANGOLA
GOVERNO DA PROVÍNCIA DE LUANDA
GABINETE PROVINCIAL DA EDUCAÇÃO DE LUANDA
ESCOLA DO Iº E IIº CICLOS DO ENSINO PRIMÁRIO, SECUNDÁRIO E TÉCNICO PROFISSIONAL – MPANGUI AFONSO











Organização e Administração de Empresa


Finalidades das Empresas



Classe: 10ª
Curso: Informática de Gestão
Grupo n.º: 03
Sala: 12
Turma: 10IG3T
Turno: Tarde





PROFESSOR

______________________
     Tinino Paulo Bunga


LUANDA - ANGOALA
2015
ÍNDICE









 





Quando pensamos em negócios, logo surge em nossas mentes a empresa, mas; o que é uma empresa, qual conceito devemos ter dessa palavra? Diversos autores mostram os mais variados conceitos para definir e conceituar esta palavra, entretanto a mais usual seja a de que:

Empresa é a unidade económica organizada, que combinando capital e trabalho, produz ou faz circular bens ou presta serviços com finalidade de lucro. Adquire personalidade jurídica pela inscrição de seus actos constitutivos nos órgãos de registo próprio, adquirindo dessa forma capacidade jurídica para assumir direitos e obrigações. A empresa deve ter sua sede, ou seja, deve um domicílio, local onde exercerá seus direitos e responderá por suas obrigações. (FABRETTI, 2003, p.36).

No presente trabalhos abordaremos sobre a finalidade de uma empresa, que é o foco principal da nossa pesquisa.





Uma empresa é uma unidade económico-social, integrada por elementos humanos, materiais e técnicos, que tem o objectivo de obter utilidades através da sua participação no mercado de bens e serviços. Nesse sentido, faz uso dos factores produtivos (trabalho, terra e capital).

As empresas podem ser classificadas de acordo com a actividade económica que desenvolvem. Deste modo, deparamo-nos com as empresas do sector primário (que obtêm os recursos a partir da natureza, como é o caso das agrícolas, pesqueiras ou pecuárias), as empresas do sector secundário (dedicadas à transformação de matérias-primas, como acontece com as industriais e as da construção civil) e as empresas do sector terciário (empresas que se dedicam à prestação de serviços ou ao comércio).

Outra classificação igualmente possível para as empresas é de acordo com a sua constituição jurídica. Existem empresas individuais (que pertencem a uma única pessoa) e societárias (constituídas por várias pessoas). Neste último grupo, as sociedades, por sua vez, podem ser anónimas, de responsabilidade limitada e de economia social (as chamadas cooperativas), entre outras.

As empresas também podem ser definidas de acordo com a respectiva titularidade do capital. Assim, mencionaremos as empresas privadas (cujo capital está nas mãos de particulares), as públicas (controladas pelo Estado), as mistas (o capital é partilhado por particulares e pelo Estado) e as empresas de autogestão (o capital é propriedade dos trabalhadores).

A gestão de empresas, no que lhe diz respeito, é uma ciência social que se dedica ao estudo da organização destas entidades, analisando a forma como são geridos os seus recursos, processos e os resultados das suas actividades.


A empresa utiliza os seus trabalhadores para transformarem os recursos em bens e serviços que satisfazem as necessidades dos consumidores. A esta actividade realizada pela empresa chama-se produção.

A produção é o resultado de uma combinação de factores desenvolvidos na empresa na qual o seu pessoal transforma os recursos postos a sua disposição em bens que satisfaçam as necessidades dos consumidores.

Estematicamente tem-se:

ELEMENTO HUMANO
MEIO DE TRABALHO
Trabalhadores
Objecto de trabalho (bens e serviços)
Gestores
Meio de trabalho




Neste esquema estão considerados elementos que convêm classificar. Assim:

1.      O elemento humano: é constituído pelas pessoas que desenvolvem actividades de natureza física ou intelectual a que se da o nome de trabalho.

2.      Os meios de produção ou capital são conjuntos dos objectos de trabalhos e meios de trabalho.

3.      Os objectos de trabalhos são: um conjunto de elementos sobre os quais recai os trabalhos das pessoas. Podem ser:

Matérias-primas: são bens que vão ser transformados e aparecem incorporados no produto final: Ex o açúcar no fabrico do bolo.

Matérias subsidiárias: são bens que são consumidos durante o processo produtivo mas não aparecem incorporados no produto final. Ex: o óleo no fabrico de batatas fritas.

4.      Os meios de trabalho são bens auxiliares de que os trabalhadores se servem para transformar os objectos de trabalho. São exemplo as maquinarias e ferramentas.



Finalidade social: as empresas apara alem dos seus objectivos económicos têm também objectivos sociais que constituem na atribuição de um salário ao trabalhador que lhe permite um poder de compra para satisfazer as suas necessidades, proporcionando-lhe estabilidade na e possibilidade de no futuro ter uma reforma, assim como realização profissional dos empregados e proporcionar actividades de lazer através de festas sociais, campos de férias, bibliotecas, creches e clubes desportivos.


No ecossistema onde a empresa actua existem dois tipos de evolventes:

1.      Transaccional: constituída por um conjunto de agentes económicos que se relacionam directamente com a empresa como é o caso dos:

Ø  Fornecedores: a quem a empresa adquire matérias, mercadoria e meios financeiros.
Ø  Clientes: onde a empresa coloca os bens que produz.
Ø  Instituições financeiras: fornecedores dos meios monetários.

Estado e outros agentes que funcionam como estes reguladores.

1.      Contextual: constituída pelo conjunto de variáveis sociais, politicas, culturais, demográficas, económicas e legais. Esta envolvente pode influenciar a empresa, mais a empresa pode controlar.

Uma empresa, ao escolher determinada região para se localizar deve-se conhecer todas as variáveis e compõem a sua envolvente contextual, como:

1.      Variável Demográficas: nível etário da população, taxa de natalidade, taxa de mortalidade, etc.
2.      Variável Politica: conhecimento sobre politica social e politica fiscal.
3.      Variável tecnológico: aparecimento de novos produtos e de novos mercados.
4.      Variáveis Culturas: conhecimento de aspectos etnológicos e histórico-culturais.
5.      Variáveis Económicas: taxas de juros, condições de acesso ao credito, taxas de impostos aplicáveis as empresas, indicadores de crescimentos económicos, etc.
6.      Variáveis Sociais: politicas salariais e frequências de greves.
7.      Variáveis Ambientais: defesa e protecção do meio ambiente no exercício da actividade empresarial.
8.      Variáveis Geográfica: conhecimentos dos recursos naturais, clima e relevo.


Classificar uma empresa significa em global numa determinada categoria da qual fazem parte outras empresas que apresentam característica e objectivos semelhantes. Assim são consideradas as seguintes classificação:

       Quando ao Regime Jurídico: de acordo com esta classificação as empresas são classificadas conforme os seus direitos e obrigações contratuais e legais; como as suas responsabilidades perante a terceira.

       Por Sector de Actividade: são classificadas de acordo com a natureza e origem dos produtos por ela fabricadas, das mercadorias que transaccionam ou dos serviços que prestam a comunidade.

       Por Distribuição Geográfica: permite uma visão da distribuição regional das empresas e verifica a existência ou não de assimetrias a nível do país.

       Económica: divide as empresas em comerciais e industriais, isto é, distingue as que vendem aquilo que compram, das que vendem aquilo que transformação e produzem.

       Quanto a Propriedade dos Meios de Produção: dando a conhecer quais são as detentas do meio de produção necessária ao funcionamento da empresa.

       Quanto a Sua Dimensão: repara que as empresas, em pequenas, medias e grandes.



Toda a empresa deve ser conhecida no mercado, pelo que todas devem possuir uma firma.

       Firma: é o nome pela qual a empresa é conhecida e referenciada no mercado. A firma de uma empresa deve obedecer os 3 requisitos fundamentais:

1.      Distinguir-se claramente das demais existentes no mercado.
2.      Estar registado no registo nacional.
3.      Ser verdadeira, isto é, o nome adoptado não deve induzir as pessoas em erros.

       Empresas Individuais: trata-se de um tipo de empresa em que o proprietário do capital é uma única pessoa.
       O património do proprietário da empresa é constituído por duas espécies de bens: os seus bens particulares e os bens afectos a actividades económicas.

A responsabilidade da empresa é ilimitada e o seu património pessoal responde pelas consequências da actividade comercial.

Argumento a favor da empresa individual:

       Simplicidade de forma: é facial funda-la e dissolve-la, pois as decisões dos actos esta a depender de uma única pessoa.

       Liberdade de Actuações: o proprietário é livre de tomar as decisões que quiser.

       Diálogo constante: o proprietário relaciona-se facilmente com fornecedores, clientes e empregados.

       Sigilo Profissional ou Negocial: (tipo de empresa) o segredo pode ser mantido com maior fidelidade.

Argumento contra da empresa individual:

       Responsabilidade Ilimitada: um único acto de gestão infeliz pode provocar não só a falência da empresa, mas ainda a ruína do proprietário.

       Dificuldade de Funcionamento: capital ilimitado; já que os bens próprios dos empresários respondem subsidiariamente aos bens que afectaram a actividade comercial.

Neste tipo de empresa a firma pode adaptar as seguintes forma: nome civil completo ou abreviado do proprietário seguido ou não da actividade a que se dedica.







De acordo com a pesquisa feita e a matéria apresentada até aqui, chegamos, de uma forma resumida, à seguinte conclusão:

Os objectivos da empresa são atingir e manter altos níveis de qualidade dos serviços prestados e exceder as expectativas dos clientes.

Para atingir estes objectivos, é política da empresa dar atenção imediata aos clientes, compreender suas necessidades, buscar soluções, e promover a melhora contínua dos processos e sistemas que garantam a identificação de problemas e ofereçam soluções antes que problemas ocorram.

Para atingir estas metas e a implementação de sua política, a empresa promove a organização dos processos e treina seus funcionários com o objectivo de dar a todo o seu pessoal as condições necessárias para oferecer o melhor nível de serviço a seus clientes. A empresa também implementa ferramentas de controlo de qualidade para identificar e medir níveis de serviço.

A equipe de gerência da empresa como parte do processo se compromete a:

       Comunicar a todo seu pessoal os objectivos da empresa e sua política;
       Disponibilizar sua experiência e habilidade para a empresa com o intuito de desenvolver e treinar seu pessoal tendo como objectivo atingir melhores níveis de qualidade de serviço;
       Dedicar tempo e atenção para implementar as funções e obrigações de uma maneira eficiente;
       Implementar e cumprir com os requerimentos dos sistemas de controlo da empresa;
       Liderar por exemplo e promover o trabalho em equipa.







ASSEF, Roberto. Guia prático de administração financeira: pequenas e médias empresas, Rio de Janeiro: Campus, 1999.

CHÉR, Rogério. A gerencia das pequenas e médias empresas: o que saber para administrá-las, 2ed. rev. e ampl. São Paulo: Maltese, 1991.

CHING, Yuh Hong. Contabilidade gerencial: Novas práticas contábeis para a gestão de negócios, São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

GROPPELLI, A.A.; NIKBAKHT, Ehsan. Administração Financeira, 2.ed. São Paulo, Saraiva, 2002.


PADOVEZE, Clóvis, Luís. Introdução à administração financeira. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

Comente com o Facebook: